Novembro Roxo: Conheça as principais causas da prematuridade

Prematuro

O Novembro Roxo é uma campanha dedicada à sensibilização sobre a prematuridade, e acontece no mês em que é celebrado o Dia Mundial da Prematuridade, em 17/11. O principal objetivo da data é estimular a elaboração de estratégias para diminuir a taxa de nascimentos precoces.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde, a prematuridade atinge 15 milhões de crianças todos os anos no mundo, além disso, suas complicações são as principais causas de morte de recém-nascidos e crianças menores de cinco anos. No recorte brasileiro, nascem 340 mil prematuros por ano, o equivalente a 931 bebês por dia com essa condição, segundo a Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Um nascimento prematuro corresponde àquele que ocorre antes de 37 semanas de gestação. Entretanto, a prematuridade pode ser classificada em três categorias: extrema, que corresponde à um nascimento anterior a 28 semanas; intermediária, que nascem entre 28 e 34 semanas; e tardia, que está entre 34 e 37 semanas. Vale citar que uma gestação comum tem em média 40 semanas.

Covid-19 como causa para a prematuridade

Com o aumento de infecções da Covid-19, houve, também, um crescimento no nascimento de bebês prematuros. Especialista apontam que isso ocorre pois, durante a gravidez já há uma sobrecarga no corpo, e quando a mulher é infectada pelo vírus, essa sobrecarga aumenta, principalmente, no sistema cardiovascular, circulatório e respiratório. Consequentemente, a gravidez evolui com mais complicações, sendo uma delas o nascimento prematuro.

Além disso, há outras complicações que podem levar à um parto prematuro. São essas:

• Alterações clínicas na gestante ou no feto, que necessitem de interrupção antes do tempo estipulado;
• Descolamento prematuro da placenta;
• Diabetes gestacional;
• Gravidez de múltiplos;
• Infecções maternas;
• Insuficiência istmocervical (abertura do colo do útero);
• Miomas;
• Pré-eclâmpsia (aumento da pressão arterial na gravidez);
• Prematuridade anterior;
• Rotura prematura da bolsa (vazamento do líquido amniótico);
• Tabagismo.

É possível evitar o parto prematuro?

Existem duas situações diferentes no que se refere ao parto prematuro. Em um dos casos, há a possibilidade de ocorrer uma prematuridade induzida, onde os médicos podem realizar uma cesariana devido alguma alteração com a gestante ou feto. Em outra circunstância, a grávida pode entrar em trabalho de parto sozinha, ou seja, ocorre a prematuridade espontânea, gerada pela dilatação precoce do colo do útero, e consequente trabalho de parto adiantado.

A realização correta do pré-natal é essencial para identificar e tratar possíveis problemas de saúde durante a gestação, prevenindo um quadro de prematuridade. Há ainda alguns métodos médicos, que variam de acordo com cada caso, que podem auxiliar, como medidas de repouso, ingestão de progesterona, ou ainda procedimentos como cerclagem e pressário.

Não esqueça, o acompanhamento médico é essencial para a saúde da mãe e do bebê! Para mais dicas sobre saúde, continue acompanhando o Blog Vida Saudável e as redes sociais da Pró-Saúde!

Ampliar fonte
Contraste