Slider

FAÇA SUA INSCRIÇÃO! / HAZ TU INSCRIPCIÓN!

FAÇA SUA INSCRIÇÃO! / HAZ TU INSCRIPCIÓN!

Breve histórico

O Brasil é um dos maiores países do mundo. Além da grande variedade de culturas, climas e etnias, os desafios envolvem o atendimento especializado em saúde à locais remotos, acessíveis em algumas ocasiões apenas por meios fluviais. É exatamente neste campo que a Pró-Saúde mostra sua expertise de mais de 50 anos de atuação.

A Floresta Amazônica compreende os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão. Atuando na região desde 1997, hoje a entidade é responsável pelo gerenciamento de 14 hospitais nos estados do Mato Grosso, Pará, Rondônia e Acre, mas ao longo de sua história a entidade já gerenciou um total de 47 unidades na região amazônica.

Nossa presença

Amazônia
Legal

Clique sobre os estados para conhecer as unidades administradas pela Pró-Saúde

0
é o número de unidades administradas na região atualmente
0
é o total de unidades administradas pela entidade no passado
Amazonas Mato Grosso Pará Acre Rondônia Roraima Amapá Maranhão Tocantins
Amazonas Mato Grosso Pará Acre Rondônia Roraima Amapá Maranhão Tocantins
0
Leitos disponíveis
0
Colaboradores
0
atendimentos

Atendimento indígena

0
atendimentos em clínica médica indígena
0
consultas com procedimentos
0
exames de radiologia indígena

Estrutura adaptada

Hospital Bom Pastor, em Guajará-Mirim (RO), construiu uma oca indígena em parceria com os familiares dos índios atendidos na unidade.

Linha do tempo

Clique sobre cada um dos anos para conhecer os principais momentos das nossas mais de duas décadas de experiência em gestão de unidades de saúde na Região da Amazônia Legal.

JUNHO
Início da gestão do Hospital de Porto Trombetas, da mineradora Rio do Norte, em Oriximiná (PA)

JULHO
Início da gestão do Hospital Yutaka Takeda, da mineradora Vale, em Parauapebas (PA)

OUTUBRO
Início da gestão do Complexo Ambulatorial e Hospitalar Carlos Macieira, em São Luis (MA).

MARÇO
Início da gestão do Hospital e Maternidade Marly Sarney, em São Luís (MA).

ABRIL
Início da gestão do Hospital Geral Dona Francisca Mendes, em Manaus (AM).

Dezembro
Início da gestão do Hospital Regional Alexandre Mamede Trovão, em Coroata; do Hospital Regional de Carutapera, em Carutapera e do Hospital Regional Materno-Infantil, em Imperatriz, todos no estado do Maranhão.

JULHO
Início da gestão do Hospital Regional Francisca Melo, em Santa Luzia do Paruá (MA).

FEVEREIRO
Início da gestão da Santa Casa de Rondonópolis, em Rondonópolis (MT).

JANEIRO
Encerramento da gestão do Hospital Regional Francisca Melo, em Santa Luzia do Paruá (MA).

MARÇO
Início da  gestão da Beneficência Portuguesa Pará, em Belém (PA), e encerramento da gestão do Hospital Regional de Carutapera, em Carutapera (MA).

ABRIL
Encerramento da gestão do Hospital Geral Dona Francisca Mendes, em Manaus (AM).

AGOSTO
Encerramento da gestão do Hospital Regional Alexandre Mamede Trovão, em Coroata (MA).

ABRIL
Encerramento da gestão da Santa Casa de Rondonópolis, em Rondonópolis (MT).

MARÇO
Início da gestão do Hospital de Imperatriz, em Imperatriz (MA).

SETEMBRO
Encerramento da gestão do Hospital de Imperatriz, em Imperatriz (MA).

OUTUBRO
Encerramento da gestão do Hospital e Maternidade Marly Sarney, em São Luís (MA).

FEVEREIRO
Encerramento da gestão do Complexo Ambulatorial e Hospitalar Carlos Macieira, em São Luís (MA).

MARÇO
Encerramento da gestão do GDREI do Hospital Regional Materno-Infantil, em Imperatriz (MA).

JUNHO
Início da gestão do Hospital Nossa Senhora de Guadalupe, em Belém (PA).

MAIO
Início da gestão do Hospital Cinco de Outubro, em Canaã do Carajás (PA)

JULHO
Início da gestão do Hospital Regional do Sudeste do Pará – Dr. Geraldo Mendes de Castro Veloso, em Marabá (PA).

DEZEMBRO
Início da gestão do Hospital Regional Público da Transamazônica, em Altamira (PA)

MAIO
Início da gestão do Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará Dr. Waldemar Penna, em Santarém (PA)

DEZEMBRO
Início da gestão da Cooperativa de Trabalho Médico Unimed Macapá, em Macapá (AP).

AGOSTO
Encerramento da gestão do Hospital Nossa Senhora de Guadalupe, em Belém (PA).

SETEMBRO
Encerramento da gestão da Cooperativa de Trabalho Médico Unimed Macapá, em Macapá (AP).

JULHO
O Hospital Regional Público da Transamazônica conquista a certificação Acreditado – ONA 1

MAIO
Início da gestão do Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM).

JULHO
Início da gestão do Hospital Unimed Imperatriz, em Imperatriz (MA).

SETEMBRO
Encerramento da gestão do Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM); início da gestão de hospitais no Estado do Tocantins.

OUTUBRO
Hospital Santa Juliana (AC) passa a contar com a assessoria de gestão da Pró-Saúde.

JANEIRO
Início da gestão do Hospital Bom Pastor em Guajará-Mirim (RO)

MAIO
Hospital Regional do Baixo Amazonas conquista a certificação Acreditado – ONA 1

SETEMBRO
O Hospital Regional Público da Transamazônica conquista a certificação Acreditado Pleno – ONA 2

DEZEMBRO
Início da gestão do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua (PA)

FEVEREIRO
Encerramento da gestão de hospitais no Estado do Tocantins

ABRIL
Encerramento da gestão do Hospital Unimed Imperatriz, em Imperatriz (MA).

OUTUBRO
O Hospital Regional do Baixo Amazonas conquista a certificação Acreditado Pleno – ONA 2

JANEIRO
O Hospital Regional do Baixo Amazonas é o primeiro hospital do Norte do país a ser certificado como “Hospital Ensino” a estar fora de uma capital.

FEVEREIRO
Início da gestão do Hospital Público Estadual Galileu, em Belém (PA)

SETEMBRO
O Hospital Regional Público da Transamazônica conquista a certificação Acreditado Pleno – ONA 2

OUTUBRO
Encerramento da gestão da Benemérita Sociedade Portuguesa Beneficente, em Belém (PA).

DEZEMBRO
O Hospital Regional do Baixo Amazonas conquista a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3. Este foi o primeiro hospital público do Norte do Brasil a obter o certificado máximo de qualidade.

JUNHO
Encerramento da gestão do Hospital e Maternidade São José do Ribamar, em São José do Ribamar (MA).

AGOSTO
Início da gestão do Hospital Oncológico Infantil Octavio Lobo, em Belém (PA). Este é o primeiro hospital na região Norte dedicado exclusivamente ao diagnóstico e tratamento do câncer infantojuvenil

ABRIL
O Hospital Regional Público da Transamazônica recebe a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3.

MAIO
O Hospital Público Estadual Galileu conquista a certificação Acreditado – ONA 1.

QUALIDADE RECONHECIDA

Ainda em maio de 2016, em ranking publicado pela revista Exame, duas unidades administradas pela Pró-Saúde na Região Amazônica (Hospital Regional do Baixo Amazonas e Hospital Regional Público da Transamazônica) foram indicados entre os dez hospitais públicos de excelência no Brasil.

JANEIRO
O Hospital Regional do Baixo Amazonas é o primeiro hospital público a obter o selo “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI).

ABRIL
O Hospital Oncológico Infantil Dr. Octávio Lobo recebe a certificação Acreditado – ONA 1.

JANEIRO
O Hospital Público Estadual Galileu conquista a certificação Acreditado Pleno – ONA 2 e O Hospital Regional do Baixo Amazonas mantém a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3.

JUNHO
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência conquista a certificação Acreditado – ONA1.

JULHO
O Hospital Yutaka Takeda recebe a certificação Acreditado Pleno – ONA 2. A conquista direta, sem antes passar pelo nível 1, é um feito incomum. O Hospital Oncológico Infantil Dr. Octávio Lobo recebe a certificação Acreditado Pleno – ONA 2

JULHO
O Hospital Yutaka Takeda é o primeiro do Brasil a receber o selo do Programa de Qualidade (PNQ) do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen)

SETEMBRO
Inauguração do Hospital Materno-Infantil de Barcarena, em Barcarena (PA), e início da gestão da Pró-Saúde.

DEZEMBRO
Início da gestão do Hospital São Luiz, em Cáceres (MT)

MARÇO
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência mantém a certificação Acreditado – ONA 1

MAIO
O Hospital Regional Público da Transamazônica mantém a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3.

SETEMBRO
O Hospital Público Estadual Galileu conquista a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3. O Hospital Público Estadual Galileu e o Hospital Cinco de Outubro recebem o selo de Qualidade do Conselho Federal de Enfermagem.

OUTUBRO
Hospital Oncológico Infantil Dr. Octávio Lobo recebe a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3.

NOVEMBRO
O Hospital de Porto Trombetas recebe o selo do Programa de Qualidade (PNQ) do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen)
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência mantém a certificação Acreditado – ONA 1.
O Hospital Público Estadual Galileu conquista o Prêmio Desafio do Clima – “Health Care Climate Challenge” na categoria Redução de Gases do Efeito Estufa, e
o Hospital Metropolitano conquista o Prêmio InovaSUS concedido pelo Ministério da Saúde.

FEVEREIRO
Hospital Yutaka Takeda recebe a certificação Acreditado com Excelência – ONA 3.

A atuação em áreas remotas

Um dos obstáculos enfrentados pela Pró-Saúde está no estímulo contínuo do interesse dos profissionais em atuar em áreas remotas. Para a resolução desta questão, a diretoria Corporativa Médica atua no trabalho de captação e desenvolvimento de profissionais para atuação em todo o território.

Outra estratégia de destaque é trabalhar em parceria com prestadores de serviços médicos de atuação nacional, o que potencializa a capilarização de profissionais em todo o país.

O desafio da logística

A localização das unidades na região Amazônica também ocasiona desafios em relação ao abastecimento de produtos hospitalares, como insumos e medicamentos.

Na Pró-Saúde, esta questão vem sendo superada com a implantação de uma central de compras localizada na sede da entidade, em São Paulo. O setor é responsável por realizar o abastecimento de toda a rede, proporcionando transparência aos processos, além da segurança de reposição dos insumos em todas as unidades, mesmo as mais remotas.

Outro fator fundamental que contribui para a realização de uma gestão nessas áreas longínquas é o fato da entidade possuir uma equipe multidisciplinar de consultores — formada por médicos, enfermeiros, administradores, especialistas em hotelaria, custos, entre outros — que promovem auditorias e consultorias regulares nos hospitais, além do monitoramento periódico do desempenho assistencial, econômico e de processos da unidade.

Certificações e prêmios de qualidade

A excelência dos serviços gerenciados pela Pró-Saúde é reconhecida por meio de certificações conquistadas ao longo do tempo. Hoje, a entidade possui seis hospitais da região Amazônica com certificação da Organização Nacional de Acreditação (ONA), a mais importante e respeitada entidade avaliadora da qualidade dos serviços de saúde do Brasil. Destes, quatro já alcançaram o nível máximo, Acreditado com Excelência (ONA 3). São eles: Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém; Hospital Público Estadual Galileu e Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, ambos em Bélém; e Regional Público da Transamazônica, em Altamira, todos no Pará.

No âmbito privado, a Pró-Saúde também certificou o Hospital Yutaka Takeda, em Parauapebas, protagonizando um feito incomum: em sua primeira experiência de certificação, a unidade conquistou, diretamente, o nível mais importante de qualidade, a ONA 2. No início de 2020 a unidade alcançou o ONA 3, nível máximo de excelência.

Há também outros certificados e prêmios de destaque, como o inédito Selo do Programa Nacional de Qualidade do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), o selo internacional Green Kitchen, concedido anualmente pela Fundação para a Pesquisa em Arquitetura e Meio Ambiente (Fupam), o Prêmio Amigo do Meio Ambiente, o selo “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI), entidade sem fins-lucrativos sediada na Holanda, que estimula e reconhece, em escala mundial, a inclusão de práticas sustentáveis entre outros.

Vale citar ainda o selo Amigo da Criança, habilitação concedida pela Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC) aos hospitais que realizam o cumprimento dos 10 passos para o sucesso da amamentação, instituído pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Inseridos na comunidade

Para a Pró-Saúde, é essencial que os serviços de saúde atuem em conjunto com a comunidade. Entre as iniciativas, é possível destacar o desenvolvimento de ações que valorizam os aspectos sociais, ambientais e financeiros.

É o caso do Programa de Voluntariado da Pró-Saúde, que desde 2016 padroniza a atividade e define a atuação desses agentes da solidariedade. O voluntariado é um instrumento por meio do qual a população pode participar e contribuir com os serviços realizados em benefício da própria comunidade.

Eles atuam em diversos campos como contador de história, cuidados com a beleza e higiene; eventos, interação musical, e apoio religioso.

Ao longo de sua história, a Pró-Saúde atendeu pessoas de norte a sul do país, gerenciando unidades em grandes cidades, como Belém e Palmas, e também em lugares remotos, como Porto Trombetas e Guajará-Mirim, referência para atendimento indígena. Em um país com tamanho continental, é natural a pluralidade étnica e cultural. Atenta a esta questão, a entidade procura sempre se adaptar e respeitar as particularidades de cada local.

Ações especiais

Conheça algumas das iniciativas que revelam o alcance e a importância da gestão da Pró-Saúde na Região Amazônica.

Redução
da Malária

A Pró-Saúde reduziu a zero os casos de malária em 23 comunidades ribeirinhas do Rio Trombetas, na região oeste do Pará. O Programa de Combate à Malária foi implantado em 1999, quando foram registrados 1.126 casos da doença. No ano seguinte, a incidência caiu em 80%, passando para 214 ocorrências. Em 2003, a entidade recebeu o prêmio Billiton Health, Safety, Environment and Community Awards, concedido pela mineradora australiana BHP Billiton, uma das maiores do mundo no setor. O número chegou a zero em 2011 e, em 2012, a Pró-Saúde passou a trabalhar em parceria com a Mineração Rio Norte e o Setor de Endemias da Secretaria de Saúde do Município de Oriximiná apenas no monitoramento de incidência da infecção.

Projeto
Octos

Mães e voluntários do Hospital Materno-Infantil de Barcarena (PA) criam polvos de crochê para os bebês. A iniciativa traz acolhimento, aconchego, proteção e carinho a todos, especialmente aos pequenos, que podem levar o utensílio para casa depois.

Projeto
Crescer

incentiva o plantio de árvores por meio da oferta uma muda árvore para à família de cada bebê nascido no Hospital Yutaka Takeda (PA).

Laboratório
de Tecnologia
Assistiva (Labta)

Inaugurado em 2019 no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, é o único do tipo existente no Brasil. O espaço amplia o atendimento de vítimas de traumatismo e queimaduras que precisam de órteses para imobilização de partes do corpo e recuperação de movimentos pós-alta. O Labta recebeu o prêmio InovaSUS, na categoria Gestão Solidária, concedido pelo Ministério da Saúde, e também um bônus pela melhor administração de recursos do SUS em 2019.

Curso de
Cuidador
de Idosos

Sucesso desde a sua criação, o Curso de Cuidador de Idosos oferece formação profissional completa ao aluno, com conhecimentos sobre ética, acessibilidade, direitos do idoso, prevenção de acidentes, entre outros. O curso é gratuito e as vagas, que são limitadas, priorizam pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Projeto Canto
da Empreendedora

Este projeto fortalece o protagonismo das mulheres que acompanham crianças em tratamento no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém (PA), onde teve início, em 2017, quando o Hospital se tornou signatário dos pactos globais das Organizações das Nações Unidas (ONU) e pelo ONU Mulheres. Mensalmente, o Hospital realiza uma feira em sua recepção, onde as mães participantes podem vender produtos produzidos a partir dos treinamentos durante o período de internação, ou de habilidades que elas já tinham, além de comida, cosméticos e roupas.