Pílula 65 – Mídias digitais: como zelar pela sua privacidade – e respeitar a dos outros

A privacidade é um bem individual a que todos têm direito. Em tempos de redes sociais, para garantir que esse direito seja devidamente respeitado, a Pró-Saúde criou algumas orientações importantes para seus colaboradores. São normas fáceis de serem aplicadas e bastante eficientes. Veja!

Mídias Digitais:

Não faça selfies no ambiente de trabalho, seja nas unidades hospitalares, Centros de Educação Infantil ou na Sede Administrativa;

Também não faça fotos ou vídeos de outras pessoas ou ambientes, seja na Sede Administrativa ou qualquer unidade gerenciada;

Ao ver alguém fazendo fotos ou gravando vídeos, oriente a pessoa dizendo que, para respeitar a lei de privacidade, não é permitido fazer tais registros internamente sem autorização.

 

O que pode ser feito?

Curta os perfis da Pró-Saúde no Facebook, no Instagram, no LinkedIn, no YouTube e acompanhe as notícias sobre o trabalho feito pelos colaboradores;

Compartilhe, comente e indique os conteúdos publicados nos canais oficiais da entidade.

Conheça as normas internas da Pró-Saúde para respeitar a privacidade de todos

O Código de Ética e de Conduta da Pró-Saúde prevê que nenhum colaborador da Instituição ou parceiro, no exercício de suas atividades, pode manifestar-se em qualquer tipo de mídia, profissional ou não, em nome da entidade ou de unidades gerenciadas, sem prévia autorização institucional. Também não pode divulgar ou compartilhar imagens, vídeos ou informações internas da Pró-Saúde ou de unidades gerenciadas, que não tenham sido divulgadas nos canais oficiais da Instituição, como em redes sociais. A Política de Comunicação da entidade também veta o registro de imagens dentro da sede ou unidades gerenciadas, sem prévia autorização do setor de Comunicação.

Tem alguma dúvida sobre o tema? Faça sua pergunta pelo Canal de Consulta Ética.  

 

Conhece alguma situação de divulgação ou compartilhamento de imagens sem autorização? Faça seu registro no Canal de Denúncia. O anonimato do denunciante é garantido, e as apurações são sigilosas.