Saiba como manter os cuidados com a alimentação dos bebês e crianças no Círio de Nazaré

Nutricionista

O Círio de Nazaré é uma tradição paraense que atrai milhões de pessoas no segundo domingo de outubro. Após a procissão, que neste ano será sem romaria devido a pandemia da Covid-19, as famílias levam as celebrações para as mesas, com a culinária paraense no tradicional almoço do Círio.

Tacacá, pato no tucupi, maniçoba e vatapá, são alguns dos pratos típicos da culinária paraense presentes nesse momento tão especial. Esses alimentos também podem ser apresentados para bebês e crianças, desde que com atenção e cuidados em relação aos ingredientes e quantidades oferecidas para os pequenos, que estão em fase de introdução alimentar.

De acordo com Danielly Souza, nutricionista da Pró-Saúde que atua no Materno-Infantil de Barcarena Dra. Anna Turan, existem cuidados e adaptações nos pratos típicos que devem ser feitos para os pais ofereçam às crianças com segurança neste domingo de Círio.

“A comida regional paraense é saborosa e nutritiva, porém contém ingredientes que podem influenciar no excesso de peso corporal e altos níveis de gordura e açúcar no sangue. Por isso, muita atenção com a quantidade ao servir de pratos típicos e sobremesas, tanto para adultos quanto crianças” alerta a profissional.

Orientações para oferecer os pratos regionais às crianças

Segundo Danielly, pratos como a tradicional maniçoba, por exemplo, tem grande quantidade calórica, por conta dos embutidos e defumados. Além de ser rica em gordura, demanda um preparo especial devido a folha de maniva, iguaria indígena que pode ser tóxica se não for cozida corretamente. Por isso, deve ser oferecia em ocasiões especiais apenas para experimentar e em quantidade equilibrada.

“Crianças de até dois anos ainda estão em fase de amamentação, assim, a introdução alimentar deve ser feita com alimentos mais leves, como sopas e patês, a partir de seis meses de idade”, aponta.

“O vatapá com frango desfiado e suco de cupuaçu, fruta da região, é um bom prato para a fase em que a criança já tem contato com alguns alimentos e preparações. De preferência, estas preparações podem ser indicadas a partir dos 10 meses de idade”, complementa.

Entre os pratos típicos, o tacacá é o alimento mais completo, segundo a nutricionista, já que possui fibras, lipídios, carboidratos e proteína para as crianças.

“É um alimento nutritivo, saudável e pouco calórico. O cuidado está na introdução do camarão, que é seco e pode causar alergia. Outro ponto de atenção é em relação à quantidade oferecida aos pequenos, devido a acidez do ingrediente”, disse.

No caso do tradicional pato no tucupi, o cuidado também deve ser com a quantidade e exagero de ingredientes. “A carne de pato é uma boa fonte de proteína, rica em ferro e selênio, que ativa as enzimas no organismo e melhora o sistema imunológico, mas para as crianças, o ideal é oferecer a partir dos 10 meses ou 1 ano de idade”, destaca Danielly.

“Normalmente, é servido com arroz, folhas de jambu e farinha de mandioca. São alimentos mais secos e, por isso, é preciso ter muito cuidado com engasgos. O ideal é não oferecer em excesso para os pequenos e ter todo cuidado com a segurança alimentar dos ingredientes”, complementa.

A importância da diversidade na introdução alimentar

Ainda de acordo com Danielly, é importante ter diversidade de ingredientes na alimentação infantil, para promover um melhor desenvolvimento e crescimento das crianças, além de prevenir doenças e problemas de saúde a longo prazo.

“É importante que seja apresentada uma variedade de alimentos e preparações regionais, pois trazem muitos benefícios. No geral, são alimentos ricos em valor nutricional para a saúde da criança e fazem parte da cultura paraense”, lembra.

A nutricionista ressalta que os pratos também podem ser modificados, decorados, combinados com outros ingredientes ou complementares às refeições que a criança já está acostumada.

“Gradativamente, alimentos mais consistentes devem ser oferecidos à criança, é uma experiência a cada dia, e as comidas regionais podem fazer parte desse cardápio. É natural uma possível rejeição, mas com mais exposições, isso pode mudar. Cores, texturas e sabores são comuns nas refeições dos paraenses e ajudam nessa introdução ”, afirma Danielly.

Inaugurado em 2018, o Materno-Infantil de Barcarena realiza atendimento 100% pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A unidade integra a rede pública de saúde do Governo do Pará e é gerenciada pela entidade filantrópica Pró-Saúde. Recentemente, se tornou o primeiro hospital da Região do Baixo Tocantins a receber o título da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC).

Ampliar fonte
Contraste