Projeto social que reaproveita mantas hospitalares do HPEG promove mudanças na vida de jovens e adultos em Belém

Parceria entre o HPEG e Ministério Público do Trabalho incentiva a profissionalização em áreas de vulnerabilidade social

Em iniciativa inédita promovida pelo Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em conjunto com o Ministério Público do Trabalho, tem feito a diferença na vida de muitos jovens e adultos em áreas de vulnerabilidade social em Belém (PA).

O projeto “Escrevendo e Reescrevendo a Nossa História”, do Ministério Público, reaproveita as mantas de PVC, utilizadas no HPEG, para os diversos cursos profissionalizantes do projeto destinado a pessoas moram em áreas de vulnerabilidade no município ou que são egressos de unidades socioeducativas e do sistema penitenciário.

As mantas doadas pelo Hospital são utilizadas nos cursos de costura industrial, artesanato, culinária, entre outros desenvolvidos pelo projeto. Para os alunos do curso de costura, as mantas representam o primeiro contato para a produção de aventais, almofadas, jogos americanos (pequenas toalhas de mesa), entre outras peças.

“Essa atitude pioneira em relação a doação do Hospital Galileu tem sido fundamental para ajudar no desenvolvimento dessas tarefas do projeto, que contribuem para a sustentabilidade e o aumento da renda familiar”, explicou a coordenadora do projeto, Zizeuda Oliveira.

Para a jovem Rayara Ferreira Vidal, de 23 anos, que estava desempregada antes de ingressar no projeto, a participação no curso representou o começo de um novo ciclo de vida. “Por meio desse projeto estou realizando o meu sonho que é ser estilista ou designer de moda. Mudou minha vida, porque é um sonho que de pouquinho em pouquinho está se realizando e espero chegar lá”, afirma a jovem que está na fase de conclusão do curso e já trabalha com costura.

Enquanto isso, Jacirema Neves, de 49 anos, moradora do bairro Jaderlândia, usa o conhecimento obtido com o curso, concluído em dezembro do ano passado, para fazer uma renda extra e pagar o curso que a filha frequenta. “Foi por meio desse projeto que aprendi a manusear máquinas, costurar, e hoje em dia já costuro para fora. A renda obtida ajuda a pagar o curso de Farmácia da minha filha”, disse.

“As mantas são utilizadas unicamente para embalagem das caixas cirúrgicas, ou seja, não possuem qualquer contato com sangue ou outro material infectante. Assim, o material pode ser reutilizado e essa iniciativa, além da redução no impacto ambiental, consegue ser uma matéria-prima na diferença sócio educacional e alternativas econômicas para a comunidade”, explica o diretor hospitalar do HPEG, Saulo Mengarda.

Sobre o HPEG

O Hospital Público Estadual Galileu (HPEG) é uma unidade de retaguarda, que atende baixa e média complexidades, e presta assistência hospitalar em traumato-ortopedia, clínica médica e cardiologia. O Hospital fica localizado da Rodovia Mário Covas, nº 2553, e sua administração é realizada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).