Projeto educativo do Oncológico Infantil estimula o autocuidado

Colocar o usuário como coagente centrado no seu próprio cuidado – esse é o foco do projeto “Heróis da Segurança”, iniciativa desenvolvida pelo Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP) do Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém.

Nesta quarta-feira (11/5) mais uma edição do projeto foi realizada para os pacientes que frequentam a Classe Hospitalar Prof. Roberto França em funcionamento no hospital. A iniciativa tem caráter socioeducativo e estimula as crianças ao autocuidado, com o objetivo de reduzir erros nas atividades assistenciais.

Na ação, as crianças aprenderam, por meio de linguagem simples, sobre as seis metas internacionais de segurança do paciente, tendo como destaque a quinta meta, que trata sobre a higienização das mãos para a não propagação de infecções ou bactérias.

Alguns recursos didáticos foram aplicados com o público infantojuvenil, dentre eles o jogo da memória sobre as Metas de Segurança do Paciente, e dinâmicas em que as crianças utilizaram tinta guache nas mãos para simular sujeira e depois realizaram a correta higienização das mãos.

Uma outra estratégia que chamou bastante atenção foi a “Janelinha do Saber”, uma maneira de fazer com que cada criança ou adolescente pudesse relembrar o que foi aprendido, respondendo uma determinada pergunta sobre os temas abordados no bate-papo.

O projeto Heróis da Segurança teve início no Oncológico Infantil em 2019, com uma pausa durante o período mais crítico da pandemia, retomando suas ações em novembro de 2021. A iniciativa conta com ações a cada dois meses, para que ao longo dos 12 meses do ano, sejam abordadas as seis Metas Internacionais de Segurança do Paciente.

“O projeto é agregador no sentido de tornar o paciente inserido nas práticas como verdadeiro guardião da sua segurança, e o empoderar quanto às práticas corretas, dando a possibilidade de entender e supervisionar seu próprio atendimento”, afirmou a enfermeira do NQSP, Melyane Gaia, que atuou como facilitadora na ação.

Entre as crianças que participaram da ação estava Paulo Fernando Rabelo, de 12 anos de idade, recém-matriculado no 6º ano na Classe Hospitalar. O menino, natural do Munícipio de Chaves, no Arquipélago do Marajó, está morando em Belém, devido ao tratamento que está fazendo há 5 meses, contra um linfoma.

“Ainda não tinha conversado sobre isso na sala de aula. Gostei muito, porque é importante para a saúde da gente e nosso bem-estar”, disse Paulo Fernando, que foi bastante elogiado pelas professoras por causa da atenção que deu aos profissionais que conduziram a ação educativa.

O projeto “Heróis da Segurança” tem o apoio de setores como Humanização, Escritório de Experiência do Paciente, Serviço de Controle de Infecção Hospitalar e Núcleo de Educação Permanente, que colaboram com temas voltado às práticas do universo assistencial.

A coordenadora do NQSP do Oncológico Infantil, Aline Gonzaga, explica que o projeto tem obtido resultados positivos. “Por disseminar conhecimentos sobre a prática do autocuidado, já recebemos vários elogios de outras instituições por esta iniciativa que, de fato, fortalece a segurança do paciente e o atendimento humanizado”, pontua.

O Oncológico Infantil integra a rede de saúde pública do Governo do Estado, sendo gerenciado pela entidade filantrópica Pró-Saúde, e atua como principal referência em oncopediatria no Norte do país.

A unidade oferece atenção a crianças e a adolescentes com câncer entre 0 e 19 anos, atendendo cerca de mil pacientes por mês, oriundos de municípios do Pará e do Estado vizinho, Amapá.

Ampliar fonte
Contraste