Oncológico Infantil promove palestras sobre a importância do diagnóstico precoce e alerta sobre os sintomas do câncer infantojuvenil

Roda de Conversa

O câncer infantojuvenil está no centro de rodas de conversas e palestras realizadas no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, unidade gerenciada pela Pró-Saúde, que relembra da importância de sempre se falar sobre o diagnóstico precoce. Os eventos ocorrem nos dias 15 e 16 de fevereiro, em lembrança ao Dia Internacional de Combate ao Câncer Infantojuvenil.

O objetivo das ações foi conversar com colaboradores que não fossem de setores ligados às áreas assistenciais do hospital, ou seja, profissionais que não lidam diretamente com pacientes. São oportunidades de trocas de saberes profissionais especializados, que resultam em esclarecimentos e orientações sobre o tema.

A médica Fabíola Puty, especializada em Oncologia pediátrica, facilitadora da roda de conversa, destacou a importância do bate-papo. “Essa aproximação, por meio de rodas de conversas, é muito proveitosa, pois traz pessoas que não têm formação profissional em saúde, são essas pessoas com pouca informação sobre o assunto e que ainda precisam ser sensibilizadas quanto à temática”, disse.

Fabíola acredita ser o diagnóstico precoce uma pauta que ainda deva ser debatida e lembrada muitas vezes na sociedade. “Por mais que tenhamos alguns casos de índices de encaminhamento precoce, sobrevidas atingidas e alguns prognósticos da doença considerados ótimos, precisamos continuar falando sobre o assunto. O diagnóstico precoce é a nossa grande bandeira na oncologia infantojuvenil, sempre será”, destacou.

“Temos muito trabalho a fazer na Região Norte do Brasil, pois muitas famílias não têm o costume de buscar orientação médica de imediato e isso dificulta muito”, observou a médica.

Durante o encontro foram abordados os principais sintomas que os pais e responsáveis precisam ficar atentos, tais como: febre persistente, dor de cabeça contínua associada a vômitos, quedas inexplicáveis em crianças pequenas, palidez, fraqueza, manchas pelo corpo, sangramento, perda de peso, caroços pelo corpo, barriga inchada, dentre outros.

Participar na roda de conversa pela primeira vez foi uma experiência bastante diferente para o colaborador Albert William Prado, de 22 anos, auxiliar de higienização do serviço de limpeza do hospital. “Achei bem positiva a conversa, pois aprendi bastante coisa com o que a médica disse. As perguntas que foram feitas tiraram minhas dúvidas. Entendi que é muito importante estar atento à saúde das crianças. Já sei o que fazer, porque tenho uma filha de 1 ano de idade, vou ficar mais atento no dia a dia da minha princesa”, disse o jovem.

Karla Luz, enfermeira do Escritório de Experiência do Paciente, que colabora ao proferir as palestras, reforça o valor de sempre abordar o assunto. “Temos que fortalecer a importância do diagnóstico precoce para que as pessoas fiquem atentas e possam saber identificar e buscar orientação médica o quanto antes”, disse.

No final da roda de conversa, os participantes recebem um exemplar de um guia rápido, intitulado “Beaba do câncer”, o qual ajuda a desmistificar o câncer de maneira clara e otimista, bem como proceder em relação ao tratamento. O material possui uma linguagem acessível, divertida e apresenta as palavras mais usadas no ambiente oncológico.

Sobre o Hospital Oncológico Infantil

Referência na região Norte, atualmente, atende crianças e adolescentes de municípios do Pará e Amapá. Possui 89 leitos, sendo 79 enfermarias e 10 Unidade de Terapia Intensiva.

A unidade, mantida pelo Governo do Pará e gerenciada pela Pró-Saúde desde a sua inauguração, em 2015, foi a primeira com atendimento à oncologia pediátrica no Pará a alcançar o nível máximo da certificação de qualidade concedido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).

Ampliar fonte
Contraste