Home » HRBA realiza Cirurgia inédita no Pará que possibilitará que criança possa respirar sem ajuda de aparelhos

HRBA realiza Cirurgia inédita no Pará que possibilitará que criança possa respirar sem ajuda de aparelhos

Três anos de muita fé, esperança e amor incondicional, assim Mirelle Matos Fernandes, mãe do pequeno Leonni Sami Matos Fernandes, que nasceu em 20 de abril de 2011, expressou seu sentimento com a realização do procedimento que possibilitará que seu filho possa sair da UTI Pediátrica do Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, região oeste do Pará, para conviver com a família, que neste meio tempo cresceu e ganhou um novo integrante, o pequeno João Felipe, de dois meses. A cirurgia foi realizada por uma equipe multiprofissional do HRBA, sob o comando dos cirurgiões torácicos Rodrigo Sardenberg (SP) e Antônio Bomfim (PA) e teve duração de aproximadamente três horas.

De acordo com o médico pediatra intensivista do HRBA, Dr. Daniel Calçado, que acompanha o paciente desde as suas primeiras horas de vida, Leonni foi diagnosticado com a Doença de Ondine, relacionada à falta de oxigenação no cérebro. “O Leonni chegou em 20 de abril, após uma falta de oxigenação no parto, com uma lesão generalizada em todos os músculos. Mas nosso paciente é inteligente, ele percebe todas as coisas, então se ele conseguir respirar sem o aparelho, poderá voltar pra casa”, declarou o pediatra.

Desde o nascimento a luta dos pais do pequeno Leonni foi árdua, o tempo ficou dividido entre a vida fora do hospital e a rotina de acompanhar o desenvolvimento do filho dentro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Após quase dois anos de espera, o sentimento que toma conta do casal Mirelle e Leonil Negrão Fernandes é de expectativa. “A expectativa é a melhor possível, depois de muita luta, acompanhando nosso filho aqui. Foram muitos altos e baixos, como é de se esperar de um paciente de UTI, uma luta árdua. É uma vitória quando a gente percebe que pessoas abraçaram a causa e fizeram a viabilidade do projeto. Esperamos que ele possa ir pra casa e conviva com seu irmãozinho João Felipe, que chegou há dois meses” declarou Leonil.

Bastante emocionado, Leonil falou sobre a realização da cirurgia em Santarém. “A emoção é muito grande, saber que esse procedimento pode ser viabilizado aqui no Pará, dentro do Hospital Regional, com um tratamento de excelência, e eu não posso deixar de fora todos, desde quem trabalha na organização da limpeza até os médicos, todos têm seu papel fundamental”, complementou Leonil, que fez questão de agradecer a todos que acompanharam a história de Leonni.

Com o procedimento de implantação do marcapasso diafragmático, o segundo em toda a região Norte, futuramente outros pacientes poderão ser contemplados, como informou o cirurgião torácico Antônio Bomfim. “Este é o primeiro caso daqui do Pará e não é só o estado que ganha, mas toda a região Norte, porque muitos pacientes tem indicação, tanto por problemas degenerativos como por problemas ocasionados por traumas. Hoje nós temos um médico para atender o Brasil e o nosso projeto é desmembrar em regiões”.

Sobre a recomendação médica para a realização da implantação de um marcapasso diafragmático, o especialista no assunto, o cirurgião Rodrigo Sardenberg explicou:  “A principal é a falta de respiração proveniente do comando do sistema nervoso central, no caso do Leonni. As vezes, o paciente nasce com essa deficiência e as vezes adquire com o decorrer do tempo, os pacientes tetraplégicos são bons candidatos ao uso do marcapasso e, atualmente estamos indicando em alguns casos de doenças neuromusculares, especialmente a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)”.

A cirurgia teve aproximadamente três horas de duração, uma vitória conquistada por toda a equipe médica e também pelos familiares do pequeno Leonni, que em um prazo de três meses poderão receber seu filho em casa pela primeira vez. “Não houve nenhuma intercorrência e o marcapasso funcionou bem, os estímulos foram bem avaliados, o diafragma dele contraiu como esperado e nós estamos bastante satisfeitos e dentro de 20 a 30 dias nós começaremos o treinamento do músculo diafragmático com marcapasso”, disse Sardenberg.

O diretor geral do HRBA, Hebert Moreschi, falou sobre os trâmites realizados junto à Secretaria de Estado de Saúde do Pará (Sespa) para viabilizar a cirurgia, até então inédita no Pará. “Neste projeto foram analisados diversos fatores e benefícios, e um deles foi o de o paciente sair de uma UTI e poder estar em casa. Nós apresentamos o projeto para a Sespa, que deu a autorização para realização deste procedimento”.

Embora complexa, a cirurgia possibilitará ao paciente e à sua família e também à sociedade do oeste paraense, um bem muito maior que o imaginado. “Após esse processo o Leoni irá vai voltar ao seio da família porque na verdade, apesar de termos excelentes colaboradores aqui no hospital, que cuidam do Leonni com muito carinho, nada substitui o carinho dos pais. Lá a família vai dividir a responsabilidade com o hospital, recebendo o Leonni em casa, e nós teremos mais um leito disponível para atender a população. Então estamos muito felizes com mais este avanço da saúde em nossa região”, finalizou o diretor geral.

Ampliar fonte
Contraste
Voltar para o topo da página - Pró-Saúde