Hospital São Luiz promove roda de conversa sobre Novembro Roxo

Hospital São Luiz

A ação beneficiou mães de bebês prematuros da Unidade de Terapia Intensiva

As mães de bebês prematuros internados no Hospital São Luiz (HSL), em Cáceres (MT), participaram de uma roda de conversa importante esta semana, em alusão à campanha Novembro Roxo, mês dedicado à sensibilização sobre a prematuridade. O tema deste ano foi “Separação zero: aja agora! Mantenha pais e bebês prematuros juntos!”.

Os profissionais da unidade abordaram junto às mães as práticas adotadas no hospital para atendimento dos recém-nascidos, como por exemplo, os benefícios do método canguru, a importância do aleitamento materno e o acolhimento humanizado.

“É muito importante que as mães participem desse debate. É um momento para que elas entendam todo cuidado que temos com os bebês, os métodos, além de ser uma orientação para quando eles forem para casa”, explica Ana Alice Sampaio, assistente social do São Luiz.

Um nascimento prematuro corresponde aquele que ocorre antes de 37 semanas de gestação. Entretanto, a prematuridade pode ser classificada em três categorias: extrema, que corresponde a um nascimento anterior a 28 semanas; intermediária, que nascem entre 28 e 34 semanas; e tardia, que está entre 34 e 37 semanas. Vale citar que uma gestação comum tem em média 40 semanas.

Ligia Peterle é mãe da pequena Aurora, que nasceu de 38 semanas e está a 26 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do HSL. Para ela, o método canguru tem funcionado muito bem. “Aurora gosta bastante desse contato pele a pele. Ela fica calma, diminui o choro. A equipe também me ajuda no estímulo do aleitamento materno”, conta Ligia.

No método canguru, o bebê é colocado em contato direto, “pele a pele”, com a mãe ou pai, na posição vertical junto ao peito do adulto. Esse cuidado se inicia de forma precoce e gradativa, e permite que os pais tenham uma maior participação nos cuidados neonatais, fortalecendo o vínculo familiar, além de contribuir para o desenvolvimento e recuperação do recém-nascido.

Luciana Silva, coordenadora da UTI Neonatal, ressalta que “explicar para as mães sobre os processos realizados durante o período de internação e as incluir neles é essencial e vai além da assistência clínica, interferindo de maneira positiva no desenvolvimento dos bebês”.

Prematuridade

Existem duas situações diferentes no que se refere ao parto prematuro. Em um dos casos, há a possibilidade de ocorrer uma prematuridade induzida, onde os médicos podem realizar uma cesariana devido alguma alteração com a gestante ou feto. Em outra circunstância, a grávida pode entrar em trabalho de parto sozinha, ou seja, ocorre a prematuridade espontânea, gerada pela dilatação precoce do colo do útero e, consequentemente, trabalho de parto adiantado.

De acordo com especialistas, as complicações durante a gestação estão entre as principais causas do parto prematuro. São fatores como hipertensão, diabetes, infecções, histórico de problemas no colo do útero e gravidez gemelar, algumas infecções, lesões ou traumas, que podem ser detectadas durante o pré-natal, diminuindo as chances de prematuridade.

O São Luiz é uma unidade própria da Pró-Saúde, entidade filantrópica com mais de 50 anos de experiência na área de gestão hospitalar. O hospital é referência no atendimento de média e alta complexidades para 22 municípios na região Centro-Oeste do País, e para as cidades de San Matias e San Ignacio de Velasco, na Bolívia.

As práticas adotadas pela unidade foram reconhecidas pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e pela OMS (Organização Mundial da Saúde), por meio do selo Amigo da Criança, concedido pela IHAC (Iniciativa Hospital Amigo da Criança) aos hospitais que realizam o cumprimento dos dez passos para o sucesso da amamentação.

Ampliar fonte
Contraste