Hospital Regional de Santarém é modelo de sustentabilidade

Localizado no interior da Amazônia, no município de Santarém, o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, adota práticas que beneficiam a comunidade e o meio ambiente. Nesta quarta-feira, 5 de junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, e a unidade, que é referência não só em segurança e qualidade dos serviços oferecidos – sendo considerado um dos dez melhores hospitais públicos do Brasil – mas também em sustentabilidade, ressalta seu compromisso com tema.

Com foco em ações que valorizem os aspectos sociais, ambientais e financeiros, o HRBA foi o primeiro hospital público do Brasil a obter o selo internacional de sustentabilidade “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI), mediante a produção de um relatório de sustentabilidade. A GRI é uma entidade sem fins-lucrativos sediada na Holanda, que estimula e reconhece, em escala mundial, a inclusão de práticas sustentáveis em organizações públicas, privadas e do terceiro setor.

No aspecto ambiental, a unidade tem colhido muitos frutos. Em 2017, o Hospital Regional reaproveitou 101 toneladas de lixo, sendo 66 toneladas de resíduos sólidos e 35 toneladas de orgânicos. Em 2018, foram 142,9 toneladas de resíduos reaproveitados. Desse total, 53,1 toneladas foram de lixo orgânico.

A unidade, pela primeira vez, conseguiu absorver toda a quantidade gerada de orgânico ao longo do ano, por meio do projeto “Compostagem e Horta Orgânica”, lançado em outubro de 2015. A compostagem envolve um processo biológico que permite transformar matéria orgânica em um composto rico em substâncias e nutrientes para o uso em jardins e hortas. Os resíduos que antes eram desperdiçados passaram a ser aproveitados em benefício da comunidade do hospital. O projeto conta com a parceria da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PA).

“Orientar nosso público interno sobre o desperdício de alimentos, por meio de campanhas, foi importante para reduzir a geração de resíduos. E com o processo de compostagem nós conseguimos evitar que esse material fosse para o aterro sanitário. Hoje, ele é todo absorvido dentro do próprio hospital e, assim, podemos gerar o adubo que precisamos para o projeto da horta caminhar”, explica a coordenadora do projeto, Ádrea Moreira.

Uma horta é cultivada na própria área externa da instituição. Em 2018, 929 quilos de verduras, legumes e frutas foram colhidas. Com isso, a unidade contribui com o meio ambiente, reduz gastos com a compra de alimentos e proporciona uma alimentação mais saudável para usuários, acompanhantes e colaboradores. O hospital produz quase 44 mil refeições por mês.

“O HRBA é uma referência no Norte do país em trabalhos voltados para a sustentabilidade, tanto para o consumo racional, como, também, no reaproveitamento de materiais que antes eram desperdiçados. É um motivo de alegria esses números que obtivemos, e o que isso representa para o meio ambiente e para sua preservação”, afirma o diretor hospitalar Hebert Moreschi.

O hospital ainda conta com outros projetos para reciclar os resíduos sólidos, como papelão, plástico, vidro e materiais eletrônicos. O projeto “Caracol, Giro Ambiental Hospitalar” é um deles. Tampas e frascos de medicamentos, papelões e outros materiais são utilizados para confeccionar diversos objetos e jogos educativos, como quebra-cabeças, cartões e agendas. Um coletor é colocado em áreas específicas do hospital, reservado especificamente para os materiais que podem ser reaproveitados. Após a coleta, é feita a higienização e, a partir deste processo, surgem novos objetos dos materiais que seriam jogados no lixo.

Em março de 2017, a unidade iniciou o projeto de reaproveitamento da água utilizada pelo setor de Hemodiálise – que antes era desprezada – e começou a ser reaproveitada pela Central de Materiais Esterilizados (CME). Em um ano, a quantidade de água reaproveitada com o projeto foi de 670 mil litros.

“A cultura instalada no hospital, de preservação do meio ambiente e uso racional dos recursos, faz com que nossos profissionais levem isso para suas casas, seus bairros e suas comunidades, fazendo com que não se tornem apenas profissionais conscientes, mas, também, cidadãos conscientes. Essa, com certeza, é uma das missões da Pró-Saúde”, destaca Moreschi.

“É preciso destacar essas ações, principalmente neste dia, para que possamos despertar, nas pessoas, a importância da preservação dos recursos naturais. A destinação do lixo, por exemplo, é um grande problema da atualidade e, se não fizermos nada, a nossa realidade será muito difícil no futuro. É necessário chamar a atenção e mostrar que todos podem contribuir”, reflete a presidente da Comissão de Gerenciamento de Resíduos e Prevenção de Acidente com Perfurocortantes, enfermeira Sheila Oliveira.

Ampliar fonte
Contraste