Hospital Bom Pastor promove ação sobre higienização das mãos

Ato é uma das principais formas de prevenção do novo coronavírus

Na última semana, o Hospital Bom Pastor (HBP), unidade própria da Pró-Saúde em Guajará-Mirim (RO), realizou um treinamento entre os colaboradores, para abordar a higienização das mãos. Esta é uma prática simples, que faz parte da rotina hospitalar, mas que ganhou relevância e atenção de todos, por conta do novo coronavírus (Covid-19).  

O treinamento foi realizado por meio de uma dinâmica. Com o uso de tinta guache para simbolizar o sabonete, os participantes precisavam lavar as mão e identificar a parte em que a tinta não havia fixado. Estes pontos eram exatamente os que deveriam ser melhorados, para uma lavagem de mãos eficaz. A cobertura total das mãos com a tinta indicava que a ação estava correta, já que o “sabonete” alcançou toda a área.

A farmacêutica da unidade, Carol Azevedo, também realizou uma demonstração química para todos entenderem como funciona a propagação da Covid-19, e de outros vírus e bactérias. “Realizei uma demonstração química utilizando sabão, água e orégano, que simbolizava os vírus e bactérias. Durante a experiência todos puderam perceber que, assim como o vírus e bactérias, o orégano sai das mãos ao entrar em contato o sabão”, explicou a farmacêutica. 

Respeitando as orientações de evitar aglomerações, toda a ação aconteceu ao ar livre, na parte externa da unidade, onde participaram cerca de 30 colaboradores, que foram divididos em várias turmas, seguindo as normas de segurança do Ministério da Saúde (MS).

Acolhimento personalizado

O Hospital Bom Pastor é a principal referência de atendimento para indígenas nesta região da floresta Amazônica. As mais de 50 aldeias da região que são atendidas pela unidade possuem características próprias e uma das preocupações é oferecer atendimento em saúde, respeitando as diferenças culturais. Por isso, o hospital oferece recursos específicos, como profissional técnico em Enfermagem indígena, com fluência no dialeto para facilitar a comunicação; serviço de nutrição voltada aos hábitos alimentares indígenas; implantação de uma horta medicinal, para atender a cultura das aldeias com tratamento fitoterápico.

O HBP também conta com outras adaptações especialmente para acolhimento dos índios, como  o ambiente com uma oca indígena, construída para humanizar o atendimento dos pacientes e visitantes, buscando trazer para dentro do hospital um local próximo do vivido nas aldeias e instalação de redes nas enfermarias.

Ampliar fonte
Contraste