Hospital 5 de Outubro debate sobre serviços farmacêuticos na 2ª Semana de Farmácia Hospitalar

O Hospital 5 de Outubro (HCO), em Canaã dos Carajás (PA), promoveu nesta quarta-feira (22), um importante debate sobre os serviços farmacêuticos relacionados a vigilância sanitária, como a tecnovigilância e farmacovigilância. Esta foi uma das ações da 2ª Semana de Farmácia Hospitalar e teve como público alvo acadêmicos de farmácia e colaboradores da unidade.

O evento é uma iniciativa da Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, gestora do HCO e outras unidades no Brasil. Até esta sexta-feira (24), diversas atividades sobre o tema “Entrega de valor da farmácia clínica para sociedade”, estão acontecendo em todas as unidades gerenciadas pela entidade, com o objetivo reforçar a valorização no atendimento clínico e marcar o Dia do Farmacêutico, comemorado em 20 de janeiro.

A farmacêutica, bioquímica e mestranda em biologia molecular, Andreia Santos, foi a palestrante convidada para discutir sobre as principais queixas técnicas relacionadas aos artigos médicos hospitalares e aos medicamentos, e o papel do farmacêutico neste processo. Ela destacou que o farmacêutico, além de controlar e padronizar, dentro da instituição, toda a aquisição de medicamentos, é também quem monitora com a equipe multiprofissional a questão do aparecimento de problemas ligados a esses produtos.

“Se o medicamento tem algum componente que está em desacordo com a legislação, é o farmacêutico que faz essa notificação. Se o paciente tem algum tipo de reação ou manifestação clínica devido a utilização da farmacoterapia, também é o farmacêutico que monitora esse evento adverso”, explicou.

Para o acadêmico Rubens França, participar do evento foi de grande valia e enriqueceu o seu conhecimento. “Foi um momento ímpar para nós acadêmicos aprender que podemos contribuir por meio de notificações para vigilância, caso aconteça algum erro de prescrição, para que possam ocorrer melhorias”, declarou.

Outro assunto abordado, foi o empoderamento do profissional de farmácia dentro de uma unidade hospitalar. A farmacêutica do HCO, Grasiela Santos, enfatizou o processo de evolução da atividade farmacêutica e seus benefícios para assistência ao paciente, mostrando que o trabalho do farmacêutico vai além da dispensação de medicamentos.

“Nós como farmacêuticos, também somos responsáveis pela assistência do paciente e contribuímos nas discussões com a equipe médica e de enfermagem, sobre a melhor forma de tratamento a ser seguida”, comentou.

Além disso, o HCO também apostou em ações lúdicas para envolver os profissionais como, por exemplo, o Concurso de Frase, onde será escolhida a melhor frase da semana, e o “Descartômetro”, pontos disponibilizados nas recepções e postos de enfermagem para descarte de medicamentos vencidos, acompanhados de orientações sobre o tema aos colaboradores e usuários. Há ainda o “Farmafone”, que por meio de perguntas sobre os serviços farmacêuticos via telefone, engajou os colaboradores ao longo da semana.

Hospital

O Hospital 5 de Outubro foi fundado pela empresa Vale e projetado para apoiar as operações da Mina Sossego e a implantação do projeto S11D. A unidade hospitalar é gerenciada desde 2006 pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, e possui estrutura de pequeno porte, com capacidade para atender casos de até média complexidade e congrega ambulatório para consultas eletivas, Pronto Atendimento 24 horas, instalações de internação com enfermarias e apartamentos individuais e suporte diagnóstico em diversas especialidades.
Em fevereiro de 2019, a unidade foi certificada pelo Programa Nacional da Qualidade (PNQ), concedido pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), que reconhece a qualidade e segurança da assistência.