Dia Mundial da Saúde: profissionais do Hospital Metropolitano reforçam os cuidados com o corpo e a mente

Dia Mundial da Saúde

A data simboliza uma preocupação mundial com a sociedade ao conscientizar e discutir temas relevantes relacionados a prevenção de doenças e bem-estar

Na próxima quarta-feira, 7, é celebrado o Dia Mundial da Saúde, iniciativa criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O objetivo é conscientizar a população sobre a importância da preservação da saúde para ter uma melhor qualidade de vida.

Nesta data, profissionais do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, alertam para os cuidados do corpo e da mente como ferramenta para garantir bem-estar e conforto para a vida de idosos, adultos, jovens e crianças.

De acordo com Augusto Duarte, fisioterapeuta do Metropolitano, a alimentação e a falta de atividade física é o segundo fator de risco para o câncer, atrás apenas do tabagismo.

O profissional alerta que cerca de 18% dos casos da doença são causados por estes fatores. “Uma pesquisa da Sociedade Americana de Câncer mostra que os principais cânceres estão associados ao excesso de peso e sedentarismo. Isso mostra que a população precisa ter hábitos mais saudáveis”, disse.

O Hospital Metropolitano é uma unidade do Governo do Pará, sendo gerenciado pela entidade filantrópica Pró-Saúde, com mais de 50 anos de experiência na administração de serviços hospitalares, presente em todo o País.

Atividades para fazer em casa

O profissional completa ao dizer que é possível administrar o tempo e fazer exercícios em casa. “O recomendado é que um adulto faça cinco horas por semana de atividades físicas e uma hora diária para crianças e adolescentes, isso sem sair de casa”, concluiu Augusto. Algumas das atividades são:

• Polichinelo;
• Agachamento;
• Prancha com toque nas pernas;
• Abdominal grupado;
• Flexão de braços com peito no chão;
• Pular corda.

Cuidar da mente faz bem para o corpo

Desde o início da pandemia, o isolamento social foi indicado por órgãos de saúde no mundo todo. No entanto, com as restrições, outras preocupações foram levantadas: a saúde mental na pandemia.

A Universidade Estadual Rio de Janeiro (UERJ) realizou uma pesquisa em março do ano passado – início da pandemia no Brasil – e constatou que houve um aumento nos casos de depressão e ansiedade no País. A depressão representava 4,2% e foi para 8%, casos de ansiedade saltou de 8,7% para 14,9%.

A psicóloga Elzelis Santiago ressalta outro dado curioso. “Dados da OMS apontam que o Brasil é considerado o país mais ansioso do mundo e o quinto mais depressivo. Com isso percebemos a necessidade de falar sobre o assunto: saúde mental”, ressaltou.

“É muito importante que as pessoas saibam buscar um profissional para ajudá-la. Mas existem algumas atitudes que podemos tomar para mudar a saúde da nossa mente”, pontua a psicóloga:

Pratique um esporte, pois o corpo produz serotonina e endorfina, neurotransmissores relacionados à sensação de bem-estar. Isso faz com que diminua os sintomas de estresse e ansiedade, além de influenciar no humor, no apetite, no ritmo cardíaco e no sono”, disse a psicóloga que aproveitou para dar outras dicas;

1. Dormir pelo tempo necessário, entre seis e oito horas ininterruptas diárias, ajuda no descanso da mente;

2. Procure atividade que lhe ajudará a manter a mente mais relaxada, como: ouvindo uma música, praticar exercícios de respiração ou meditar.

3. Pratique uma atividade pelo menos duas vezes na semana;

4. Na pandemia devemos manter o distanciamento social, mas é importante manter o contato com os amigos. Use a internet para fazer chamadas por vídeo e se encontrar com as pessoas que você gosta virtualmente e em segurança.

Ampliar fonte
Contraste