A história de profissionais de Enfermagem no Hospital Estadual de Urgência e Emergência

Marília Lyra, gerente de Enfermagem, afirma que a escolha pela profissão foi motivada pela avó. Já a Vera Lúcia, conta a alegria de realizar sonhos atuando na área

“Quando penso em cuidados na Enfermagem, lembro das histórias que a minha vó contava, quando atuava como auxiliar de enfermagem, em 1975. Sempre foi nítido seu amor pela profissão”, afirma Marília Lyra, gerente de Enfermagem do Hospital Estadual de Urgência e Emergência (HEUE), unidade que pertence ao Governo do Espírito Santo, sendo gerenciado pela Pró-Saúde.

Marília, especialista em urgência e emergência, conta sobre a decisão de estudar Enfermagem, ela tinha um desejo: seguir os passos da avó Mercedes da Penha Lyra, de 84 anos. Foram nas conversas, muitas delas em um domingo à tarde, que Marília ouvia da avó histórias e realizações que a Enfermagem proporcionava.

“Toda vez que a gente se encontrava era uma novidade. Minha vó contava sobre os partos que ela acompanhava, dos atendimentos realizados e de como era prazeroso cuidar das pessoas”, diz. Para seguir a carreira de auxiliar de Enfermagem, função comum na década de 1970, dona Mercedes teve que passar por problemas de saúde na família. “Um familiar nosso ficou doente e com isso, minha vó passou a acompanhar o período de internação – e, depois da recuperação dele, ela decidiu entrar na área da saúde”.

A gerente de Enfermagem ressalta que a união dela com a avó é algo que ela não consegue explicar, e isso a motivou a atuar na área da saúde. “Assim que me formei, o meu sonho era trabalhar na urgência e emergência. São nesses locais que as histórias se multiplicam. Você passa a olhar para as pessoas com mais amor e valorizar ainda mais a vida. Cada paciente atendido, era como eu escutasse minha avó dizer que os pacientes precisam ser cuidados com carinho”, conclui.

Enfermagem e a realização de sonhos

Vera Lúcia Alvarenga de Ávila, enfermeira há dois anos no HEUE tem uma história de superação e sonhos. No hospital, Verinha, como é conhecida pelos colegas, também já atuou como técnica de Enfermagem e sua paixão pela Enfermagem impulsiona todos à sua volta.

“Ter conseguido concluir o curso técnico e a graduação de Enfermagem foi uma vitória muito especial pra mim. Na época da faculdade, tive que trancar, por questões pessoais, mas meu sonho era concluir e eu consegui”, conta Vera com orgulho.

Para Vera, trabalhar na área da saúde vai muito além da remuneração. “Tem uma frase que eu gosto muito que diz: o paciente é um amor de alguém, por isso, eu trato todos com muito carinho, como se eles fizessem parte da minha família”.

E por falar em sonhos – Vera também está concretizando o sonho de ver o filho Jeancarlos Alvarenga de Ávila, de 22 anos, cursar a faculdade de Medicina. “Tenho certeza que meu amor pela área da saúde o incentivou na escolha profissional”, concluiu.

Marília e Vera fazem parte dos 609 profissionais de enfermagem do Hospital Estadual de Urgência e Emergência. São algumas das histórias por trás do atendimento na unidade, de uma equipe fundamental na assistência de pacientes.

Campanha promove o respeito

Com mais de 3,8 mil profissionais de Enfermagem em todo o país, a Pró-Saúde, uma das maiores gestoras de serviços hospitalares do País, lançou a campanha “Vocês Estão Fazendo História”, em referência ao 12 de maio, data em que o mundo celebra o Dia Internacional da Enfermagem.

A iniciativa visa promover o respeito e gratidão ao empenho dos profissionais de Enfermagem, especialmente durante essa fase de combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A Instituição, porém, decidiu estender a homenagem durante o mês de maio.

As ações também buscam contribuir com prevenção de casos de violência contra esses profissionais. De acordo com os dados da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil, realizada pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em 2015, 26,3% já sofreram violência verbal e 15,6% violência física.

Ampliar fonte
Contraste