Gestão corporativa, programa anticorrupção e combate à mortalidade infantil são destaques no terceiro dia de palestras da Pró-Saúde na Hospitalar

Centenas de visitantes da Hospitalar 2018 assistiram às palestras apresentadas na tarde desta quinta-feira (24/5), no estande da Pró-Saúde. Foram três apresentações que lotaram o espaço. O público acompanhou temas como modelo corporativo de gestão em saúde, combate à corrupção e redução da mortalidade infantil. 
 
Jocelmo Pablo Mews, diretor de Gestão de Pessoas da entidade, entrega prêmio ao consultor de Custos da Pró-Saúde, Eduardo Justo.
 
Modelo Corporativo de Gestão Operacional e Custos
 
Como implantar um modelo de gestão corporativa eficiente em unidades diferentes e distantes geograficamente foi o tema da primeira palestra apresentada pela Pró-Saúde, nesta quinta-feira, na Hospitalar 2018, maior feira de saúde das Américas.
 
A entidade desenvolveu uma ferramenta de avaliação da gestão hospitalar para fazer o monitoramento periódico do desempenho das unidades. A metodologia permite análise mais estratégica com melhor tomada de decisão e, consequentemente, dos resultados, avalia as melhores práticas de gestão adotadas nas unidades e auxilia na melhora da performance geral da instituição.
 
Gerente de Operações da entidade, Paulo Viol, durante palestra na Hospitalar.
 
O gerente de Operações Corporativo da Pró-Saúde, Paulo Viol, avalia que o grande benefício para a instituição é sua atuação em rede, o que facilita a troca de experiências. “Hoje, a Pró-Saúde está presente em 10 estados e 23 municípios brasileiros, com índice de satisfação dos usuários superior a 90%. Mais de um milhão de pessoas são atendidas mensalmente nos serviços gerenciados pela entidade – mais de 30 mil por dia. São 2.900 médicos e 2.500 leitos gerenciados”, explica o gestor.
 
A ferramenta permite o monitoramento de alguns indicadores econômicos, financeiros, assistenciais, entre outros, o que agrega credibilidade e transparência no uso de recursos. Também são monitoradas as metas contratuais, gestão de pessoas, o desempenho técnico-operacional, que contempla as obrigações assumidas pela Pró-Saúde do inicio ao fim do contrato de gestão, a prestação de contas mensal e os custos.
 
A CEO, Wanessa Portugal, realizou a abertura da palestra do advogado e economista, Christian Fernandes Rosa.
 
Compliance – Programa de Integridade com Foco em Relações com o Poder Público
 
Ministrada pelo advogado e economista, Christian Fernandes Rosa, a palestra enfatizou a importância do compliance para as organizações sociais, entidades e poder público. Nos tempos atuais, reputação é vital para as entidades e organizações sociais. Mapear possíveis riscos e tratá-los é uma forma de agregar valor e credibilidade no setor, além de preservar a reputação. A Pró-Saúde deu um passo importante – a frente de muitas entidades – para reafirmar sua idoneidade. A entidade passou a adotar um programa anticorrupção.
 
Compliance é uma maneira de tratar riscos, garantindo que a entidade ou empresa seja preservada. Qualquer entidade pode correr riscos, principalmente se não adotar boas práticas.
 
O advogado e economista, Christian Fernandes Rosa, durante palestra na Hospitalar
 
O programa observa exigências normativas, deve ser validado pela alta administração e necessita estabelecer políticas objetivas e claras de conduta. Cada colaborador precisa entender de que forma a sua conduta diária tem pertinência ou não à busca pela integridade nos processos de decisão. Assim, é fundamental um treinamento anticorrupção para os profissionais, da maneira mais eficiente possível, para identificar em que medida a sua função o expõe a riscos.
 
Após a implantação das políticas e do treinamento dos colaboradores, o departamento de Compliance da Pró-Saúde, iniciará a operação identificando os riscos que não foram verificados num primeiro momento. É mais uma iniciativa da diretoria da Pró-Saúde para aprimorar a transparência e o profissionalismo na gestão da entidade.
 
 
Gestão da Maternidade: combate à mortalidade infantil 
 
Como conseguir resultados importantes na assistência materno-infantil foi o tema apresentado pela coordenadora Médica da Pediatria do Hospital Municipal Nossa Senhora da Luz dos Pinhais (PR), Regiany Paula de Oliveira.
 
Aleitamento materno é uma estratégia que traz a diminuição da mortalidade infantil e consegue diminuir as internações por diarreia e infecções respiratórias por crianças abaixo de um ano.
 
A coordenadora Médica da Pediatria do Hospital Municipal Nossa Senhora da Luz dos Pinhais (PR), Regiany Paula de Oliveira, durante palestra na Hospitalar.
 
Segundo o Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria, a ampliação em 10% das práticas de aleitamento materno exclusivo até seis meses ou da amamentação continuada até 12 ou 24 meses poderia reduzir em pelo menos 1,8 milhão de dólares os custos anuais com tratamentos de doenças em crianças no Brasil. Se os índices atuais de aleitamento materno subissem para 90%, a economia seria da ordem de 6 milhões de dólares.
 
No Hospital Municipal Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, a taxa de aleitamento materno exclusivo na unidade é de 90% (a taxa mundial está em torno de 40%). “Os benefícios do aleitamento materno são para a vida toda. Proporciona uma vida mais saudável ao recém-nascido, diminui a obesidade e os índices de diabetes tipo 2 na vida adulta, aumenta o vínculo materno-infantil. O incentivo à amamentação tem impacto importante na saúde de mulheres e crianças e influencia diretamente nas economias de países ricos e pobres. Além disso, as mães que amamentam têm menos chances de desenvolverem câncer de mama ”, afirma a médica. A taxa de satisfação do usuário da maternidade é de 97%.
 
Fernando Paragó, consultor médico corporativo da entidade, entregou o troféu para a palestrante Regiany Paula de Oliveira.
 
Desde 2013, o Nossa Senhora da Luz dos Pinhais tem o título Hospital Amigo da Criança, uma iniciativa da Unicef. Um conjunto de iniciativas implantadas pela unidade auxiliou na conquista do título. São os 10 passos de incentivo ao sucesso do aleitamento materno. A unidade tem o apoio de uma comissão de aleitamento materno-hospitalar criada especialmente para identificar as dificuldades das equipes e promover capacitações contínuas para todos os colaboradores, mesmo aqueles que não são envolvidos diretamente no processo. “A maternidade tem uma técnica em enfermagem especial para orientar a amamentação. No centro cirúrgico obstétrico, além do médico obstetra foram contratadas enfermeiras obstetrizes. Elas dão um cuidado especial ao trabalho de parto, aumentando a humanização”, finalizou.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of