Agência Pará - Hospital Oncológico Infantil reforça importância do diagnóstico precoce de câncer | Pró-Saúde
Voltar para home
Imprensa

Na Mídia

Agência Pará - Hospital Oncológico Infantil reforça importância do diagnóstico precoce de câncer

 

O Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (HOIOL), desde que iniciou suas atividades em Belém, em dezembro de 2015, tem buscado conscientizar a comunidade sobre a importância do diagnóstico precoce no tratamento do câncer infantil. Por meio de folheto de orientação e também da Coluna Vida Saudável, publicada em veículos de comunicação da região, a instituição busca conscientizar sobre os cuidados necessários para que a doença seja descoberta o quanto antes e, assim, aumentar as chances de cura da criança.

Segundo a médica oncopediátrica, Laudreisa Pantoja, os pais com filhos menores de 19 anos devem ficar atentos a sinais de que a saúde da criança ou do adolescente não está bem, uma vez que simples sintomas como febre de origem prolongada, emagrecimento, gânglios que podem surgir por conta de infecções ou não, podem ser indícios de câncer. “Fiquem atentos aos sinais e sintomas perceptíveis em seus filhos. Diferentemente do adulto, na criança a gente não tem como fazer uma prevenção, por isso, a importância da atenção aos pais a esses sinais é fundamental para se chegar ao diagnóstico precoce e melhorar as chances de cura de uma doença oncológica”, adverte a médica.

São casos como o do pequeno G. S., de 11 anos. Moradore do município de Parauapebas, região sudeste do Estado do Pará, ele e a dona de casa Selisvane Silva, mãe do menino, tiveram um grande susto em 2014. Após uma febre forte acompanhada por dor intensa ao lado esquerdo do peito, a mãe chegou a procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua casa. “O susto foi muito grande. A médica que atendeu ele, quando olhou os exames logo me alertou a vir para Belém, pois o caso era sério. Quando chegamos, meu filho estava quase vindo a óbito e foi direto para UTI com os leucócitos altíssimos” conta.

O filho de dona Selisvane foi diagnosticado com Leucemia e, há um ano e três meses, faz tratamento. Atualmente, ele está em fase de manutenção e segue religiosamente o tratamento, feito com quimioterapia e consultas regulares. “Só eu sei o que passei ao ver meu filho prestes a morrer. Hoje em dia, me mudei para Belém só por conta da saúde dele, e graças a Deus eles está indo muito bem no tratamento”, comemora.

De acordo com a oncopediatra, este tipo de doença na criança e no adolescente é multifatorial. “Os fatores que levam ao câncer são diversos, o que dificulta mais ainda o combate e a prevenção, então, já que a gente não tem como combater o fator em si, o que nos resta fazer é a descoberta do diagnóstico o quanto antes, para melhorar o quadro dessas crianças e ter sucesso no tratamento” explica. 

 

Câncer infantil

Esta semana está sendo marcada mundialmente pela discussão sobre o tema. Afinal, na última sefunda-feira, 15, foi o Dia Internacional de Luta contra o Câncer Infantil. Data em que se reflete acerca do tema para a melhor compreensão sobre o que é, como age e as possibilidades de tratamento para esta doença. No Pará, 2,5% dos casos de câncer aparecem em crianças e adolescentes, de até 19 anos. O índice está dentro da média Nacional, que corresponde de 1% a 3%. Os casos mais comuns são as Leucemias, que costumam ser mais frequentes na faixa etária de cinco a dez anos.

A porta de entrada para a descoberta do diagnóstico do câncer são as Unidades Básicas de Saúde. Ao perceber qualquer sintoma suspeito, deve-se procurar um médico, de preferência um pediatra, que solicitará os exames iniciais. Se as suspeitas continuarem, o paciente pode ser encaminhado para o Centro de Atenção à Saúde da Mulher e da Criança (Casmuc), situado no Hospital Universitário Bettina Ferro de Souza (HUBFS/UFPA), em Belém, para uma triagem oncológica, ou após confirmação ou suspeita forte do diagnóstico, a criança deve ser encaminhada para os hospitais de referência.

 

Atuação

No Estado do Pará, já existe um programa de diagnóstico precoce, uma parceria entre a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Instituto Ronald McDonald e algumas prefeituras. O programa, composto por uma equipe de três oncologistas e dois enfermeiros oncológicos, capacitam os profissionais da rede de saúde básica para trabalhar com mais eficiência junto desses primeiros sintomas. O programa já capacitou profissionais de Santarém, Castanhal e, atualmente, está em Marabá, o próximo destino deve ser Barcarena.

Já os hospitais de referência para o tratamento especializado do câncer infanto-juvenil no Estado são: o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (Hoiol), situado na capital paraense ou no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, ambos pertencem ao Governo do Estado do Pará, totalmente gratuitos e geridos pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sespa).

<< voltar