G1 - Gameterapia ajuda na recuperação de pacientes vítimas de acidentes, no PA | Pró-Saúde
Voltar para home
Imprensa

Na Mídia

G1 - Gameterapia ajuda na recuperação de pacientes vítimas de acidentes, no PA

 

 

Hospitais de referência na recuperação de acidentados estão utilizando um método alternativo que vem dando certo na Grande Belém: a "gameterapia". Durante o tratamento, jogos de vídeo game com acompanhamento médico estimulam o corpo e a mente dos pacientes.

A cobradora Márcia Caldas sofreu um acidente de moto e está internada há 10 dias. Além dos arranhões, ela quebrou o braço, que ainda vai ser operado. Depois disso, terá que fazer fisioterapia, um tratamento demorado. "Está me dando depressão já, eu choro praticamente quase todo dia aqui na cama", conta.

Em 2014, os dois hospitais de referência no tratamento de acidentados na na região metropolitana de Belém - PA atenderam 7.749 pacientes deste tipo de caso. Há três meses, o Hospital Público Estadual Galileu começou o tratamento alternativo da gameterapia, que deu certo.

Jogando vídeo game com acompanhamento médico, os pacientes como estimulam o corpo e a mente. "Logo de início eu achei estranho, porque, vídeo game? Como?", afirmou o autônomo Reginaldo Brito.

"O principal benefício é fazer com que o paciente goste mais da fisioterapia, então o paciente acaba tendo esse efeito lúdico também que o vídeo game traz para ele, e acaba sendo um pouco melhor a recuperação dele também", explica o coordenador de fisioterapia da unidade de saúde, Eduardo Eberhardt.

A gameterapia é vantajosa economicamente também. O custo dela é de cerca de R$ 3 mil, gastos com a compra da televisão e o aparelho eletrônico. O valor é tres vezes menor que os R$ 9 mil gastos mensalmente com pacientes vítimas de acidente de trânsito e, segundo especialistas, se divertindo, eles passam menos tempo internados.

"Um investimento pequeno com sessões de fisioterapia de 30 minutos diárias, isso faz com que o tempo de internação deles seja menor, possibilitando a vinda de mais pacientes e otimizando os custos hospitalares e os custos da gestão da Sespa [Secretaria de Estado de Saúde] como um todo", disse Lucas Geralde, diretor técnico do Hospital Galileu.

 

Confira matéria completa clicando aqui.

<< voltar