Diário Online - Cirurgia inédita é realizada no Pará | Pró-Saúde
Voltar para home
Imprensa

Na Mídia

Diário Online - Cirurgia inédita é realizada no Pará

 

Marabá entra para a história da medicina moderna apresentando a primeira cirurgia realizada na região sudeste do Pará, utilizando um protótipo de crânio feito em impressora 3D.

O Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá fez a reconstituição da mandíbula do paciente Marcos da Silva Santos, vítima de um acidente com uma espingarda calibre 20, na zona rural de Jacundá.

Ele deu entrada no hospital no dia 30 de janeiro deste ano e desde então foram realizadas três cirurgias.

O primeiro passo para construção do protótipo foi através de exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética realizados em Marabá e enviados para Brasília, onde foi realizada a fabricação do modelo anatômico, reproduzindo a mandíbula do paciente.

Segundo o odontólogo cirurgião buco maxilo facial, Antônio José Pimenta Chaves, que realizou o procedimento, da forma tradicional a cirurgia demoraria até cinco horas, mas durou apenas 1h30 minutos.

Anteriormente, ele pode estudar a anatomia sólida e fazer a dobradura da placa de titânio de 2.4 milímetros, em um processo que durou outras 3 horas. 

“Utilizamos a prototipagem rápida, através de um protótipo feito por impressão 3D, ou seja, fizemos a tomografia, mandamos pra outra região pra que fizesse o protótipo”, acrescenta Antônio Pimenta.

A cirurgia também necessitou do apoio da ortopedia, onde foi retirado o osso do ilíaco do paciente para enxertar no queixo, procedimento realizado pelo ortopedista Flávio Moreira Viana de Rezende.

“A gente atuou na parte de fixação da mandíbula e na retirada de enxerco da bacia ilíaca para ser colocado na mandíbula”, explica.

O paciente ainda irá passar por outras cirurgias, apenas por questões estéticas.

Segundo o Diretor do HRSP, Valdemir Girato, a cirurgia abriu portas para que outros procedimentos possam ser realizados com a tecnologia de prototipagem.

“Queríamos fazer essa primeira junto com a equipe médica pra ver a evolução e tentar fazer novas cirurgias desse porte”, conclui.

 (DOL com informações Jessika Ribeiro/Diário do Pará)

<< voltar