Para além da sua dieta, o açúcar também pode fazer bem a sua saúde

Açúcar

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o brasileiro consome 50% a mais de açúcar do que o recomendado, sendo que 64% desse consumo está relacionado com a adição do componente ao alimento. Por esse motivo, em 2018, o governo brasileiro assinou um acordo a fim de reduzir o teor de açúcar nos alimentos dentro do prazo de 4 anos, trabalhando em conjunto com o Ministério da Saúde para conscientização da população e, consequente, adoção de hábitos saudáveis.

O consumo de açúcar pode ter como resultados o aumento do nível de glicose na corrente sanguínea, e o acúmulo de gordura corporal. Quando esse consumo se torna exacerbado, o corpo reage negativamente: o pâncreas que antes produzia o hormônio insulina suficiente para normalizar as taxas de glicose no sangue, agora produz quantidade incapaz de suprir tanta demanda, causando o acúmulo de glicose no sangue, que tem como resultado a diabetes.

Além disso, essa ingestão exagerada também pode provocar outra doença: a obesidade. Nesse caso, doces, carboidratos e outros alimentos calóricos aliados ao sedentarismo, acabam por converter a energia entregue pelos alimentos, em tecido adiposo, ou seja, tecido que armazena gordura no corpo. A obesidade também pode gerar hipertensão e outras doenças que acometem o coração.

Doce veneno?

Apesar dos malefícios que o consumo em excesso do açúcar pode gerar, o alimento não precisa ser considerado um vilão à saúde. A ausência dele causa hipoglicemia (deficiência de glicose), provocando dor de cabeça e sensação de olhos vertiginosos. A ingestão do açúcar, inclusive, é a forma mais rápida de suprir glicose ao corpo, importante para o funcionamento do cérebro, retina e rins, além de contribuir para a eliminação de bactérias nocivas ao intestino, e ser uma fonte rica em cálcio, ferro, e vitamina B.

Fugindo à regra da aquisição do açúcar branco, mais conhecido e consumido pelos brasileiros, existem no mínimo outros 7 tipos de açúcar que passam por pouco, ou nenhum, processo químico e de refinamento, preservando seus nutrientes e outras propriedades. Conheça cada um deles:

• Branco: O mais popular entre as famílias brasileiras, é o que mais passa por processos de refinamento, tornando-o sem nutrientes e com calorias vazias que resultam em excesso de gordura corporal e doenças crônicas, como a diabetes;

• Coco: A extração desse açúcar é feita a partir das folhas da palma de coco, sem passar por nenhum processo de refinamento, mantendo suas vitaminas e minerais. Além de apresentar baixo índice glicêmico, pode ser substituído pelo açúcar refinado;

• Cristal: Seu processo de industrialização passa por um refinamento e clareamento menos agressivos, mas que, ainda assim, perde cerca de 90% das vitaminas e grande parte dos sais minerais. Por apresentar cristais maiores ele é considerado mais econômico;

• Demerara: É extraído da cana e seu processo de industrialização é mais ameno, além de não ser utilizado aditivo químico para seu clareamento preservando suas vitaminas e minerais. Por isso, é considerado o mais saudável entre os açúcares;

• Frutose: Pertence ao açúcar natural das frutas e do milho, comparado ao açúcar refinado ele possui valor nutricional alto e baixo valor glicêmico. Geralmente, é utilizado na indústria de alimentos como na fabricação de sucos e refrigerantes, portanto não é recomendado para substituição;

• Light: É obtido através da combinação de adoçante artificial, como a sucralose, com o açúcar refinado comum. Devido a menor quantidade de sacarose (açúcar refinado branco), ele apresenta menos calorias, porém não possui nutrientes e não deve ser consumido por pessoas diabéticas, apenas por àqueles que desejam emagrecer e diminuir a ingestão do açúcar branco;

• Mascavo: Extraído da cana-de-açúcar, passa por um processo de industrialização brando, sem refinamento e aditivo químico, mantendo seus nutrientes e conservando cálcio, ferro e sais minerais;

• Orgânico: Muito semelhante ao açúcar mascavo, o orgânico é produzido sem adição de agrotóxicos e componentes químicos nas etapas de industrialização. Dessa forma, o açúcar é capaz de conservar os nutrientes da cana, como as vitaminas e minerais.

Ampliar fonte
Contraste