Home » Segurança do paciente politraumatizado é debatida em simpósio no HMUE

Segurança do paciente politraumatizado é debatida em simpósio no HMUE

A segurança no atendimento aos pacientes politraumatizados está em debate desde terça-feira (19), no II Simpósio de Enfermagem e Atendimento ao Politraumatizado, realizado pela Pró-Saúde, por meio do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência e Hospital Público Estadual Galileu, no Pará. O simpósio, que é alusivo à semana dos profissionais de enfermagem, tem como tema a “Qualidade de Atendimento e Segurança do Paciente” e palestras de especialistas nacionais e regionais. O evento será encerrado nesta quarta-feira (20), com palestra motivacional de Guarany Junior, diretor de Marketing das Organizações Romulo Maiorana (ORM).

A conferência de abertura foi feita pelo médico Fernando Paragó, gerente do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente do Hospital Estadual Getúlio Vargas (RJ) e coordenador do pólo da Pro-Saúde no Rio de Janeiro. Com dinâmica e interação, ele chamou a atenção para o dia a dia do profissional de enfermagem. “É uma profissão que lida com situações críticas, delicadas, e a tomada de decisão em prol do paciente precisa ser segura, nunca baseada em impressões, mas em evidências comprovadas”, disse, ao abordar o tema com total atenção da plateia, formada por técnicos, enfermeiros e médicos.

Na sequência o médico sanitarista Daniel Beltrammi, superintendente do Hospital de Clínicas Municipal José Alencar (MS), proferiu conferência sobre a rotina do atendimento aos politraumatizados nos hospitais de urgência e emergência sem abrir mão da segurança.

Na abertura, o diretor do Hospital Metropolitano, Rogério Kuntz, falou da importância do profissional de enfermagem, que também ocupa postos estratégicos nos hospitais gerenciados pela Pró-Saúde. No caso do Metropolitano e Galileu, atuam também na gestão, inclusive à frente das diretorias assistenciais. “Sei que é redundante falar do quanto o profissional de enfermagem é essencial na assistência ao paciente, e nós temos nestes profissionais uma parceria que tem trazido grandes resultados também na nossa gestão hospitalar”, ressaltou o diretor.

A enfermeira Maria do Carmo Freitas, diretora assistencial do Metropolitano, lembrou que a assistência está na essência da profissão de enfermeiro desde os tempos mais remotos. “A enfermagem tem uma origem milenar e sua essência é o cuidado. No passado ser enfermeiro era uma referência a quem cuidava, protegia e nutria pessoas convalescentes, idosos e deficientes. Com a ampliação dos recursos esse trabalho foi ampliado para a assistência hospitalar, onde hoje esse profissional é absolutamente essencial”, comentou.

A enfermeira Ivanete Robert, diretora assistencial do Hospital Galileu, lembrou que o tema escolhido para o evento foi bastante apropriado por ser o Metropolitano a principal referência da região em politraumatismo, com amplo espaço para a parceria com o Galileu, que foi inaugurado há um ano e é a retaguarda para os pacientes transferidos do Metropolitano que necessitam dar continuidade ao tratamento.

A abertura do evento teve ainda representantes da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e também do Ministério da Saúde. Na parte da tarde o médico José Guataçara Gabriel, coordenador do Samu Belém e coordenador de urgência e emergência do Metropolitano também proferiu palestra sobre atendimento com segurança ao paciente politraumatizado. As palestras prosseguem nesta quarta-feira (20), pela manhã e tarde, quando ocorre o encerramento.

Ampliar fonte
Contraste