Pró-Saúde encerra gestão de uma das maiores emergências públicas do Rio de Janeiro com mais de 7,1 milhões de atendimentos

Nos últimos cinco anos, a Pró-Saúde realizou mais de 7,1 milhões de atendimentos à frente da gestão do Hospital Estadual Getúlio Vargas (HEGV), localizado na Penha, no Rio de Janeiro (RJ). Referência para urgência e emergência para uma população de mais de 940 mil fluminenses, incluindo os moradores do complexos da Maré, Penha e do Alemão, a unidade gerenciada pela Pró-Saúde desde março de 2014 passa, a partir deste sábado (17/6), para uma nova gestora.

Com 2.293 colaboradores, além de 499 estatutários e 79 terceirizados, o HEGV é um dos principais hospitais com uma das emergências mais movimentadas do Rio de Janeiro. De 2014 até 2019 (maio), foram realizadas 29.643 cirurgias, 69.684 atendimentos ambulatoriais, 860.990 atendimentos de urgência e emergência, 4,5 milhões exames, 63.461 internações, 1,4 milhão de atendimentos multidisciplinares e 63.478 altas hospitalares. Situado em uma região de conflito e violência, o HEGV realizou 2.824 atendimentos de pacientes atingidos por projétil de arma de fogo no mesmo período. A satisfação do usuário e aprovação dos serviços prestados alcançaram a média de 90% entre os pacientes atendidos, mensalmente, no HEGV.

Empregos garantidos

Todos os funcionários do HEGV, atualmente contratados em regime CLT pela Pró-Saúde, obtiveram a garantia da continuidade de seus contratos de trabalho com a nova gestora, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. A medida que beneficia milhares de famílias foi anunciada em reunião realizada nesta quinta-feira (13/6), com representantes da Pró-Saúde, dos principais sindicatos das categorias profissionais da área assistencial (Enfermagem, Médicos entre outras), das comissões parlamentares da Saúde e do Trabalho da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro) e com a presença do secretário estadual de saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos. Outra medida que foi assegurada é o pagamento do piso salarial integral para os profissionais de Enfermagem que trabalham com carga horária de 30h semanais.

Um grupo de trabalho também foi criado para que sejam discutidos o passivo financeiro e pagamentos pendentes relacionados ao contrato de gestão do HEGV. A dívida do Governo do Rio de Janeiro com a Pró-Saúde, referente apenas ao Getúlio Vargas, soma R$ 347.308.199,81, conforme vasta documentação comprobatória apresentada à SES-RJ. Nos últimos anos, a regularidade dos repasses de custeio da unidade não foi respeitada, o que gerou déficits e comprometeu pagamentos. Apesar destes atrasos, o HEGV atendeu 16 mil pacientes por mês, em períodos críticos, o que representou 50% de aumento na demanda.

Gestão

Com 80 anos de existência, o HEGV acumulou conquistas importantes para a população que depende de seus serviços. Um exemplo disso, foi o “Protocolo de Fratura do Fêmur do Idoso”, que capacita os profissionais do HEGV para “desospitalização” do paciente com segurança, reduzindo números de mortalidade e morbidade. Após a implantação do protocolo do idoso, a média de internação que era de 17 dias caiu para 4,7 dias. Outra medida importante foi o “Protocolo de abreviação de jejum no pré-operatório”, adotada pela Unidade de Cirurgia, por ser uma das 12 diretrizes estabelecidas pelo processo ACERTO (Aceleração da Recuperação Total Pós-Operatória), que tem o intuito de acelerar a recuperação do paciente recém-operado. Outra conquista é que há um ano, a unidade não registra casos de infecção urinária em pacientes que utilizam sonda dentro da UTI. A Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) certificou as Unidades de Terapia Intensa (UTIs) Adultas do HEGV com o Certificado de Gestão de Indicadores de Qualidade e Desempenho.

Em 2018, o HEGV foi selecionado para o projeto “Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”, conduzido pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS), em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, que tem como objetivo principal, no prazo de três anos, reduzir em 50% as infecções relacionadas à assistência nas UTIs, por meio da aplicação de práticas seguras de prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea Associada à Cateter Venoso Central (IPCS), Infecção em Trato Urinário Associada à Cateter Vesical de Demora (ITU) e Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAV).

Já o serviço da cozinha do HEGV, que prepara 75 mil refeições por mês para atender pacientes, acompanhantes e colaboradores, reforçou sua preocupação com o meio ambiente, nos últimos dois anos. Pelo menos 176 litros de óleo de cozinha foram descartados de forma correta. Além de conscientizar e disponibilizar locais adequados para recolhimento de pilhas e baterias. Até o momento, já foram arrecadados 127 quilos desses materiais.

Em 2018, foram realizadas 194 capacitações e treinamentos, totalizando 61.216 horas, por meio do Núcleo de Educação Permanente, para adequar a formação e qualificar os profissionais de saúde do HEGV, em busca da excelência assistencial.

A humanização, presente em todas as unidades gerenciadas pela Pró-Saúde, possibilitou o trabalho de 78 voluntários, que disponibilizam tempo para atender os pacientes e familiares dentro do HEGV. Em 2019, em média, já foram realizados 1.055 atendimentos pela equipe do Voluntariado. Outro projeto importante que a unidade realiza é o “Encaminhamento Responsável”, para assegurar que os pacientes que recebem alta continuem o tratamento em outros equipamentos públicos como a clínica da família, consultório na rua, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) entre outros.