Home » Maio Amarelo: Hospital Regional leva informações a ouvintes de rádio

Maio Amarelo: Hospital Regional leva informações a ouvintes de rádio

Uma exitosa parceria entre Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP) “Dr. Geraldo Veloso”, Grupo Correio de Comunicação e o Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU) busca formas de contribuir com a diminuição no número de acidentes de trânsito em Marabá, por meio do programa “Maio Amarelo”, que visa a paz no trânsito.

Esta semana (no dia 21), dentro do programa de rádio “Itacaiúnas News”, do Grupo Correio, o médico Cassiano Barbosa, diretor técnico do Hospital Regional, e o técnico Edigley Ferreira, do DMTU, levaram informações aos ouvintes da rádio sobre a importância da direção segura para evitar acidentes.

Durante o programa apresentado pelo jornalista/radialista Adilson Neto, o cirurgião geral Cassiano Barbosa explicou que tamanha é a quantidade de acidentes de trânsito em Marabá e região, que o Hospital Regional de Marabá acabou se tornando referência em traumas por conta disso.

Ainda segundo o médico, são comuns no hospital pacientes com os chamados traumas de extremidade, que são fraturas de braço e principalmente de pernas, uma característica marcante de acidentes de moto. E o que mais preocupa é que se trata, geralmente, de pacientes jovens, entre 20 e 29 anos.

Essas pessoas vão deixar de trabalhar; serão submetidas a uma internação que pode durar até seis meses, quando ocorrem fraturas graves, inclusive de crânio, que em alguns casos são irreversíveis.

Para se ter uma ideia do tamanho dessa demanda, o Hospital Regional realiza cerca de 300 internações por mês e, pelo menos, 50% são vítimas desse tipo de trauma. Isso causa outro problema: o hospital deixar de fazer cirurgias eletivas, para atender aos casos de acidente de trânsito.

Cassiano Barbosa observa que na região existe toda uma demanda por procedimentos em outras especialidades, como cirurgias de catarata, vesícula, próstata, hérnia, ou de amígdalas, que são as chamadas cirurgias eletivas, aquelas que podem esperar um pouco mais. Isso aumenta a fila de pacientes, porque os casos de emergência têm prioridade.

Diante de tudo isso, Cassiano Barbosa entende que é preciso haver ações de educação para o trânsito, punição maior para os condutores que não obedecem às leis e fiscalização dos órgãos responsáveis pelo trânsito.

E ele tem razão. Embora os números de acidente de trânsito ainda sejam altos, as campanhas educativas, aliadas ao aumento no valor das multas de trânsito podem explicar a redução da violência no trânsito marabaense.

Nos primeiros quatro meses de 2014 ocorreram 124 acidentes com 31 mortes, enquanto este ano – também de janeiro a abril – foram registrados 82 acidentes com 21 mortes, segundo dados apresentados por Edigley Ferreira, do DMTU.

Ampliar fonte
Contraste
Voltar para o topo da página - Pró-Saúde