Hospital Regional do Baixo Amazonas comemora resultados positivos no combate à infecção

A equipe assistencial do Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém (PA), tem comemorado marcas importantes no combate à infecção na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto. Há mais de 365 dias, por exemplo, não são registrados casos de infecção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central e, há mais de 130 dias, os pacientes não adquirem infecção do trato urinário associado a dispositivos invasivos. Os avanços são frutos de investimento em tecnologias e capacitação dos profissionais.

As reduções nos indicadores de infeção hospitalar têm relação direta com a participação do Hospital no projeto colaborativo “Melhorando a Segurança do Paciente em Larga Escala no Brasil”, que faz parte do “Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS)”, do Ministério da Saúde, em parceria com hospitais de excelência. O projeto começou em dezembro de 2017.

O objetivo do projeto é orientar os profissionais de saúde dos 119 hospitais públicos participantes, que prestam serviço para o SUS, quanto às melhores práticas para o cuidado do paciente relacionado a prevenção das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS). “Projetos como esse tornam o hospital cada dia mais resolutivo, com mais qualidade assistencial, mais seguro e, principalmente, mais humano. Só temos que parabenizar toda a equipe da UTI Adulto pelos resultados e que venham novos projetos”, afirma o diretor Hospitalar do HRBA, Hebert Moreschi.

A principal meta é reduzir em 50%, até 2020, as principais infecções relacionadas a dispositivos invasivos na assistência à saúde. Mas os resultados já são expressivos. “Uma das metas que era para julho de 2019, nós já alcançamos agora. Isso significa que estamos melhorando a segurança do paciente continuamente, com medidas simples, baseadas em melhores práticas, utilizando a ciência da melhoria. Como resultado, tivemos uma queda na incidência das infecções”, revela a supervisora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), Sheila Oliveira.

A primeira etapa a ser alcançada foi a redução de 30% dos índices de infecções. Para que isso acontecesse, foi fundamental o envolvimento dos pacientes e acompanhantes no cuidado. Às vezes, com ações tão simples como higienizar as mãos. “Para os usuários, o projeto é maravilhoso. Eles têm oportunidade de participar, também do próprio cuidado, assim como os acompanhantes, em que foram criadas estratégias para que fossem envolvidos nesse processo”, diz a enfermeira do Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente (NQSP) do HRBA, Leide Mafra.

Envolvimento

“Trabalhar em uma UTI é um desgaste emocional muito grande para a equipe, embora todos estejam preparados emocionalmente, às vezes, acontece um desgaste… Mas a alegria do paciente e da família faz com que a equipe fique estimulada sobre a importância do seu trabalho. O paciente que vem para a UTI é um paciente grave, com uma probabilidade de vida menor que os demais, e salvar uma vida dentro da UTI é uma vitória”, explica a supervisora da UTI Adulto, Aline Aguiar.

A supervisora lembra o caso do sargento da PM, Carlos dos Santos, de 53 anos, que foi baleado no pescoço durante tentativa de assalto, no dia 6 de novembro deste ano. Após somente 18 dias internado, o policial teve alta hospitalar. “Ninguém esperava que ele fosse sair tão bem, sem sequelas, a não ser com uma cicatriz mínima. Foi uma grande vitória, e isso serve para estimular a equipe, para que sempre tenha mais vontade para salvar vidas”, fala Aline Aguiar.

A esposa do policial, Diracy Vieira, de 33 anos, aprovou a ideia de participar dos cuidados do seu marido, enquanto ele esteve internado. “Foi algo muito bom, porque incentiva o paciente, sabendo que o acompanhante está ali dando força. Eu vejo como uma forma de melhoria do paciente. Foi muito bom, não teve coisa melhor do que poder ficar ao lado dele auxiliando”, destaca Diracy.

A diretora Assistencial, Francilene Caldeira, reforça a importância do envolvimento do HRBA em projetos de excelência para o aprimoramento e o fortalecimento da assistência. “A partir do momento em que a equipe se envolve em um projeto, o resultado positivo logo vem. Então, esse projeto, além de salvar vidas, é muito motivador para a equipe. Nós já tivemos ganhos fantásticos. Muitos hospitais de capitais não têm conseguido os resultados que obtivemos aqui no HRBA”, afirma Francilene.

Hospital

O Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) atende casos de média e alta complexidades e presta serviço 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No Norte do País, o hospital avança em serviços de saúde, com a implantação de programas de transplantes renais, cirurgias cardíacas e a consolidação do tratamento oncológico. A unidade atende uma população estimada em mais de 1,1 milhão de pessoas, residentes em 21 municípios do Oeste do Pará.

O HRBA é uma unidade pública e gratuita de saúde, pertencente ao Governo do Pará e administrado, desde 2008, pela entidade beneficente Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

No Norte do Brasil, foi o primeiro hospital público a obter o certificado máximo de qualidade, a ONA 3 – Acreditado com Excelência, concedido mediante o cumprimento das melhores práticas hospitalares e de qualidade assistencial. O HRBA também se tornou o primeiro hospital público do Brasil a obter o selo “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI).

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of