Hospitais usam tecnologia para promover encontro on-line entre familiares e pacientes internados por Covid-19

O projeto “Visita Virtual” tem garantido acolhimento aos pacientes internados pelo novo coronavírus, além de prestar informações aos familiares sobre o tratamento

A impossibilidade de visitas às pessoas internadas devido ao novo coronavírus, como ocorre com a maior parte dos casos, inspirou a criação de alternativas capazes de aproximar pacientes dos familiares.

No Norte do País, hospitais públicos e privados gerenciados pela Pró-Saúde no Pará, implantaram o projeto “Visita Virtual”. A ação utiliza a tecnologia para diminuir as distâncias e faz parte do Programa de Humanização da entidade, com foco no acolhimento do paciente, além ajudá-los na recuperação.

No município de Santarém, o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), referência na região Oeste do Estado para casos graves da Covid-19, as visitas aos pacientes em isolamento acontecem por meio de chamadas de vídeo, com apoio da equipe de enfermagem. A unidade também fornece, diariamente, informações por telefone aos familiares sobre o tratamento e estado de saúde.

Segundo Valdirene Carrera, coordenadora de Filantropia da Pró-Saúde, a iniciativa da visita virtual fortalece o vínculo com o paciente e pode ajudar no processo da recuperação. “A proximidade dos familiares no processo de tratamento é muito importante para diminuir a ansiedade, contribui para o elo familiar e se torna um acolhimento essencial, respeitando as necessidades do momento”, explica.

Durante a pandemia, a necessidade de adaptação

No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), em Belém, a visita virtual é um projeto realizado desde 2015. Diante da pandemia, além de ampliado para atender os pacientes internados pela Covid-19, a unidade intensificou os cuidados com a higienização, já que o contato entre o paciente e familiares é realizado por meio de um tablet.

João Cardoso, de 80 anos, se surpreendeu com a iniciativa do HPEG. Em tratamento para se curar do coronavírus, o paciente destaca a importância da ação para o seu emocional. “As ligações são muito importantes pra mim, minha família é tudo na minha vida! Ter a oportunidade de me comunicar com meus familiares é muito bom, ajuda a diminuir a saudade e a ansiedade por estar longe dos meus filhos”, diz.

Ações especiais

Em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém (PA), profissionais de psicologia e enfermagem incorporaram mensagens de voz de familiares no tratamento prestado aos pacientes internados pelo novo coronavírus no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE).

A técnica mistura tecnologia e terapia em busca de estímulos que possam auxiliar no quadro clínico e contribuir de forma física, psíquica e emocional aos pacientes.

“A presença do familiar é de extrema importância para a evolução positiva do quadro clínico, pois fortalece no paciente a sensação de acolhimento ao ouvir uma voz conhecida. Nesse momento de pandemia, por conta das restrições de visitas, isso poderia ser um dano. Então, trazemos a voz do familiar e de outros recursos para aproximar os nossos pacientes de quem eles amam”, destaca Emily Antunes, psicóloga clínica da Pró-Saúde.

A humanização e a Pró-Saúde

Segundo Valdirene, a humanização no ambiente hospitalar pode ser vista como a ação de oferecer um tratamento seguro e de qualidade, com atenção a todos os aspectos dos pacientes, sejam físicos, mentais ou espirituais.

“Essa tem sido o objetivo inerente aos hospitais gerenciados pela Pró-Saúde em todo o País. O Dia da Humanização é lembrado em 9 de junho. Não vamos poder realizar ações específicas para a data devido a pandemia no coronavírus, mas é possível se adaptar e continuar traduzindo em ações concretas a importância da humanização no ambiente hospitalar, para as pessoas e nas comunicações”, conclui Valdirene.

Ampliar fonte
Contraste