Home » Farmácia Clínica do HEAPN é inaugurada

Farmácia Clínica do HEAPN é inaugurada

O Hospital Estadual Adão Pereira Nunes (HEAPN), no Rio de Janeiro (RJ), inaugurou, em agosto, as atividades de sua farmácia clínica.  O espaço vai contribuir para uma utilização racional e segura dos medicamentos na unidade, através da otimização da farmacoterapia. A farmácia visa atender as normas internacionais e nacionais de qualidade e gestão hospitalar.

De acordo com o gerente de logística, André Gil, a equipe é composta por três farmacêuticos, que atuam integrados à equipe multidisciplinar de assistência ao paciente. Eles trabalham, prioritariamente, nas clínicas fechadas: CTI Adulto, CTI Pediátrico, CTI Neonatal e CTI Pós-Operatório. A farmácia gerencia um arsenal terapêutico de, aproximadamente, 350 medicamentos.

“Existe uma programação semanal da participação do farmacêutico nas seções clínicas nas quais são discutidos, dentre outras variáveis, os planos farmacoterapêuticos focados no cuidado ao paciente.  Além disso, o farmacêutico clínico contribui com a revisão da farmacoterapia, avaliação das possíveis interações medicamentosas, realiza ações de farmacovigilância, orientação a equipe de enfermagem na utilização e armazenamento dos medicamentos, realiza as revisões dos medicamentos dos carros de emergência, promove alternativas terapêuticas e verifica o armazenamento dos medicamentos nos setores”, explicou Gil.

O serviço de farmácia é composto por: Central de Abastecimento Farmacêutico, Farmácia Central, Farmácia do Centro Cirúrgico, Setor de Fracionamento de Medicamentos, Garantia da Qualidade, Setor de Análise Farmacêutica e Dispensação. Os serviços de farmácia foram agregados as atividades de farmácia clínica.   

“A implantação da farmácia clínica no HEAPN, através da promoção e o desenvolvimento dos serviços farmacêuticos com foco nas atividades clínicas, mostra-se uma estratégia importante para a melhoria dos indicadores de qualidade, aumento da segurança referente ao uso dos medicamentos e redução de custos assistenciais na instituição hospitalar”, concluiu o gerente de logística.

Ampliar fonte
Contraste
Voltar para o topo da página - Pró-Saúde