Emoção e fé marcam visita da Imagem Peregrina ao Oncológico Infantil

Houve até homenagem com o uso da Língua Brasileira de Sinais (Libras) para interpretar uma canção religiosa

A manhã desta sexta-feira, 30, foi cheia de emoções no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, unidade do Governo do Estado, gerenciada pela Pró-Saúde. Concomitantemente à missa de encerramento das programações do hospital pelo Círio 2020, houve visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré, que provocou muitas emoções por onde passou.

Foi um momento em que os colaboradores da instituição e acompanhantes de pacientes, devotos da padroeira dos paraenses, externalizaram seus sentimentos de fé com lágrimas, preces de agradecimentos e benzimentos.

A imagem foi conduzida por três membros da Diretoria da Festa de Nazaré, sendo alternada com a participação da diretoria e alguns colaboradores do hospital, respeitando o distanciamento necessário para a segurança de todos em virtude da pandemia da Covid-19.

De todas as missas já realizadas pelo hospital, houve, pela primeira vez, atração de uma voz infantil feminina que entoou cantos de louvores. A missa foi presidida pelo padre Evandro Favacho, da Paróquia do Santíssimo Sacramento, do Município de Marituba.

Muito emocionada, Flaviane Nepomuceno, mãe de uma menina de 4 anos que está em tratamento contra um câncer, comentou que a fé na padroeira é uma fonte de força para continuar na sua luta. “A presença da santa nos dá um alívio. Eu sei que a interseção de Nossa Senhora tem me dado muita força para enfrentar esse período tão difícil que tenho enfrentado. Me dá certeza que ela está sempre comigo e está derramando suas bênçãos sobre mim e minha filha”, comentou.

“Foi um momento muito especial e importante para todos nós, que vivenciamos um Círio totalmente diferente este ano, pois ter perto de nós a imagem peregrina tornou esse momento ainda mais significativo”, disse Elton Sacramento, líder de grupo voluntário que se dedica às ações solidário-religiosas no hospital.

Há quem tenha sido surpreendido por realizar um sonho que considerava impossível. Foi o caso de Márcia Oliveira, colaboradora convidada a conduzir a imagem em um dos andares do hospital. Ela conta que isso era um sonho. “Foi uma emoção muito forte em poder carregá-la em meus braços, naquele momento o meu coração ficou anestesiado, mas de emoção”, disse.

Agradecimento em linguagem de sinais

Um momento que chamou bastante a atenção foi a homenagem feita por um colaborador do hospital que utilizou a letra de uma canção religiosa para fazer o seu agradecimento, utilizando a Língua Brasileira de Sinais (Libras). Antônio Junior, do setor de Humanização, conta porque fez isso. “Foi porque alcancei graças como a aprovação no vestibular, nomeação em cargo público e a conquista da competência em saber interpretar em sinais”, revelou.

Várias ações, como a missa, por exemplo, são planejadas pelo Escritório de Experiência do Paciente, que desenvolve diversas atividades no hospital em prol dos públicos interno e externo, acompanhantes, colaboradores e sempre respeitando o acolhimento religioso como uma das principais tônicas.