Home » Colaboradores do HECC recebem treinamento para promover interação

Colaboradores do HECC recebem treinamento para promover interação

O Hospital Estadual Carlos Chagas (HECC), no Rio de Janeiro, realizou, na última semana, o treinamento “O Ato do Bem Servir”. A capacitação foi ministrada pelo coordenador do Núcleo de Ensino Permanente do Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer (IECPN), Aluísio Almeida, e teve como objetivo promover uma maior integração entre os setores, além de trabalhar a importância da humanização não somente no atendimento ao paciente, mas também entre os colaboradores.

“A simples ação de dizer um bom dia, boa tarde ou boa noite, dependendo da situação, pode demonstrar não somente uma questão de educação, mas também da importância que todos temos dentro de uma organização que valoriza o ser humano. Pensando nisso, foi preparado este treinamento”, explicou Almeida.

Segundo o coordenador do IECPN, o treinamento foi 100% comportamental e trabalhou valores, crenças, ética e respeito. Foram duas horas de palestra, boa parte com atividades lúdicas, onde o colaborador pôde expressar seus sonhos, falar sobre seus hobbies e, principalmente, como gosta de ser tratado.

“O resultado foi muito positivo. A partir deste treinamento as pessoas adquiriam hábitos de mesmo no dia a dia atribulado, passar pelo seu colega de trabalho e não deixar de fazer um cumprimento ou saudação e também para pessoas que ele nem conhece. Que pode ser um paciente, acompanhante, fornecedor ou um visitante em nosso hospital”, acrescentou o coordenador.

O mesmo treinamento já foi realizado no IECPN. Ele teve início no ano passado a pedido da Diretora Administrativa, Regina Avelar, e os resultados já são observados.  

“O ganho foi para todos. Eu diria que, no começo achei que não teríamos um resultado muito satisfatório, mas com o passar do tempo, percebemos a mudança de comportamento das pessoas e até hoje quando recebo visitas aqui no Núcleo de Ensino Permanente (NEP), recebo o seguinte feed back: ‘nossa como aqui as pessoas são educadas. Difícil encontrar isto num hospital…’ então eu digo que foi uma vitória e que até hoje colhemos estes frutos”, finalizou.

Ampliar fonte
Contraste
Voltar para o topo da página - Pró-Saúde