Relatório
Institucional
2020

Neste Relatório Institucional, a Pró-Saúde compartilha sua experiência exitosa no enfrentamento à pandemia. Um sinal de gratidão para o engajamento de todos os colaboradores que se dedicaram à nossa missão.”

Dom João Bosco Óliver de Faria
Arcebispo Emérito de Diamantina (MG)
Presidente da Pró-Saúde

0
Colaboradores por
todo o país
0
Centros de
Educação Infantil
0
Unidades de
saúde gerenciadas
0
Estados das 5
regiões brasileiras

Pesquisa
Datafolha

Encomendado pela Pró-Saúde a um dos mais respeitados institutos de pesquisa do Brasil, o estudo mostra o percentual de satisfação dos usuários e a percepção dos trabalhos realizados pela entidade.

Pandemia
da Covid-19

Em um ano em que o mundo foi surpreendido pelo Coronavírus, conheça o papel fundamental que os hospitais gerenciados pela Pró-Saúde tiveram para garantir atendimento digno aos pacientes.

Sustentabilidade

Descubra nossos indicadores e as ações realizadas no último ano para o controle da emissão de gases do efeito estufa.

Humanização e Ações Sociais

Veja as principais campanhas e ações de humanização realizadas pela Pró-Saúde nas unidades gerenciadas, como foi o caso da Ação do Bem, que, em 2020 arrecadou um total de:

0
Cestas básicas
0
Frascos de álcool gel
0
Máscaras infantis

Baixe agora o Relatório Institucional 2020 da Pró-Saúde

Relatório Institucional 2020 da Pró-Saúde

Perfil organizacional

Nossa história Fundada em 1967, a Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar é uma das maiores entidades filantrópicas de gestão de serviços de saúde e administração hospitalar do Brasil. Foi criada a partir de um movimento pioneiro que defendia a profissionalização da ação beneficente na saúde, visão protagonista incorporada ao seu jeito de atuar. O padre Niversindo Antônio Cherubin, precursor dos cursos de gestão hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição, que segue amparada pela tradição cristã, presente nos serviços prestados. Ao longo de sua história, a Pró-Saúde desenvolveu padrões de qualidade e soluções em gestão adequadas à realidade de cada unidade gerenciada ― desde hospitais de altíssima complexidade em centros metropolitanos a unidades localizadas em regiões do Brasil remoto. A gestão da Pró-Saúde acontece por meio de uma dinâmica que integra a unidade administrada ao corporativo, conexão desenvolvida por diversas tecnologias de gerenciamento de dados. Especialistas altamente qualificados em diversas áreas de gestão desenvolvem estratégias que garantem alta rentabilidade na performance do negócio, com o incremento da otimização do custo de operação. Monitoram indicadores de qualidade, atuam para mitigar riscos, gerenciam a complexidade regulatória, criam e implantam novas soluções adequadas para cada necessidade.

16 mil

Colaboradores

28

Unidades gerenciadas

4

Centros de educação infantil

12

Estados com presença da entidade nas 5 regiões do Brasil
Missão, visão e valores

Missão

Promover soluções na área da Saúde, Educação e Assistência Social, primar pela excelência assistencial e integridade, centradas nos princípios cristãos para a melhoria dos serviços públicos.

Visão

Ser líder em gestão hospitalar de saúde pública, reconhecida pela qualidade e segurança assistencial e referência em integridade e sustentabilidade das práticas institucionais.

Valores

> Humanização Cuidado centrado nas pessoas, estabelecendo vínculos fraternos para usuários e colaboradores. > Sustentabilidade Adotar práticas sociais, econômicas e ambientais para assegurar a perenidade organizacional. > Qualidade Busca da melhoria contínua. > Integridade Atuar de acordo com as normas aplicáveis e melhores práticas institucionais. > Solidariedade Tratar, na misericórdia, o outro como irmão e irmã.
Serviços e produtosA Política de Relacionamento com Clientes Externos, alinhada ao Código de Ética e Conduta e às estratégias corporativas, direciona o processo a fim de assegurar a transparência e conduta ética nas negociações, fortalecendo a marca e a imagem institucional, além de agregar valor às relações estabelecidas com os clientes, colaborando com a perenidade e sustentabilidade da instituição. O ano de 2020 foi dedicado ao fortalecimento no relacionamento com os parceiros de forma a potencializar a transparência e as diretrizes éticas institucionais, além de aprimorar as relações com os clientes, o que refletiu em maior engajamento às metas definidas no planejamento estratégico. O setor de Novos Projetos manteve seu compromisso anual em revisar e analisar seus processos internos implementando melhoria nos fluxos e interações com demais setores institucionais, permitindo maior agilidade na contratualização de serviços prestados e nas negociações desenvolvidas ao longo do ano. Foi necessário rever o posicionamento e as metas estratégicas ao longo do ano, em virtude do cenário de pandemia. As reuniões foram realizadas de maneira virtual, fato que possibilitou a manutenção das atividades do setor ininterruptas, ainda mais considerando a alta procura por serviços de saúde, que registrou aumento significativo. O compromisso com as melhorias constantes fica mantido para o ano de 2021, com a implementação de ferramentas de gestão e de tecnologia da informação que visam assegurar o monitoramento e a segurança de seus indicadores e resultados.

Serviços oferecidos pela Pró-Saúde

*QUADRO* GESTÃO DO CONHECIMENTO Qualifica os colaboradores e desenvolve habilidades e competências para o cumprimento de metas, aprimorando do rendimento das equipes assistenciais e administrativas, por meio de cursos e treinamentos presenciais ou a distância. EXCELÊNCIA EM GESTÃO Diagnóstico detalhado dos processos assistenciais e administrativos para o aperfeiçoamento dos serviços, com foco em certificações de qualidade e acreditações, por meio de tecnologia desenvolvida pela Pró-Saúde. POTENCIAL DE MERCADO Desenvolve o business plan do serviço de saúde, avaliando estrategicamente o perfil de atendimento, o mercado, os concorrentes e as oportunidades de novos negócios, com foco na evolução operacional. GESTÃO DE SUPRIMENTOS Alta eficiência na aquisição de equipamentos, produtos e serviços por meio de uma plataforma online integrada, garantindo segurança, qualidade e economicidade nas aquisições em alta escala. ASSESSORIA Apoia a alta direção na análise diagnóstica, definindo estratégias de gerenciamento, desenvolvendo soluções para as equipes assistenciais e administrativas, com melhoria de performance. CONSULTORIA Desenvolvimento de estratégias customizadas com foco na implementação de soluções eficazes em Suprimentos, Custos, Hotelaria, Governança Clínica, Farmácia, Enfermagem, entre outros. GESTÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE Implantação de processos altamente qualificados para a gestão integral e eficiente das unidades gerenciadas, com foco na otimização dos custos e sustentabilidade do negócio. GESTÃO DE EXCELÊNCIA E CERTIFICAÇÕES Prepara unidades de saúde para melhoria de processos de qualidade com foco nas certificações de acreditação hospitalar, com incremento de benchmarking integrado. ALTA QUALIDADE ASSISTENCIAL Implantação do Núcleo de Segurança do Paciente, criando soluções inteligentes para a eficiência operacional e qualidade assistencial do serviço de saúde, integrando áreas por meio da gestão de processos, gestão estratégica e gestão de riscos.
Planejamento e novas oportunidadesRealizando algumas etapas de análise para localizar e desenvolver projetos que possam gerar atrativos na área da saúde, a equipe corporativa produz estudos nas áreas financeira, assistencial e administrativa, desempenhando as seguintes fases: **QUADRO** Concorrência Pública > Estudo de Viabilidade > Diagnóstico > Cotação > Viabilidade de Novos Projetos > Implantação Os problemas derivados da pandemia nas relações contratuais, econômicas, patrimoniais, financeiras e sociais foram diversos e complexos. Os setores administrativos precisaram se adequar a essas mudanças, se deparando com problemas como falta de medicamentos diversos junto aos fornecedores, escassez de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) , de profissionais da assistência, logística, dentre inúmeros outros.
Reconhecimento de atuaçãoA Pró-Saúde está qualificada como Organização Social de Saúde em 86 localidades, divididas em 75 municípios de 11 estados brasileiros ― Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina e Tocantins.
Relações institucionaisCom o propósito de aprofundar e fortalecer os vínculos entre a sociedade civil, estado e comunidade, a Pró-Saúde participou de forma associativa de instituições que advogam pela construção e exercício de políticas públicas relacionadas à saúde, educação e assistência social. Essas participações partiram do princípio do Advocacy, sendo uma prática que utilizou ferramentas de mobilização social a fim de defender causas de interesse público. A busca pela melhoria dos serviços públicos implicou na persistência pela igualdade e garantia de direitos. Por isso, nos últimos anos, a Pró-Saúde integrou o rol de entidades que contribuem com as seguintes associações:
  1. Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (FONIF) ― associação atua na garantia dos direitos e interesses das instituições filantrópicas;
  2. Confederação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos (CMB) ― instituição que promove e participa de iniciativas que buscam a qualidade da assistência de entidades que se propõem a prestar, visando sempre o bem-estar da sociedade;
  3. Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo (FEHOSP) ― atua com foco no aprimoramento da gestão hospitalar, bem como junto aos diversos órgãos públicos e instituições privadas que compõem o ambiente da saúde hospitalar.
A participação nessas associações durante a pandemia forneceu à Pró-Saúde amplo entendimento das pautas e projetos de interesse público, baseado na visão oficial do Estado. Um exemplo bem-sucedido dessa atuação foi a CMB que, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), arrecadou R$ 70.670.312,00, por meio de um financiamento coletivo que será destinado a hospitais filantrópicos que atuam na linha de frente do Sistema Único de Saúde (SUS).
Reconhecimento de sua atuaçãoDurante o ano de 2020, a Pró-Saúde manteve e/ou conquistou os seguintes reconhecimentos, importantes para a prática de sua atuação.
  • Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social ― Processo 267.573/68
  • Utilidade Pública Estadual de Minas Gerais ― Lei 5.014/68
  • Utilidade Pública Estadual do Maranhão ― Lei 8.233/05
  • Utilidade Pública Municipal João Monlevade ― Lei 123/67
  • Utilidade Pública Municipal Marabá ― Lei 70/07
  • Utilidade Pública Municipal de Altamira ― Lei 2.006/08
  • Utilidade Pública Municipal Guajará Mirim ― Lei 1.507/11
  • Utilidade Pública Municipal de São Paulo ― Lei 56.448/15
  • Utilidade Pública Municipal de Salvador ― Lei 131/17
  • Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Paulo ― Registro 07.66/98
  • Cadastro Estadual das Entidades (CEE) ― Decreto 57.501/11
  • Credenciamento Educacional São Paulo, Secretaria Municipal de Educação (SME) ― 690/11; Secretaria Municipal de Planejamento Orçamento e Gestão (CENTS) ― Decreto 52.830/11
  • Certificada pelo Centro de Voluntariado de São Paulo como entidade que acredita no trabalho voluntário

Certificações em 2020

  • Hospital Regional do Baixo Amazonas ― Certificado Green Kitchen
  • Hospital Público Estadual Galileu ― Cerificado Green Kitchen
  • Hospital Público Estadual Galileu ― Certificado 3M de Boas Práticas em Fixação Segura e Lesão de Pele
  • Hospital Oncológico Infantil Octavio Lobo ― Reconhecimento pela participação na Campanha Global Desafio 2020 ― Saúde pelo Clima, campanha internacional coordenada pela Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis
  • Hospital Oncológico Infantil Octavio Lobo ― Renovação Selo Green Kitchen
  • Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo ― Prêmio Onco Ensino de Educação em Saúde
  • Hospital Estadual de Urgência e Emergência ― Menção honrosa pela participação nos desafios do Clima e Resíduos da Rede dos Hospitais Verde e Saudáveis
  • Hospital Estadual de Urgência e Emergência ― Indicação ao Prêmio Líder do ano, Categoria Hospitais Públicos, diretor Hospitalar Paulo Czrnhak
  • Hospital Estadual de Urgência e Emergência ― Menção honrosa pela participação nos desafios do Clima e Resíduos da Rede dos Hospitais Verde e Saudáveis
  • Hospital Estadual de Urgência e Emergência ― Selo GRI-G4, Material Disclosures

Acreditações

O padrão de qualidade assistencial e operacional das unidades gerenciadas pela Pró-Saúde é reconhecido pelas certificações nacionais e internacionais. No Brasil, a mais importante entidade certificadora é a Organização Nacional de Acreditação (ONA), entidade sem-fins lucrativos responsável pelo desenvolvimento e gestão dos padrões brasileiros de qualidade e segurança em saúde. A ONA é membro da International Society for Quality in Health Care (ISQua), e atua ao lado de instituições que promovem a qualidade da saúde em países como Estados Unidos, Reino Unido, França e Canadá. A acreditação de hospitais é de caráter voluntário e confidencial, sendo também periódico para todas as modalidades de avaliação. Baseia-se em padrões fundamentados nos conceitos de segurança, gestão integrada e de excelência, que abrangem diversos aspectos das organizações relacionados às suas características de estrutura, processo e resultado. Em 2020, a Pró-Saúde conquistou para as unidades gerenciadas as seguintes certificações da ONA:
  • Hospital Regional do Baixo Amazonas do Pará, Santarém (PA) ― Manutenção da certificação Acreditado com Excelência.
  • Hospital Memorial Arthur Ramos, Maceió (AL) — Manutenção da certificação Acreditado Pleno.
  • Hospital Regional Público da Transamazônica, Altamira (PA) — Manutenção da certificação Acreditado com Excelência.
  • Hospital Estadual de Urgência e Emergência, Vitória (ES) — Manutenção da certificação Acreditado Pleno.
  • Hospital Público Estadual Galileu, Belém (PA) — Manutenção da certificação Acreditado com Excelência.
  • Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, Belém (PA) — Manutenção da Certificação Acreditado com Excelência.
  • Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, Ananindeua (PA) — Manutenção da certificação Acreditado.
  • Hospital Yutaka Takeda, Parauapebas (PA) — Manutenção da certificação Acreditado com Excelência.
  • Gestão Ambiental na administração da assistência à saúde, social e educacional da Pró-Saúde para os processos Administrativo e Financeiro, Operações e de Filantropia na sede administrativa — Acreditada pelo NBR ISO 14001:15, em 31 de agosto de 2020.

Governança corporativa

Em 2020, o comitê de Governança Corporativa deu continuidade à realização de suas atividades, aprimorando sua conduta interna de atuação.

Em razão da pandemia da Covid-19, foi necessário rever o plano de ação, priorizando as atividades que atendiam às diretrizes referentes ao distanciamento social.

Com o amadurecimento do Sistema de Gestão, o Comitê de Governança Corporativa deu prioridade à revisão das Políticas, Manuais e Regimento Interno de Comitês, o que proporcionou a continuidade ao processo de melhoria contínua da Pró-Saúde.

Com a publicização dos documentos institucionais em plataforma digital, fora necessário revisitar todo material de capacitação e aderência, o qual será divulgado a todos os colaboradores e prestadores de serviços da entidade.

Em continuidade ao plano de ação previsto em 2020, destacam-se as seguintes atividades programadas para 2021:

  • Lançamento do Pró-Educa, com videoaulas, testes e emissão de certificados de participação;
  • Monitoramento, por meio de auditorias internas, das aderências;
  • Treinamentos e avaliações permanentes sobre o entendimento dos colaboradores acerca das regras definidas no Código de Ética e de Conduta;
  • Monitoramento da aderência dos documentos do Sistema de Gestão.

No âmbito da Governança Corporativa, a missão da área de Operações da Pró-Saúde é “assegurar a implementação e manutenção do modelo de gestão corporativo de forma integrada e colaborativa, mediante constante monitoramento, suporte e avaliação de desempenho das unidades de saúde, em prol da excelência e sustentabilidade institucional”.

Este modelo de gestão é a diretriz institucional seguida por meio da governança corporativa, políticas institucionais, código de ética e conduta.

Garantir o exercício dessa missão foi um grande desafio diante da pandemia da Covid-19.

A partir desse cenário, a área de Operações instituiu um trabalho de gestão por performance das unidades mediante análise de indicadores chaves fundamentadas em uma visão estratégica da gestão, alinhados à identidade organizacional da instituição.

A gestão por performance foi um grande ganho pois, a partir dessa rotina, pode-se medir e melhorar os resultados e desenvolver melhorias capazes de operacionalizar as rotinas das unidades.

**Tabela 01** – Índice Geral de Desempenho da Avaliação Operacional Vide gráfico em Excel

O fluxo de trabalho frente à essa nova rotina começou a partir de reunião de follow-ups da área de Operações junto às unidades, com foco preventivo da análise dos resultados econômicos, operacionais, metas estratégicas, gestão do contrato, de pessoas, qualidade, suprimentos e assistência.

A performance das unidades foi apresentada e discutida em reunião de análise com todos os diretores hospitalares e gerentes operacionais junto à Diretoria Corporativa de Operações, baseando-se na metodologia de análise crítica com foco em melhoria contínua.

Em 2020 foram abertas cerca de 60 ações por meio das reuniões de análise de resultados. Também foram criados 12 books de indicadores (um para cada mês respectivamente) da Diretoria Corporativa de Operações com uma estrutura de 34 indicadores.

Os indicadores selecionados para o book são estratégicos que mensuram principalmente os processos realizados que direcionam resultados com foco no que se é preciso melhorar. Alguns dos principais indicadores são percentuais de:

  • Desempenho Global dos Diretores Operacionais;
  • Satisfação do Usuário;
  • Índice Geral de Unidades com Risco Operacional Aceitável/Moderado.

Outro grande avanço foi o desenvolvimento de interface com a tecnologia da informação que, por meio de um projeto de automação dos indicadores de operações, permitiu à ferramenta subsidiar 15 resultados de indicadores, otimizando em 44% o processo de levantamento de impostação de dados.

**Indicadores de Processos**

Gestão de Operações junto às unidades assessoradas


A atuação nos hospitais assessorados ocorre em função das grandes dificuldades encontradas por essas unidades, em sua grande maioria privadas que possuem atendimento público.

Nesse contexto, a contratação da assessoria da Pró-Saúde é fruto da sua comprovada expertise em gestão hospitalar.

Durante o exercício 2020, os hospitais assessorados atenderam pacientes com Covid-19, principalmente em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). Essa ação foi um complemento assistencial aos hospitais públicos das diversas cidades brasileiras. Contudo, essa não foi a ação principal nem a mais relevante nesse segmento hospitalar.

As principais ações desenvolvidas nesse segmento foram:

  • Criação um canal de negociação aberto com as prefeituras, governos estaduais e federal, buscando inseri-los no contexto da Covid-19, como um complemento a sua fonte de financiamento principal;
  • Maximização dos recursos administrativos e assistências de cada projeto, eliminando os desperdícios e potencializando os resultados operacionais.

Em síntese o trabalho nos assessorados buscou introduzi-los nas melhores práticas do mercado privado.

Em 2020, a Pró-Saúde geriu 11 contratos de assessoria nas mais diversas localidades do país, a tabela abaixo demonstra o cenário:

**Imagem 2: CENÁRIO ASSESSORADAS**

Controladoria


A Controladoria atua como departamento estratégico da diretoria-geral, por meio da consolidação de informações gerais da organização, principalmente em tempos em que o planejamento e a gestão são primordiais, a fim de assegurar que as informações estejam corretas e estruturadas, para que a tomada de decisão produza os resultados desejados.

As empresas brasileiras sofreram um grande revés a partir da metade do mês de março de 2020 com a pandemia da Covid-19. Contudo, este cenário tornou ainda mais evidente que a falta de informações estruturadas e consistentes afetam diretamente a sobrevivência no mundo corporativo.

Nesta crise, a Controladoria agiu de forma proativa e atuou estrategicamente no desenvolvimento e aperfeiçoamento das atividades já exercidas (unidades de saúde, educacionais e sociais):

  • Controle de indicadores das metas contratuais e plano trabalho;
  • Avaliação operacional assistencial e econômica;
  • Gerenciamento de custos;
  • Gerenciamentos de riscos;
  • Orçamento anual (budget);
  • Planejamento estratégico;
  • Veracidade da prestação de contas;
  • Estudo de viabilidade financeira de novos projetos;
  • Relatórios Gerenciais e BI (business intelligence).

A partir da adoção, por parte dos governos, de medidas para proteção da economia por meio de medidas provisórias, com o objetivo de nortear os empresários e os trabalhadores do que poderia ser feito emergencialmente, a Controladoria trabalhou diante de suspensões e retomadas de prazos, além de outras mudanças em curso.

Também adotou práticas de controle que vão desde a leitura de publicações, padronização e parametrização de procedimentos até a coleta e análise de dados relevantes para tomada de decisão. Essas ações tornaram-se imprescindíveis para gerir os riscos causados por uma pandemia como a Covid-19, auxiliando neste cenário atípico.

É certo que a Controladoria se baseia no processo de controle, por meio de padrões de qualidade previamente estabelecidos e focados no planejamento e orçamento traçados pela organização.

Desse modo, busca contribuir com o progresso organizacional, possibilitando o equilíbrio da organização diante das dificuldades externas e internas existentes em seu ambiente operacional.

Nesse sentido, em 2020 houve a implantação do dashboard da Análise Tática disponível no BI (business intelligence), que tem por objetivo normatizar a avaliação periódica da condição financeira projetada para o término do principal contrato das unidades, por meio de um conjunto de regras e construção dos cenários atual, realista e pessimista.

Também em 2020 foram incluídas as unidades assessoradas no dashboard da Avaliação Operacional, disponível no BI, que também passaram a ser avaliadas em relação ao resultado econômico, receitas operacionais, pagamento do CDI (Custos e Despesas Indiretas), prestação de contas, metas estratégicas e obrigações contratuais, possibilitando a análise contínua dos resultados e tendências de todas as unidades gerenciadas, próprias e assessoradas pela Pró-Saúde.

Além disso, em 2020, foi iniciado o processo de gestão de custos assistenciais, em conjunto com a Diretoria Corporativa Médica, cujo objetivo foi verificar, de acordo com o perfil epidemiológico de cada unidade, a adequação e a conformidade entre os gastos incorridos e o atendimento dispensado, sempre com o intuito de dirimir desperdícios, trabalhando nos pilares do acesso e da efetividade da assistência, sem prejudicar a qualidade.

Em 2021, a Pró-Saúde projetou sequência do desenvolvimento contínuo de processos capazes de aprimorar o controle e o levantamento das informações para a tomada de decisões estratégicas pela Alta Direção.

Por fim, não só a Controladoria, mas a sinergia entre os processos, pessoas e sistemas forneceram as condições adequadas para que todos pudessem entender que são partes importantes na gestão.

Tecnologia da informação


No ano de 2020, o departamento de Tecnologia da Informação deu continuidade na realização dos projetos prioritários da instituição, seguindo a metodologia estabelecida no último ano, alinhada com as melhores práticas do mercado e com a cultura organizacional da Pró-Saúde.

Com o amadurecimento desta metodologia, foi possível concluir 89 projetos no ano de 2020. Também foi realizado o primeiro ciclo de melhoria referente a utilização da metodologia utilizada, revisando a forma de definir as prioridades com cada gestor corporativo. Atualmente, a entidade possui 106 projetos em seu portfólio para desenvolvimento.

Neste amadurecimento da metodologia e ciclo de melhoria, foram abordadas diversas mudanças na rotina e método de trabalho, readequadas devido ao período de pandemia, em que diversos controles foram alterados — o teletrabalho implementado e todos os meios de acompanhamento forma feitos de forma remota.

Porém, mesmo alterando todos os itens, a entidade alcançou um resultado de 18% de crescimento em relação ao mesmo período de 2019, no que se refere aos atendimentos finalizados pela equipe de TI, além dos projetos finalizados acima da meta estabelecida.

Dentre os principais projetos concluídos estão:

BI, dashboard Jurídico — Dashboard contendo todas as informações dos processos jurídicos cadastrados, criando uma visão para gerência e diretoria para tomada de decisão.

Controle de Veículos, Frotas — Módulo para controle de veículos que permite o agendamento das viagens dos motoristas, com checklist de saída e de retorno. Nesse checklist, são verificados vários itens de segurança do veículo em que, dependendo do resultado, a viagem pode ser aprovada ou não. O checklist também permitiu o controle de manutenções preventivas e corretivas, com geração automática dos itens, dependendo da situação do carro selecionado.

Informatização de controle de voluntariado — Módulo para o controle de voluntariado em todas as unidades. O controle inicialmente era feito em Excel. Foram desenvolvidas as telas de cadastro e informações do voluntariado, para posteriormente a criação de uma dashboard com as informações que são enviadas mensalmente para a Sede Administrativa.

Dashboard de Receitas e Despesas — Balancete da empresa dentro do BI, demonstrando todas as notas que compõem cada lançamento contábil. Esse dashboard demonstrou os valores contábeis das contas sintéticas, analíticas de receitas e despesas, detalhando por cliente/fornecedor, centro de custo e cada nota que gerou o lançamento contábil. O objetivo foi permitir que seja visualizado, de forma prática e automatizada, a situação contábil da instituição, podendo ser visualizada, em detalhe, todos os itens que compõem as receitas e despesas.

Dashboard Impostos Fiscais — Conciliação entre Financeiro e Contábil dos valores de títulos de Impostos em Aberto, demonstrando os valores de impostos em aberto, o valor de juros e multa, caso título atrasado e confrontar esses valores com o saldo contábil da conta atrelada a natureza financeira.

Fluxo de Caixa Projetado — Dashboard disponibiliza visões do Fluxo de Caixa, comparativo entre períodos, evolução mensal, evolução do saldo em caixa, entrada e saídas acumuladas. Também disponibiliza a estimativa por meio de uma fórmula de projeção, os valores para os meses futuros. Apoia o Planejamento Financeiro da instituição, permitindo que seja acompanhado ao longo dos meses a efetividade e o cumprimento do orçamento financeiro.

Indicadores Operações, Evolução Diretorias Operacionais — Apresentação de resultados de desempenho dos Diretores Operacionais com base nas unidades de sua responsabilidade na Matriz de Risco, Avaliação Operacional e Desempenho Global. Esta solução permite que seja compreendida a evolução de cada diretor e o comparativo entre eles. Também permitiu o entendimento amplo dos fatores que podem beneficiar ou dificultar o resultado de cada diretor, além da compreensão dos indicadores que apresentaram bons resultados e os pontos de melhoria. Outro benefício foi a integração criada entre os sistemas, levando o resultado de cada diretor para o sistema de gestão estratégica, possibilitando a criação de todas as análises críticas dos resultados apresentados, inclusive vinculando planos de ação para correção de algum item se for o caso.

Indicadores — Sede Administrativa:


Ocorrências:

Pesquisa de satisfação:

Em 2020, o departamento de Tecnologia da Informação da Sede Administrava recebeu média de 121 respostas mensais, gerando os seguintes resultados:

Captação de recursos


Se 2019 marcou o início da área de Captação de Recursos para a Pró-Saúde, 2020 foi um ano de muitos desafios. Praticamente todo o plano de trabalho foi atualizado, considerando o cenário e as implicações decorrentes da pandemia da Covid-19.

Muitos editais relativos a projetos de 2019 — tanto na esfera pública quanto na privada —, cujas verbas cobririam substancialmente as demandas das unidades de saúde e que teriam resultados divulgados ao longo de 2020, foram adiados ou cancelados e substituídos por editais voltados especificamente para o combate ao coronavírus.

É o caso dos projetos para compra de equipamentos para a maternidade do Hospital Bom Pastor, em Guajará Mirim(RO), além dos projetos “Troco do Bem” e arrecadação de notas fiscais estaduais, considerados prioritários para a estratégia projetada para 2020, que serão iniciados somente em 2021.

No entanto, o empenho da equipe em buscar alternativas de doações no mercado. Com isso, respiradores, bombas de infusão, monitores cardíacos, luvas descartáveis, essenciais ao atendimento diário nos hospitais, foram captados e entregues.

Embora o escopo das captações tenha se modificado em relação ao planejamento de 2019, as ações de trabalho se fortaleceram e se ampliaram.

Novas parcerias foram formadas e a meta financeira foi alcançada. Recursos captados em ações de 2019 foram incorporados ao caixa das unidades ao longo primeiro semestre e outros ainda são aguardados, pois existe grande atraso, além de verbas quem foram remanejadas em atenção à pandemia.

Este é o caso da emenda parlamentar captada para o Hospital São Luiz, em Cáceres, e que aguarda liberação do Governo do Estado do Mato Grosso.

Entre janeiro e março, a Pró-Saúde atuou na elaboração de projetos e na realização de contatos diretos com o setor privado, com o propósito de solidificar o apoio aos Hospital São Luiz, Hospital Bom Pastor e unidades de Educação gerenciadas pela entidade na capital paulista.

Com a chegada da pandemia, foi realizado um levantamento das demandas das unidades, para o atendimento específico de EPIs (Equipamentos de Proteção Permanentes), equipamentos e outras necessidades. O objetivo foi contribuir na ampliação do número de atendimentos e promover maior segurança das equipes da linha de frente.

Neste sentido, o Hospital São Luis e Hospital Bom Pastor receberam novos monitores, oxímetros e respiradores, além de aventais, máscaras e outros insumos importantíssimos para o trabalho dos profissionais da área da saúde. Também foram feitos esforços para a captação de álcool em gel e cestas básicas, além de itens relevantes para higienização e alimentação de centenas de famílias.

A área de Captação de Recursos da Pró-Saúde também atuou na ação do Dia do Pobre, em parceria com a Pastoral da Saúde, que distribuiu kits de higiene e lanches para centenas de moradores de rua e, também, nas campanhas realizadas pela área de Filantropia, que resultaram na entrega de 300 presentes para as crianças das unidades escolares, além de sorvetes e salgadinhos.

Para 2021, a prioridade é trabalhar fortalecendo as ações de captação de insumos e equipamentos para atuação contra o Covid-19, sem, no entanto, deixar de avançar nas parcerias diretas, com o Instituto Votorantim, Fundação Banco do Brasil, Bacio Di Latti, Nazca Cosméticos, entre outras instituições, bem como na proposição de projetos com a iniciativa privada e pública, para troca de equipamentos em estado de obsolescência, fortalecimento do parque tecnológico e ampliação das equipes médicas dos hospitais, além de trabalhar em ações voltadas às crianças das unidades escolares sob responsabilidade da Pró-Saúde.

Política e Estrutura

Em 2020, a área da Captação de Recursos estruturou sua estruturação política institucional. Trata-se de documento elaborado com a colaboração de muitas áreas, que irá nortear a captação na Sede Administrativa e unidades administradas.

Os documentos foram revisados e aprimorados, visando dar mais agilidade às fases do processo de captação até a entrada da doação e prestação de contas.

Abaixo, os quatro pilares da responsabilidade da área, em conformidade com as diretrizes institucionais:

  • Criar, definir e implementar as estratégias de captação de recursos para a mantenedora e suas unidades, respeitando a especificidade de cada uma;
  • Planejar e estabelecer prioridades, desenvolver ferramentas para o diagnóstico e demandas das unidades e formas de mapeamento das oportunidades de captação nas regiões em que estão estabelecidas;
  • Estabelecer fluxo de relacionamento e parceria com as unidades e gerências corporativas, promovendo maior suporte e assertividade aos projetos implementados;
  • Apresentar metodologia e fontes de captação viáveis do ponto de vista legal e alinhado a Política de Integridade e ao Código de Ética e de Conduta.

Resultados da captação de recursos


Número de Projetos Aplicados em 2020:
33

Volume de Recursos Captados: R$ 1.679.792,99

Total de insumos:

 Hospital Bom PastorHospital São LuizUnidades
Máscara N95200200 
Luvas3.1003.100 
Face shield900900 
Avental TNT3.6003.6001.600
Avental impermeável100100 
Álcool gel285.000L285.000L 
Macacão impermeável  1.200

 

Total de equipamentos:

 Hospital Bom PastorHospital São Luiz
Ventilador pulmonar22
Monitor multiparâmetro22
Aspirador de secreção1 
Oxímetro digital43
Carrinho de anestesia1 
Bisturi elétrico1 
Bombas de infusão21

 

Campanhas 2020:

 Dia das CriançasDia dos PobresNatal
Chocolates13.500  
Sorvetes  180L
Salgadinhos  2.400
Lanches 300 
Escovas de dentes 580 
Sabonetes 300 
Creme dental 300 
Presentes diversos  300

 

Estratégias 2021

A estratégia é ampliar os esforços na captação de verbas das empresas e instituições privadas, onde se concentra a maior parte do capital de repasse no Terceiro Setor. Porém, pensando na visibilidade e fortalecimento da marca, estão previstos projetos direcionados à captação com pessoas físicas, como no caso do Troco do Bem e Programas de Notas Fiscais Estaduais, previstos, porém não executados em 2020. Também há a possibilidade de instalação de um call center, que será encarregado de realizar o contato com doadores pré-cadastrados nas unidades gerenciadas da Pró-Saúde.

A área de Captação de Recursos também intensificará a busca por parcerias com o poder público, a fim de incrementar o parque tecnológico dos hospitais e substituir equipamentos em estado de obsolescência. A meta é diversificar os pedidos de apoio das bancadas, deputados e senadores, tanto no âmbito estadual, quanto federal.

Linha do tempo

 AtividadeFavorecidoAplicação
JaneiroElaboração de relatório da área sobre atividades de 2019Equipe de captação de recursosRelatório Institucional da Pró-Saúde
 Aplicação de Projeto em Edital de OSCIPCEI LageadoMontagem do lactário
 Aplicação de Projeto em Edital PúblicoHospital Bom PastorAquisição de equipamentos hospitalares
FevereiroAplicação de Projeto em Edital PúblicoHospital São LuizAquisição de equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital de OSCIPCECANAquisição de cestas básicas
 Aplicação de Projeto em Edital de OSCIPHospitais São Luiz e Bom Pastoraquisição de cestas básicas
MarçoAplicação de Projeto em Edital de fundo privadoHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital de Fundo OSCIPHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos e equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital PúblicoHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos e equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital de fundo privadoHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos e equipamentos hospitalares
AbrilAplicação de Projeto em Edital de fundo privadoCECANAquisição de equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital de Fundo OSCIPHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos de combate à Covid-19
MaioAplicação de Projeto em Edital de fundo privadoHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos e equipamentos hospitalares
 Aplicação de Projeto em Edital de fundo privadoUnidades de ensinoAquisição de cestas básicas
 Aplicação de Projeto em Edital de Fundo OSCIPHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de insumos de combate à Covid-19
 Aplicação de Projeto em Edital de OSCIPHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de face shields
JunhoAssinatura de Termo de Parceria associação FraternaHospitais São Luiz e Bom PastorAquisição de face shields
 Assinatura de termo de parceria com o Fundo Todos pela SaúdeHospital Bom PastorAquisição de insumos e equipamentos hospitalares
JulhoAplicação de Projeto em Edital InternacionalHospital Bom PastorImplantação de UCIs Neonatal e Pediátrica
 Execução de campanha de arrecadação onlineUnidades de ensinoAquisição de agasalhos para as crianças
AgostoAssinatura de Termo de Parceria com o Instituto VotorantimHospitais São Luiz e Bom PastorEquipamentos e insumos de combate à Covid-19
SetembroAssinatura de Termo de Parceria com o Fundo Emergencial para a SaúdeHospitais São Luiz e Bom PastorEquipamentos e insumos de combate à Covid-19
 Elaboração da Política Institucional da áreaEquipe de Captação de RecursosPolítica Institucional da Pró-Saúde
OutubroExecução de campanha de arrecadação onlineUnidades de ensinoAquisição de livros para o Dia das Crianças
 Aplicação de Projeto em Edital de Fundo OSCIPHospital São LuizAquisição de equipamentos hospitalares
 Arrecadação direta com empresaPastoral da Saúde da Pró-SaúdeLanches e kits de higiene para o Dia dos Pobres
NovembroElaboração do Mapa de RiscosEquipe de Captação de RecursosPolítica Institucional da Pró-Saúde
 Arrecadação direta com empresaPastoral da Saúde da Pró-SaúdeLanches e kits de higiene para o Dia dos Pobres
DezembroElaboração da Política LGPDEquipe de Captação de RecursosPolítica Institucional da Pró-Saúde
 Execução de campanha de arrecadação onlineUnidades de ensinoAquisição de brinquedos para a Campanha de Natal

Princípios e condutas

Durante o ano de 2020, houve um fortalecimento dos processos relacionados ao Programa de Integridade da Pró-Saúde, com foco na conscientização e apuração dos registros recebidos por meio do Canal de Denúncia, de forma rápida e eficaz, com a aplicação e monitoramento dos planos de ação.

Diante do cenário da pandemia, algumas adaptações foram necessárias. Anteriormente, as denúncias que demandavam entrevistas necessitavam de idas de colaboradores da Integridade até as unidades.

Dessa forma, o processo passou a realizar as entrevistas exclusivamente por vídeo chamadas, o que trouxe uma otimização e rapidez no desfecho das apurações. Essa foi a forma exclusiva de apuração a fim de diminuir os riscos de contaminação pelos colaboradores da Sede Administrativa nessas viagens, além de evitar impactos à rotina da assistência, uma vez que houve aumento da demanda.

Este processo será mantido em um cenário não pandêmico, com o intuito de diminuir custo com viagens até as unidades.

Houve uma interação maior com as unidades hospitalares para obtenção de subsídios e auxílio nas investigações das ocorrências registradas no Canal de Denúncia, devido ao aumento de registros diante do cenário de pandemia.

Em 2019, foram 66 denúncias recebidas. Já em 2020, foram 299, das quais 65% já se encontram finalizadas.

Com relação aos materiais com viés educativo e de treinamentos, houve o fortalecimento das “Pílulas de Integridade” ― informativo semanal enviado às unidades gerenciadas e Sede Administrativa. Foram 56 publicações durante o ano, com conteúdo orientativo de Integridade.

Em 2020, foi adotada estratégia de interação de processos, envolvendo diversas áreas de negócio para sugestão e contribuição com os materiais.

A área de Integridade também utilizou de outros canais de informação da instituição como, por exemplo, a divulgação de um vídeo que destacou o papel da área e suas principais ferramentas.

A área de Integridade também elaborou um treinamento voltado aos parceiros de negócios, cujas agendas serão implementadas no primeiro semestre de 2021. Os treinamentos poderão ser realizados por vídeo chamada ou por meio de reuniões presenciais, a depender da evolução do cenário da pandemia.

O intuito da criação desse tipo de treinamento é levar conhecimento sobre as boas práticas da entidade e fortalecer os valores institucionais para os parceiros de negócios.

Houve a revisão dos conteúdos da plataforma de ensino à distância da Pró-Saúde, focados no Código de Ética e de Conduta, Canal de Denúncia e a Cartilha sobre Assédio Moral e Sexual.

A pandemia, contudo, aditou a divulgação e revisão do material, que será realizado em 2021.

Em 2021, também será dada continuidade a essa vertente do Programa de Integridade, com o intuito de promover novos treinamentos aos colaboradores e terceiros, como forma de disseminação de uma cultura ética, íntegra e transparente.

Haverá a disseminação de materiais nas unidades para a conscientização quanto à utilização correta do Canal de Denúncia e para melhoria dos processos internos. Outra ação programada é a realização de um ciclo básico de treinamento com os diretores e coordenadores das unidades hospitalares focado em confidencialidade das investigações do Canal de Denúncia.

A Pró-Saúde dará início aos procedimentos de Due Diligence de Integridade (DDI) em 2021, com foco nos fornecedores com maior grau de criticidade, conforme matriz de riscos (Programa Conheça seu Fornecedor).

Estes procedimentos, inicialmente previstos para 2020, tiveram um atraso em seu cronograma, atribuído ao cenário de pandemia.

Em 2020, houve a implementação apenas das Due Diligence de Integridade relativas às doações, apoios e patrocínios e ainda por demanda das áreas de negócio.

Sequencialmente, serão iniciados os programas “Conheça seu Colaborador” e “Conheça seu Parceiro de Negócios”.

As doações e patrocínios (financeiros e em espécie) no período da pandemia, continuaram seguindo as regras estabelecidas no Código de Conduta e Ética. Como forma de obter maior controle e transparência, houve a realização de Due Diligence de Integridade dos doadores.

Indicadores

Denúncias registradas no canal (comparativo dos meses entre setembro e dezembro de 2019 e 2020):

Meio de registro das denúncias

*Classificação “Outros”: denúncias que são feitas presencialmente à área de integridade e por e-mail da Superintendência.

 

Pílulas de Integridade enviadas:

20192020
1450

 

Jurídico


Adequação dos Contratos de Trabalho às Melhores Práticas Organizacionais.

Em 2020, a Diretoria Corporativa Jurídica realizou a adequação dos contratos de trabalho de nossos colaboradores ao Regimento Interno da Pró-Saúde e à Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709), visando a promoção de uma rotina de trabalho mais fluída, organizada e harmoniosa no ambiente coletivo.

Controle de Demandas Consultivas Relacionadas à Área Trabalhista

O ano de 2020 foi especialmente importante para a Diretoria Corporativa Jurídica. Foi concretizado grandes avanços na implantação de ferramentas, via sistema OTRS (Open-source Ticket Request System), que possibilitaram o mapeamento de riscos, a atuação preventiva e a promoção de melhorias na assessoria jurídica trabalhista a todas as unidades administradas.

Lei Geral de Proteção de Dados

Com o propósito de manter a confidencialidade das informações que manejadas constantemente, no relacionamento com os clientes, usuários, fornecedores, prestadores de serviços, colaboradores, bem como todos os envolvidos em nossas operações diárias, foram adequados os instrumentos contratuais e documentação correlata, implementando as disposições trazidas pela Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709), que entrou em vigor no ano e 2020.

Evolução do Sistema Informatizado de Contratos

Com a implementação do sistema informatizado na gestão dos contratos da entidade e com o advento pandêmico vivido em 2020, que exigiu medidas de isolamento social, foram viabilizadas a assinatura digital/eletrônica dos contratos que, até o início da pandemia, era realizada unicamente no formato físico. Desta forma, foi possível atribuir maior agilidade no processo de formalização dos contratos, promovendo mais eficácia na gestão contratual, reduzindo expressivamente as despesas com a impressão de vias físicas, além de contribuir com a sustentabilidade ambiental.

Utilização do Business Intelligence (BI)

O Departamento Jurídico implementou a utilização do BI, a partir de uma estratégia que permitiu alavancar sistemas de controle de informações, capazes de transformar dados em insights relevantes, medidas mitigatórias de riscos e ações preventivas.

Inovação

Em conjunto com a área de Integridade, a Diretoria Corporativa Jurídica elaborou e disponibilizou para todos os colaboradores a Cartilha de Boas Práticas Sobre Assédio Moral e Sexual no Trabalho, que tem o objetivo de conscientizar e de evitar a prática de assédio, bem como oferecer orientações diante de situações em que eventualmente venham a ocorrer, por meio de um material educativo, que reúne informações sobre o tema, reforçando pontos do Regulamento Interno e do Código de Ética e de Conduta da Entidade.

A Diretoria Corporativa Jurídica também disponibilizou aos gestores uma cartilha com orientações e diretrizes para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. Baseada em decretos e legislação vigente, o material ofereceu as informações necessárias para nortear o relacionamento da instituição com os colaboradores, em um momento de pandemia mundial.

Boas práticas na cadeia de suprimentos


O ano de 2020 foi marcado pela necessidade de rápida adaptação do setor de Suprimentos da entidade, assim como sua capacidade de manter os hospitais administrados abastecidos durante um dos períodos mais complexos da história, com a escassez mundial de produtos hospitalares críticos para proteção individual e de suporte à vida do paciente.

Os números demonstraram a alta capacidade de gestão e ação das lideranças de Suprimentos dos hospitais administrados pela Pró-Saúde, que minimizaram os prejuízos causados pela escassez de produtos essenciais como máscaras, luvas, aventais e medicamentos anestésicos e neuro-bloqueadores musculares.

Segundo pesquisa encomendada pela Pró-Saúde ao instituto Datafolha, a qualidade do trabalho do setor de Suprimentos, foi aprovada, em média, por cerca de 88% dos entrevistados, que atribuíram notas 9 e 10, considerando uma escala de 0 a 10, pelos usuários dos serviços realizados pela Pró-Saúde nos hospitais gerenciados.


Figura 1 – Resultados Datafolha de Suprimentos

Adaptação ao cenário da pandemia

O cenário da pandemia obrigou rápida adaptação aos desafios de aquisição de produtos com preços oscilantes e escassez. Neste sentido, a Pró-Saúde adotou processos diários para mapeamento de disponibilidade de insumos nos estoques de hospitais administrados junto ao mercado de fornecedores, que permitiram aquisições ágeis sem deixar de atender suas robustas normas de integridade, uma premissa na entidade.

Outra ação de planejamento foi uma intensa ação de negociação de manutenção do abastecimento junto aos fornecedores estratégicos, por meio de entregas parciais programadas, em virtude da elevação considerável da procura de produtos críticos no mercado e das oscilações consideráveis nos preços reflexos das variações cambiais.

Figura 2 – Variação de Preços versus Variação Cambial

Centralização de Compras e Contratações

Atendendo a um dos objetivos estabelecidos em sua política, a área de Suprimentos alcançou resultado significativo de compras centralizadas. Em 2020, cerca de 97% das aquisições de produtos médico-hospitalares e imobilizados, foram realizadas de forma corporativa por sua Central de Compras, atingindo seu melhor resultado desde sua implantação — uma melhora de 5% em relação a 2019, e de 45% em relação a 2018, demonstrando a evolução dos objetivos.

Figura 3 – Evolução da Taxa de Centralização de Compras


Por meio das melhorias nos processos de análises críticas, forma realizadas reuniões por videoconferência com as lideranças de Suprimentos dos hospitais, que permitiu a melhoria contínua da programação de compras. Assim, foi possível alcançar o melhor resultado do indicador desde a implantação do setor.

Metas para 2021

Operação da Plataforma de Planejamento e Gestão de Estoques

Prevista para ocorrer no primeiro semestre de 2020, a implantação da nova plataforma de Planejamento e Gestão de Estoques da Pró-Saúde teve seu cronograma postergado para 2021, em razão da concentração de todos os recursos da área corporativa de Suprimentos e dos hospitais nas ações emergenciais de combate à Covi-19. O go-live da fase 1 de implantação, está prevista para ocorrer no primeiro trimestre. As fases 2 e 3 estão previstas para serem implementadas ainda no primeiro semestre de 2021.

Sustentabilidade da Cadeia de Suprimentos e Serviços

Outra ação prevista para ser implantada em 2020, teve seu kick-off no final do ano em razão do cenário de pandemia. A ação será focada na melhoria do processo de monitoramento do desempenho operacional e financeiro dos fornecedores da entidade, possibilitando a manutenção da sustentabilidade do mercado e sua cadeia de suprimentos e prestação de serviços.

Assistência à saúde

Diante o cenário da pandemia, todas as unidades de saúde trabalharam fortemente em diversas frentes de atuação. O equilíbrio entre sustentabilidade econômica e efetividade nas operações foi um importante desafio em 2020.

Este foi um contexto repleto de pontos de atenção afluído às diversas unidades gerenciadas pela Pró-Saúde, cada uma com a sua complexidade — localização geográfica, cultura entre outras questões.

Em uma dessas unidades, localizada no Acre, foi necessário reformar o setor de internação para isolar atendimentos aos pacientes indígenas. E houve situações extremas, como a que aconteceu no Hospital de Porto Trombetas, situado em uma pequena vila de Oriximiná, região do oeste paraense, cujo local fora fechado para entradas e saídas de pessoas de março a agosto de 2020.

Desde o início da pandemia, as unidades de saúde apresentaram dificuldades em comum, como o aumento exacerbado dos custos de vários medicamentos, materiais hospitalares e EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), falta de diversos produtos no mercado e o alto índice de absenteísmo.

Neste contexto, o absenteísmo foi 47,93% maior nos dez primeiros meses de 2020, quando comparado a igual período de 2019.

**Gráfico comparativo**

Mas outras dificuldades também foram enfrentadas.

  • Estrutura física inapta para aos protocolos da Covid-19;
  • Desconhecimento total da doença e condutas necessárias;
  • Queda abrupta dos procedimentos eletivos;
  • Ausência de visitas e contatos de familiares;
  • Equipamentos de suporte à vida insuficientes para a demanda;
  • Oferta de leitos clínicos e intensivos para atender a demanda;
  • Não cumprimento de metas contratuais.

Diante desse cenário, a Pró-Saúde realizou seguintes adaptações nas unidades gerenciadas:

  • Adaptação de sala específica para partos de pacientes suspeitos ou confirmados com Covid-19;
  • Adaptação física em UTIs adulto;
  • Revisão dos espaços das unidades de internação, otimizando as atividades e mitigando o risco de contaminação dos colaboradores;
  • Readequação do fluxo de atendimento no ambulatório;
  • Adaptação de ambientes de espera em ambiente aberto;
  • Transferência de equipamentos (respiradores, monitores e bombas de infusão) para outra unidade com atendimento específico para a pandemia.

As soluções propostas

  • A criação de um aplicativo para monitoramento de saúde para atendimento da vila de Porto Trombetas, monitoramento realizado principalmente para a marcação de consultas, considerando a dificuldade geográfica da região;

**Imagem 01** – Aplicativo

  • Intensa capacitação da equipe assistencial frente ao manejo da Covid-19 junto ao controle de infecção;
  • Intensa capacitação da equipe para o uso de EPIs;

**Imagem 02** – Capacitação da equipe referente ao uso de EPIs Fonte: Hospital Regional do Sudeste do Pará

**Imagem 03** – Treinamento sobre medidas de prevenção Fonte: Hospital Regional do Sudeste do Pará

  • Elaboração e readequação das Instruções de Trabalho ligadas à sintomatologia respiratória e precações;
  • Readequação de fluxo de acolhimento de paciente com sintomatologia respiratória desde a triagem, atendimento, internação e alta;

**Imagem 04** – Readequação de Fluxos de Trabalho – Fonte: Hospital Regional do Sudeste do Pará

  • Definições de protocolos para atendimento aos casos de Covid-19 em ambientes isolados;
  • Ações para fortalecimento da higienização das mãos frente à pandemia;
  • Simulados de atendimento ao paciente com suspeita/confirmado de Covid-19;
  • Canal de comunicação diário voltado aos colaboradores, por meio de encontros presenciais com a equipe de psicologia;
  • Instituída a rotina de boletim médico diário entre os usuários e familiares por meio de vídeo chamada;

**Imagem 05** – Boletim Médico – Fonte: Hospital Regional do Sudeste do Pará

**Imagem 06** – Boletim Médico – Fonte: Hospital Regional do Sudeste do Pará

  • Atualizações permanentes de resoluções e normativas técnicas;
  • Criação de Comitê de Covid-19 nas unidades de saúde. Com a formação de equipe de colaboradores tecnicamente preparados, o comitê serviu de apoio ao acompanhamento, tomada de decisão e operacionalização com foco no enfrentamento à pandemia;
  • Monitoramento dos colaboradores com síndrome gripais, com a medicina do trabalho;
  • Demarcação em espaços físicos nas unidades respeitando o distanciamento social;
  • Produção realizada dentro das próprias unidades de máscaras para os colaboradores administrativos e de apoio e de aventais para os profissionais da linha de frente em Pronto-Socorro e unidades de atendimento aos pacientes

**Imagem 07** – COVID HRBA

  • Reorganização das consultas ambulatoriais e procedimentos cirúrgicos eletivos.

Ajustes contratuais

  • Repactuação de serviços e valores bem como ajustes contratuais para unidades públicas;
  • Atendimento à Lei 14.061, de 23/9/2020, que suspendeu a obrigatoriedade da manutenção das metas quantitativas e qualitativas contratualizadas pelos prestadores de serviço de saúde no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde).
  • Mesmo com toda a fase de duras adversidades em 2020, a missão da Pró-Saúde de primar pela excelência assistencial foi mantida e seus valores institucionais na prestação de serviços forma preservados, com destaque para a humanização do atendimento aos pacientes e colaboradores e qualidade assistencial ― esforço reconhecido por 94,41% de usuários satisfeitos com os serviços que receberam.
Governança Clínica

A Governança Clínica da Pró-Saúde foi desenvolvida a partir da criação da Diretoria Médica Corporativa, em 2018. Seus pilares foram desenvolvidos a partir do Modelo de Excelência Assistencial (MEA), que prevê a gestão integrada dos processos assistenciais, de apoio e gerenciais, com foco nos melhores desfechos, em tempo adequado e com custo sustentável.

Com a consolidação do modelo de gestão assistencial, 2020 foi projetado para o início de um processo de melhoria contínua dos resultados assistenciais. Porém, a pandemia da Covid-19 impôs novos desafios sanitários em escala global, sem precedentes.

O insuficiente conhecimento científico sobre o novo coronavírus, sua alta velocidade de disseminação e capacidade de provocar mortes em populações vulneráveis, geraram incertezas sobre quais seriam as estratégias a serem utilizadas para o enfrentamento da epidemia, em diferentes partes do mundo.

No Brasil, os desafios foram maiores, num contexto de grande desigualdade social, com populações vivendo em condições precárias de habitação e saneamento.

Este contexto gerou a necessidade de ajuste de objetivos que passam a ser apresentadas neste relatório sem, no entanto, deixar de direcionar esforços no sentido do atendimento das metas propostas.

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma pandemia é a disseminação mundial de uma nova doença. O termo é utilizado quando uma epidemia (grande surto que afeta uma região), se espalha por diferentes continentes com transmissão sustentada de pessoa para pessoa.

Enfrentamento à Covid-19

Ações de ajuste da assistência

O monitoramento da evolução do novo coronavírus no mundo permitiu à Pró-Saúde antecipar suas ações estratégicas nos hospitais sob sua responsabilidade.

Assim, na segunda quinzena de março, foi dado início à uma série de ações que envolveram, tanto o preparo estrutural das unidades de saúde, quanto a definição de diretrizes assistenciais, capacitações e treinamentos das equipes.

A partir daí, a Diretoria Corporativa Médica começou a apoiar as unidades de saúde para aplicação destas diretrizes. Reuniu-se com diretores Técnicos Assistenciais para compartilhar as diretrizes estratégias diante desta realidade.

Foram criados grupos de trabalho para:

  • Desenvolvimento do plano de contingência
  • Análise de infraestrutura para expansão
  • Análise de acompanhamento de estoques e cadeia de suprimentos (EPIs)
  • Estabelecendo um canal de comunicação direto com a Diretoria Médica Coorporativa

Com os documentos norteadores destas diretrizes e apoio técnico, a Diretoria Corporativa Médica elaborou os seguintes Manuais Técnicos:

  • Diretrizes assistenciais para manejo do novo coronavírus e da Covid-19, com o objetivo de estabelecer sistemática para utilização segura e racional de EPIs (equipamento de proteção individual) aos profissionais de saúde no atendimento dos doentes;
  • Diretrizes para prevenção da Covid-19 na Sede Administrativa, com o objetivo de estabelecer sistemática para evitar contágio e/ou disseminação da doença no ambiente corporativo, além de atender ao protocolo sanitário intersetorial transversal do Governo do Estado de São Paulo;
  • Diretrizes assistenciais para a retomada das atividades eletivas em tempos de pandemia, com o objetivo de estabelecer orientação para implementação de sistemática segura para retorno de procedimentos eletivos (consultas, exames e cirurgias) nas unidades administradas pela Pró-Saúde;
  • Diretrizes assistenciais para atendimento religioso durante a pandemia, elaboradas com o apoio da Pastoral da Saúde da Pró-Saúde. O objetivo foi estabelecer sistemática segura, tanto para quem oferta o atendimento religioso, quanto para os enfermos acometidos pela Covid-19.

Outra estratégia utilizada pela Pró-Saúde nas unidades sob sua responsabilidade foram a constituição dos Comitês de Crise.

Os comitês trabalharam a partir dos planos de contingência, com foco no ajuste da resposta à evolução dos casos do novo coronavírus em cada Estado. Também buscaram diminuir, ao máximo possível, ou evitar, a propagação nas unidades e entre os colaboradores, bem como reduzir o impacto da pandemia na própria atividade econômica do hospital.

Neste período, muitos leitos foram convertidos para atendimento aos casos da Covid-19.

No início da pandemia, em 11 de março, as unidades administradas pela Pró-Saúde contavam com capacidade de 342 leitos destinados ao atendimento de pacientes vítimas da Covid-19; 253 leitos de internação e 89 leitos de Terapia Intensiva.

Com esta estrutura, ao final de abril, foram acumuladas 255 internações nos hospitais gerenciados pela Pró-Saúde.

Ainda neste período, a taxa de ocupação dos leitos de Enfermaria era de 17% e dos leitos de UTIs era 67%, com casos suspeitos e confirmados, conforme apresentados nos gráficos abaixo:

Com o avanço do número de casos, evolução captada pelo monitoramento centralizado e das informações advindas dos grupos de trabalho e Comitês de Crise, nos meses de maio e junho, foi possível ajustar a capacidade instalada de leitos para Covid-19. No primeiro pico da pandemia, as unidades gerenciadas pela Pró-Saúde chegaram a contar com 699 leitos — 65% dos quais, mantidos pelo (SUS) Sistema Único de Saúde.

Distribuição dos Leitos em 01/06/2020. | Fonte: Banco de Dados Pró-Saúde

Esta estratégia permitiu, também, o ajuste dos leitos conforme o momento epidemiológico de cada região e vulnerabilidade das populações atendidas. As diretrizes levaram em conta a capacidade das unidades administradas, conforme demostrado nos gráficos abaixo, que seguiram em sintonia com as necessidades de apoio ao Estado e à missão institucional da Pró-Saúde.

Fontes:  https://covid.saude.gov.br/ e Banco de Dados Pró-Saúde

Características das áreas onde os leitos estavam situados:

 

A produção, no mês de maio, já alcançava 846 internações hospitalares acumuladas, sendo 337 pacientes internados em 17/5/2020 e 412 altas hospitalares ― resultando em 82% dos leitos ocupados em Terapia Intensiva e 47% dos leitos ocupados em Enfermarias.

Ainda neste cenário, a entidade, que foi escolhida em procedimento público para assumir a gestão da UPA 24h Zona Leste, em Santos (SP), precisou promover seu ajuste, atuando como hospital de campanha para atender aos doentes afetados pela pandemia, integrando o Plano de Contingência Hospitalar Municipal.

No total, foram 46 leitos, dos quais 41 de clínica médica e cinco para atendimento de pacientes críticos. A unidade contou também com equipamentos para exames de raio-X e eletrocardiograma.

Após o período de utilização para a contingência da Covid-19, a UPA 24h Zona Leste retomou sua função de pronto atendimento, com a previsão de realizar mensalmente até 2,7 mil procedimentos, 12 mil exames diagnósticos e 15 mil consultas ambulatoriais. A unidade conta com 240 profissionais assistenciais e administrativos.

**Imagem 07** – UPA Santos

As atividades de enfrentamento à pandemia o ocorreram no gerenciamento de unidades de saúde que foram referenciadas para o atendimento a doentes por Covid-19, no Brasil.

São elas:

Pará

Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira
Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém
Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP), em Marabá

São Paulo

UPA 24h Zona Leste, em Santos

Mato Grosso

Hospital São Luiz, em Cáceres

A entidade também promoveu treinamentos internos voltados aos profissionais das equipes assistenciais de todas as unidades gerenciadas, para garantir atendimento seguro e adequado aos pacientes que apresentarem sintomas ou casos confirmados da doença.

Até o final de dezembro de 2020, a Pró-Saúde já havia realizado 5.916 internações hospitalares de pacientes com a Covid-19, além de ter promovido 4.213 altas de pacientes recuperados.

Quanto ao desfecho dos atendimentos, a mortalidade média dos pacientes atendidos foi de 23%, com tempo médio de internação de 8,1 dias, contra 38% de mortalidade média demonstrada na análise retrospectiva de 250.000 internações por Covid-19 no Brasil, publicada na revista The Lancet ― Respiratory Medicine, em 15 de janeiro de 2021, confirmando o compromisso da Pró-Saúde com a excelência dos serviços prestados.

Ações de apoio aos pacientes e à sociedade

A relação de cuidado ao doente compreende três dimensões: paciente, família e profissionais de saúde. Mas, neste caso, é necessário alcançar a individualidade do cuidado, pensando no profissional como ser único, como sujeito “de carne e osso” que constitui o coletivo, mas que necessita de um olhar mais próximo, acolhedor e empático.

Na prática, esta relação próxima reflete a atuação no coletivo e no ambiente de trabalho, com ações criando um clima harmônico e leve.

Outro conjunto de ações buscou garantir o acesso aos pacientes que sofriam de outras patologias, uma vez que os doentes pela pandemia passaram a ser prioridades em muitas unidades de saúde.

Além das ações de atendimento, o trabalho também buscou compartilhar orientação sobre os cuidados com a saúde.

Fisioterapia por videoconferência

Atividade fundamental no perfil assistencial do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, a reabilitação se caracteriza pelo atendimento a vítimas de traumatismos. Com a pandemia, elas passaram a receber acompanhamento profissional à distância, em que fisioterapeuta e paciente eram conectados por vídeo chamada.

**Imagem 08** – Fisioterapia por videoconferência

Fonte: Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência

Divulgação de dicas para promover a saúde durante a pandemia

As mudanças na rotina causadas pelo novo coronavírus impactaram a forma de cuidar do corpo e da mente. O Hospital Regional Sudeste do Pará, em Altamira, divulgou dicas para promoção do bem-estar por meio de sete cuidados simples para manter a saúde durante e pós pandemia, tais como: beber pelo menos dois litros que em média por dia, manter alimentação saudável, higienização das mãos e uso de máscaras, entre outros.

**FOTO DA AÇÃO**

Alerta sobre os riscos impostos pelo isolamento domiciliar

O Serviço Terapia Ocupacional do Hospital Estadual de Urgência e Emergência, em Vitória, alertou para os riscos à saúde causados pelo excesso do uso de telas digitais, bem como pela relação de posturas e movimentos repetitivos com lesões, durantes as atividades no isolamento domiciliar.

“Imagem 09” – Alerta sobre os riscos impostos pelo isolamento domiciliar

Visita e Boletins Médicos Virtuais

Várias unidades administradas pela Pró-Saúde promoveram o acesso aos pacientes internados em isolamento e aos boletins médicos diários por meio de chamadas de vídeo entre os familiares, pacientes e profissionais de saúde.

Esta iniciativa deixará um legado pós-pandemia, criando uma cultura de comunicação não presencial que viabilize a aproximação da equipe com familiares que não consigam estar presencialmente no hospital em outros momentos.

Curso on-line para gestantes

Com a pandemia, além das consultas individuais com as gestantes para acompanhamento do pré-natal, foi realizado um curso online intitulado “Amor de Mãe” para esclarecer as principais dúvidas de mulheres que estão no período gestacional. As especialidades em Ginecologia, Obstetra e Pediatria do Hospital 5 de Outubro, em Canaã dos Carajás, conversaram com as participantes sobre a importância do acompanhamento médico na gestação e após o parto. O curso contou com a participação de 15 gestantes e foi feito no formato online com sucesso por meio de plataforma orientada pela Sede Administrativa.

O objetivo foi garantir a segurança das futuras mamães durante o período de pandemia e evitar aglomerações. A programação durou 1 hora e contou com aulas abordando diversos assuntos como: a importância da realização do pré-natal e da pediatra; sobre os cuidados com recém-nascido após o parto; a importância dos exames que são realizados para auxiliar em diagnósticos precoces de algumas doenças; quais os primeiros cuidados com o bebê nas primeiras 48 horas de internação e em casa; o uso de produtos de higiene e amamentação exclusiva nos primeiros seis meses de vida da criança.

Outra orientação dada as participantes foram sobre o início do pré-natal, que deve ser feito logo após a confirmação da gravidez. Já na primeira consulta é analisado o histórico da paciente e solicitados diversos exames, incluindo os que identificam doenças sexualmente transmissíveis, o tipo sanguíneo e o fator RH, que identifica se o sangue é positivo ou negativo.

**Imagem 10** – Curso on-line para gestantes

Evolução da Gestão Coorporativa Assistencial

Apesar de todo o esforço empregado para os ajustes impostos pelo desafio da pandemia, as ações para consolidação do modelo assistencial, iniciado em 2018, a busca pelo processo de melhoria contínua dos resultados assistenciais e a implementação das metas do compromisso de gestão assistencial para 2020, também foram postas em prática.

Nesse cenário, foram implantados os feedbacks corporativos para as análises críticas, em cada unidade, dos indicadores da Matriz Assistencial. A Matriz Assistencial é um conjunto de indicadores voltados à qualidade da assistência à saúde, tais como: mortalidade, densidade de infecção, tempo médio de permanência e indicadores de eventos adversos, entre outros.

O índice da Matriz Assistencial sinaliza o percentual de indicadores que atingiram, ou superaram, as metas propostas para cada unidade. Comparando os resultados dos anos de 2019 e 2020, é possível observar a evidência da melhoria alcançada no período, por meio do incremento de 15,8% na taxa de indicadores com meta atingida.

Para apoio a implantação das metas do Compromisso da Assistencial para 2020, já no mês de janeiro, o tema principal da segunda edição da Semana de Farmácia foi: “Entrega de valor da farmácia clínica para a sociedade”.

A ideia central foi evidenciar o quanto a assistência farmacêutica contribui para o paciente e para a sociedade, alinhando o uso racional dos medicamentos com a segurança do paciente, dentro da ideia trazida no compromisso.

Em agosto, foi realizado o primeiro webinar promovido pela Pró-Saúde, com o objetivo de destacar os ações e resultados alcançados a partir do compromisso lançado no Fórum de Gestão Médica de 2019, além de compartilhar as boas práticas já implementadas.

O Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém, abordou o processo de implantação do programa de Stewardship de Antimicrobianos e seus resultados. Neste programa, o farmacêutico clínico passou a trabalhar junto com o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, auxiliando na tomada de decisão precoce e no efetivo cumprimento do parecer da infectologista, garantindo a observância dos critérios clínicos e tempo de utilização.

Dessa forma, o programa Stewardship melhorou a adesão do corpo clínico aos protocolos clínicos, minimizando os custos e priorizando a eficácia da antibioticoterapia com base nos diagnósticos frequentemente encontrados.

Os antimicrobianos são os fármacos que compõem o grupo terapêutico mais representativo dentre os medicamentos no consumo hospitalar. As ações do programa de Stewartdship no hospital propiciaram uma redução do custo mensal com antimicrobianos na ordem de R$ 20.448,59.

Ainda no Webinar de agosto, o Hospital Estadual de Urgência e Emergência, em Vitória, abordou o processo de elaboração e implantação do Protocolo de LAMG (Lesão Aguda Mucosa Gástrica) e seus resultados relacionados a efetividade clínica e redução de custos.

A lesão aguda de mucosa gástrica é uma condição associada ao paciente crítico e com fatores de risco que favorecem o seu desenvolvimento. A gravidade está diretamente associada com a natureza e gravidade da doença de base.

Desta forma, a criação do protocolo de LAMG estabelece uma sistemática de manejo clínico para a prevenção de lesões agudas de mucosas gástricas nestes pacientes, a fim de mitigar o risco de complicações, o aumento no tempo de permanência e do custo do tratamento.

Por meio do contexto apresentado, a padronização dos critérios de uso em profilaxia desses medicamentos para pacientes internados no hospital, teve como objetivo diminuir o uso indiscriminado das medicações prescritas na profilaxia das lesões de mucosa gástrica.

Do mesmo modo, no caso do uso justificado, também permitiu avaliar se a via de administração adotada foi a adequada e, por consequência, a diminuição do custo financeiro causado pelo uso indiscriminado.

No contexto da pandemia, esta ação reduziu, significativamente, o impacto do aumento do valor unitário dos medicamentos utilizados no protocolo.

Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente Corporativo

O Núcleo de Qualidade e Segurança do Paciente Corporativo (NQSP-C) propõe as diretrizes, apoia na implementação e monitora a realização das ações de gestão da qualidade, melhoria contínua e segurança do paciente.

Este trabalho é promovido a partir do tripé segurança do paciente, qualidade e a hospitalidade, as ações passaram a abranger a gestão da experiência do paciente, conceito de Cuidado Centrado nele.

Este trabalho busca promover a conformidade de todas as unidades administradas pela Pró-Saúde, à Portaria 529 do Ministério da Saúde, de 1º de abril de 2013, que instituiu o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP); e à Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) número 36, de 25 de julho 2013, que instituiu ações para a segurança do paciente em serviços de saúde.

Estas atividades são alinhadas ao modelo de gestão e à governança corporativa por meio da participação matricial de todas as Gerências Corporativas da Pró-Saúde.

Em setembro de 2020, o NQSP-C passou a pertencer a Diretoria Corporativa Médica, fortalecendo as interações da gestão da qualidade e segurança com as Diretrizes Médicas e Assistenciais Corporativas.

Gestão da Segurança do Paciente

Em menção ao dia Mundial de Segurança do Paciente, comemorado em 17 de setembro, foi realizado a primeira edição do webinar da Pró-Saúde abordando a temática: Resultados de Excelência na Segurança do Paciente.

Os hospitais acreditados com Excelência pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) compartilharam cases acerca do assunto, apresentando os resultados de melhorias implantadas nas instituições.

As melhorias envolviam: metodologia para identificação e tomada de decisão frente às fragilidades nas dimensões da avaliação de segurança do paciente; o papel do médico nos processos da qualidade, atuando como auditor, educador e facilitador, contribuindo com a construção da cultura justa; a importância da equipe multidisciplinar na recuperação do paciente e na diminuição de eventos adversos, com a participação nos rounds clínicos (visitas conjuntas aos pacientes internados, envolvendo a equipe multiprofissional); e os resultados da aliança entre as áreas de Tecnologia da Informação e Assistência à Saúde no monitoramento dos protocolos de segurança e na adoção de estratégias de comunicação assertivas da equipe para assistência segura do paciente.

Em relação às notificações de incidentes, foi desenvolvido o aprimoramento da comunicação entre o NQSP-Corporativo e os NQSP-Locais, no intuito de uniformizar e desenvolver as técnicas de análise, otimizando as ações delas decorrentes.

As notificações de incidentes correspondem ao registro de ocorrências relacionadas à assistência direta e indireta ao paciente, permitindo a realização de análises desses eventos e consequente identificação de fragilidades para atuação da equipe, de forma sistêmica, em ações de prevenção de risco e novas ocorrências, processo exigido dentro do Plano Nacional de Segurança do Paciente.

Trata-se de um reflexo da consolidação da cultura de segurança, que acontece a partir da implantação de diretrizes, realizações de ações e campanhas que contribuíram para a conscientização das equipes de que as falhas podem ocorrer, porém é imprescindível o reconhecimento como processo de aprendizagem, rumo a melhoria contínua.

Os incidentes podem ser caracterizados em: circunstância notificável, quase-evento, evento sem danos e evento com danos (evento adverso).

Circunstância notificável corresponde a uma situação com potencial significativo para causar dano, mas o incidente não ocorreu. O quase- evento é um incidente que não atingiu o paciente, pois foi identificado antes de causar um dano. Já no evento sem danos, o incidente alcançou o paciente, porém não causou danos identificáveis. Por fim, o incidente com danos (evento adverso), atingiu o paciente e resultou em danos, que podem ser classificados de acordo com o grau em leve, moderado e grave.

Em 2020 houve uma queda de 10% das notificações de incidentes comparado com o ano de 2019. Esta ocorrência está associada a saída de unidades com maior nível de maturidade da cultura de segurança do paciente, sendo substituídas por outras onde o trabalha se inicia.

A caracterização das notificações está representada no gráfico abaixo, considerando que 0,3% foi encerrado por ser considerada não-conformidades, ou seja, requisitos não conformes relacionados aos processos internos e externos na instituição, sem risco objetivo e direto ao paciente.

A concentração maior de identificação nas caracterizações de circunstância de risco, quase-evento e evento sem dano (88%), resultam em maior oportunidade de ação antes que a falha atinja o paciente, cenário desejável em um sistema complexo, como a prestação de assistência hospitalar.

Como desafio para 2021, a Pró-Saúde propôs desenvolver o Gerenciamento de Risco por linha de cuidado, permitindo a visualização dos riscos associados a cada fluxo assistencial, identificando as necessidades do indivíduo e as fragilidades na assistência do usuário.

Gestão da Qualidade

Auditorias no âmbito do RAG (Requisitos de Apoio e Gestão)

As auditorias são formas ativas de vigilância com cinco métodos para coletar dados:

  1. Observação direta
  2. Entrevista individual
  3. Grupo focado
  4. Requisitos de apoio a gestão (RAG)
  5. Revisão de prontuário

Para a auditoria regular dos processos é utilizada a ferramenta institucional da Pró-Saúde RAG (Requisitos de Apoio à Gestão) que estabelece critérios, unifica e monitora as Unidades sob sua gestão.

O objetivo é mobilizar os colaboradores para desenvolver uma visão sistêmica da instituição e promover a evolução da gestão das unidades de saúde com melhoria nos processos: assistenciais, administrativos e de apoio, contemplando critérios de infraestrutura, gestão, técnico operacional e segurança.

Estas auditorias são realizadas por profissionais corporativos, a fim de evitar conflitos de interesses internos nas unidades e de estabelecer um olhar externo ao seu desempenho. O resultado da ferramenta é expresso pelo percentual dos requisitos que se encontram em conformidade com os momentos das auditorias.

As restrições de mobilidade impostas pela pandemia prejudicaram os deslocamentos para cumprimento de todo o cronograma de auditorias, estando os resultados das auditorias realizadas, expressos no gráfico abaixo:

A maior conquista da gestão da qualidade em 2020 foi a implantação da matriz de melhoria contínua, que compõe indicadores de medição de performance dos NQSPs, implantados em nossas unidades, sob as dimensões abaixo relacionadas:

Planejamento Estratégico — medição mensal por números de ações cumpridas.

Gestão por Processos — medição mensal do copilado de todos os indicadores de resultados dos processos da Unidade.

Avaliações e Certificações — medição bimestral da evolução dos Planos de Ações relacionados as avaliações realizadas na Unidades.

Gestão das Comissões Mensal — medição das conformidades do checklist de monitoramento das comissões.

Não Conformidades Mensal — medição da reincidência de não conformidades de processo, para efetiva melhoria.

Gestão de Riscos — medição mensal, monitoramento das notificações tratadas; bimestral monitoramento das ações provenientes do plano de ação da pesquisa de cultura da segurança; quadrimestral e semestral sobre as conformidades relacionadas às práticas de controle estabelecidas nas Unidades.

Serviço de Atendimento ao Cliente — monitoramento mensal da taxa de satisfação global e as reincidências de queixas.

Foram realizadas análises críticas nas unidades e pareceres de melhoria com os especialistas corporativos, para monitoramento e alinhamento de suas performances, acompanhando e fazendo cumprir as políticas corporativas da Qualidade e Segurança do Paciente, de forma integrada e colaborativa.

Gestão do Serviço de Atendimento ao Usuário/Cliente

Em 2020, a partir do mês de setembro, a Pró-Saúde deu início aos levantamentos e análises dos métodos de pesquisas de satisfações, reclamações, elogios e sugestões das unidades por meio de diversos canais como formulários impressos, digitais e e-mails e relatórios mensais das tratativas realizadas.

Os indicadores foram acompanhados mensalmente pelo sistema SA Interact, avaliando as análises críticas diante dos resultados apresentados e fazendo apontamentos, quando necessário, com seguimento dos planos de ações implementados nas análises.

Para melhorar a performance e a fidelização do cliente, os hospitais 5 de Outubro e Yutaka Takeda, adotaram, no segundo semestre de 2020, a metodologia do NPS (Net Promoter Score), que simplifica a captação de informações e tabulação dos resultados, assim como os critérios de metas alcançadas pela unidade, apresentando índice e nota de satisfação.

A pesquisa de satisfação de clientes dispõe de metodologias de cálculos de índices de satisfação específicos, que permitem o acompanhamento da evolução de cada setor de maneira justa e coerente, assim como aponta as melhores práticas da unidade e os pontos de atenção, sempre em relação à satisfação dos usuários.

Clientes satisfeitos são os melhores promotores, mas os insatisfeitos podem ser os principais causadores de baixa taxa de retorno e retenção.

Abaixo, os gráficos da média geral do período de início da metodologia NPS, com a nota final de cada unidade — Hospital 5 de Outubro e Hospital Yutaka, ambas unidades hospitalares privadas.

Hospital Yutaka Takeda — 23/10/2020 a 31/12/2020

Hospital 5 de Outubro — 01/06/2020 a 31/12/2020

Com a nova metodologia para mensurar a satisfação do cliente, foram realizadas reuniões com os hospitais envolvidos e a empresa responsável pelo sistema, para inserir um questionário perguntas direcionadas à jornada do paciente na unidade de saúde.

A expectativa é que em 2021 seja possível avaliar o retorno das pesquisas e sua adesão junto ao sistema NPS, aumentando a acurácia e a capacidade de comparação com as pesquisas realizadas em papel ou tablet.

Concomitantemente, será implantada a proposta da Experiência do Paciente agregando o tripé básico e fundamental — Segurança do Paciente, Qualidade e Excelência na Experiência das Linhas de Cuidado.

A satisfação com os serviços prestados deve ser medida e acompanhada em vários momentos da experiência do paciente na unidade. O processo de gestão pela experiência do paciente colaborou para a introdução de novos indicadores de satisfação, como a avaliação do cliente/usuário para diversos serviços da unidade. São eles:

  • Cuidados que recebeu da Enfermagem
  • Cuidados que recebeu dos médicos
  • Ambiente hospitalar
  • Experiência no hospital
  • Classificação geral do hospital no que tange a outros serviços oferecidos
  • Entendimento dos cuidados prestados ao ter alta hospitalar

**Gráficos SAU** – Satisfação de Atendimento ao Usuário – resultados globais em 2020

Experiência do paciente: a importância do olhar no cuidado centrado

Na “Era da Experiência”, cada vez mais o paciente está no centro das atenções. É fácil entender o motivo desse fenômeno. Com as mudanças que estão acontecendo no âmbito da tecnologia e com as mídias sociais, acesso a websites e aplicativos, o cliente nunca teve tanta informação e tanta voz ativa como atualmente.

Ele se apresenta com um perfil consumerista, tendo liberdade de escolha e o direito sobre o serviço. Está mais informado, engajado e com capacidade para o autocuidado.

Diante destas mudanças de perfil e expectativas, a Pró-Saúde também acompanha esse processo de mudança com olhar focado na experiência vivenciada pelos pacientes.

Poder proporcionar experiências memoriáveis e encantadoras é o objetivo. O que realmente importa para o paciente, ou seja, ser tratado como pessoa e não como número ou patologia.

Os aspectos relacionais importam muito para os pacientes. Eles se preocupam com suas experiências e cuidados com a eficácia clínica e segurança, ambas ligadas aos aspectos funcionais. Mas os usuários querem se sentir informados, apoiados e ouvidos (aspectos relacionais) para que possam tomar decisões e escolhas significativas sobre seus cuidados.

Para esta jornada ser de excelência, a entidade instituiu os Comitês e Escritórios de Experiência do Paciente.

Com a tradução das expectativas do paciente por meio do SAU (Serviço de Atendimento ao Usuário), das pesquisas de satisfação e dos Conselhos de Pacientes, é possível criar estratégias e projetos para melhoria dos processos contínuos.

Esta identificação de oportunidade de melhoria vai partir em três momentos: pessoas, processos e ambiente.

A dimensão das pessoas aborda temas como: empatia, cortesia, relacionamento e postura ética. Na dimensão dos processos: qualidade, segurança, agilidade e revisão da burocracia. Por fim, na dimensão do ambiente físico: conforto, higiene e privacidade.

O papel dos Comitês e dos Escritórios de Experiência do Paciente está voltado para a gestão da experiência do paciente e do colaborador, ações de engajamento, capacitação e reconhecimento; atividade matricial junto às diversas áreas da unidade para identificação de oportunidades; bem como a elaboração e o acompanhamento de projetos de melhorias, envolvendo os pacientes ações de inovação.

Experiência deve ser medida por meio de indicadores de qualidade, de segurança e de desfecho clínico. O hospital avalia o que é feito e chega à conclusão se gera ou não um trabalho de qualidade. A satisfação é pessoal. Cada um tem a sua e está relacionada à expectativa. Com a pesquisa de satisfação e com a metodologia de NPS, foi estruturado um questionário voltado à experiência e à vivência que será inserido em um novo modelo da área do SAU nas unidades.

Outra proposta da Pró-Saúde, é capacitar a linha de frente para uma melhor experiência do paciente. A imagem institucional, que ficará na memória dos pacientes e familiares, será gerada a partir da percepção sentida a cada interação com estes profissionais.

Portanto, capacitá-los para compreender os conceitos, fenômenos e práticas que estão por trás destas interações ao longo do contínuo cuidado é fator imprescindível para qualquer instituição de saúde que deseja alcançar a excelência na experiência dos seus pacientes e colaboradores.

Este é o caminho para um cuidado seguro, com respeito e dignidade. O paciente estar no centro do cuidado é observar a sua integralidade biopsicossocial, para decodificar suas necessidades e demandas e fazer o melhor encaminhamento possível.

Durante o ano de 2020, as ações práticas para implementação desta estratégia já começaram a ser implementadas. O Hospital Público Oncológico Infantil iniciou a proposta da Experiência do Paciente a partir de formação realizada em São Paulo, buscando se aprimorar e colocar em prática toda a bagagem de conhecimento que receberam.

Desde então vem estruturando a área com projetos, gestores e colaboradores envolvidos e avaliando as métricas que a pesquisa de satisfação demonstra e o NPS que instituíram como modelo para aplicar na alta do paciente.

Entre os projetos desenvolvidos destacam-se:

Canto da Empreendedora

Promove o empoderamento de mulheres que cuidam de crianças e adolescentes em tratamento oncológico, incentivando o empreendedorismo e o desenvolvimento profissional.

**Imagem- 11** – Canto da empreendedora

Meu Canto Alegre

Agregar valor ao trabalho em equipe por meio do encorajamento, do comprometimento, do estímulo a revisitar valores, do desenvolvimento do senso de propósito e da construção de relações interpessoais que façam sentido para os colaboradores, ajudando-os a encontrar satisfação na atividade de cuidar.

**Imagem 12** – Meu Canto Alegre 

Grupo Terapêutico de Luto (GTL)

Facilita processos de acolhimento e intervenções terapêuticas frente às contingências ameaçadoras da saúde, como o processo de morte/luto, com propósito de estimulá-las ao encorajamento de expressão de sentimentos, bem como identificar gatilhos para recursos internos que transformem a dor em uma experiência de amor.

Desafios para 2021

  • Inserir os indicadores do compromisso da gestão assistencial de 2020;
  • Implantar indicadores voltados para análise econômica da assistência;
  • Monitorar e avaliar sistematicamente os indicadores da Matriz de Melhoria Contínua;
  • Ampliar a Experiência do Paciente nas unidades próprias e de gestão;
  • Implantar a gestão de risco por linha de cuidado;
  • Avaliar novos indicadores da Experiência do Paciente na metodologia NPS e pesquisa de satisfação;
  • Iniciar o processo de certificação ONA do Hospital Materno-Infantil de Barcarena, do Hospital 5 de Outubro e do Hospital Porto de Trombetas.
Comunicação

Logo no início de 2020, a Pró-Saúde seguia com um estudo encomendado ao instituto Datafolha para aferir a percepção dos usuários em relação aos serviços prestados pela entidade. O resultado seria utilizado, posteriormente, no conjunto de apresentação estratégica institucional ante seus stakeholders. Apresentada pelo Datafolha, um dos maiores e mais respeitados institutos de pesquisa do país, o estudo mostrou excelentes resultados.

Porém, o cenário da Covid-19 no mundo avançava.

Quando o país confirmava o primeiro diagnóstico decorrente da rápida disseminação da Sars-Cov-2, em 26 de fevereiro, a Pró-Saúde já havia definido sua estratégia de comunicação para o enfrentamento do quadro pandêmico.

O objetivo era oferecer informação confiável para a população, em contraponto à onda de fake news (notícias falsas), além de promover orientação social sobre a Covid-19 e a maneira mais eficaz de evitar e transmitir a doença.

As ações também seguiam diretrizes presentes nos valores institucionais da Pró-Saúde. Gestores, médicos e equipe assistencial de todo o país foram mobilizados para se envolver nas ações de comunicação.

1 Articulação de entrevistas de profissionais saúde com os veículos de comunicação


2 — Criação do boletim diário Plantão coronavírus

O boletim foi criado no dia 18 de março de 2020, poucos dias após a Organização Mundial da Saúde decretar o início da pandemia. Até dezembro de 2020, foram enviados 291 boletins sobre o novo coronavírus para colaboradores da entidade e público externo, totalizando um mailing de 7.800 contatos. Também foi disponibilizado um formulário online em que 1.663 usuários se inscreveram.

Foram enviadas 1.854 notícias de destaque ao redor do mundo e de produções próprias, sempre usando fontes confiáveis para combater fake news.

3 Produção de pautas para a imprensa

Foram 150 notícias exclusivas sobre a Covid-19

4 Criação de mural de mensagens

Mural de Mensagens no site institucional da Pró-Saúde, para que o público pudesse compartilhar recados aos colaboradores: 55.243 acessos

5 Produção de campanhas de orientação social


6
Atendimento à imprensa


7
Boletins diários do HSL

Dede o dia 16 de março de 2020 até 24 de setembro de 2020, enviamos 139 boletins para a imprensa de Cáceres.

8 Divulgação da cartilha interna com diretrizes para atendimento ao coronavírus

Assim que foi apontado o primeiro caso de coronavírus no país, a Pró-Saúde produziu cartilhas com orientações para evitar o contágio da doença. Foram 3 cartilhas, uma para a Sede Administrativa, para os Centros de Educação Infantil que administramos na zona leste de São Paulo e outro para as unidades de saúde. Além, de comunicados e boletins.

9 Criação de campanha interna de orientação para o corporativo


10
Suporte às ações de humanização

Página Triunfo da Vida, além de divulgar as ações de humanização que eram realizadas nas unidades.

11 — Coluna Vida Saudável

Publicação dominical de espaço institucional nos dois principais jornais do Pará — O Liberal e Diário do Pará. Ao todo foram 15 colunas sobre a Covid-19. Outras 7 citam as palavras pandemia, coronavírus, covid-19, mas a doença em si não é o foco principal.

12 — Produção e divulgação de eventos como os webinars

Webinar no dia 9 de julho de 2020, com o tema “Práticas de Saúde bem-sucedidas em países latino-americanos no enfrentamento da pandemia global de Covid-19”

13 Gerenciamento de crises de imagem com a imprensa


14
Elaboração e divulgação de cartilha sobre atendimento religioso nas unidades

Página Ebook Diretrizes Assistenciais – 325 acessos

15 Reuniões de pautas com os analistas das unidades


16
Monitoramento dos grupos de jornalistas em redes sociais para veiculação de pautas e sugestão de porta-vozes


17 — Criação de página Alerta Coronavírus no site institucional

3.106 acessos

18 — Publicação em redes sociais

A pandemia da Covid-19 se tornou o principal assunto das redes sociais da Pró-Saúde no ano de 2020. O objetivo do conteúdo publicado foi combater a disseminação de informações/notícias falsas sobre a doença e as suas formas de tratamento, além de ajudar a população sobre como proceder em caso de sintomas, como usar corretamente a máscara, entre outros assuntos embasados com os profissionais de saúde da entidade.

Total de 9 conteúdos impulsionados (mídia paga) sobre Covid-19 no Facebook e Instagram:

  1. Campanha Mês da Enfermagem (junho)
  2. Atualizações sobre o novo coronavírus (julho)
  3. Visita virtual de pacientes com Covid-19 (julho)
  4. A importância de brincar em tempos de Covid-19 (julho)
  5. 000 pacientes recuperados da Covid-19 nos hospitais gerenciados pela Pró-Saúde no Brasil (julho)
  6. Uso de máscaras adaptadas (julho)
  7. A luta não pode parar (agosto)
  8. Pacientes com Covid-19 podem desenvolver problemas renais? (outubro)
  9. A pandemia não acabou (novembro)

Em 2020, foram compartilhados 542 conteúdos em todos os perfis nas redes sociais da Pró-Saúde com o tema Covid-19 (Facebook, Instagram, Linkedin e Youtube).

Números em cada rede:

Total de 195 publicações compartilhadas no Facebook.

Início da produção de máscaras no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência e divulgação de notícia sobre fato ou fake da Covid-19.

Total de 186 publicações compartilhadas no Instagram:

Pró-Saúde alcança marca de 3 mil pacientes recuperados.

Total de 126 publicações compartilhadas no Linkedin:

Campanha Setembro Amarelo alerta sobre como cuidar da saúde mental na pandemia.

Total de 35 vídeos publicados no YouTube:

Diretor Corporativo Médico da Pró-Saúde, Dr. Fernando Paragó, alerta sobre diretrizes do novo coronavírus e campanha de enfermagem homenageia profissionais de saúde que estão na linha de frente.

 

Humanização

Humanização: um dos elementos fundamentais para o enfrentamento da pandemia

Mesmo com toda a tecnologia hospitalar, não há substituição para a sensibilidade humana. Em 2020, a humanização nos serviços de saúde foi indispensável durante o cuidado de pacientes e de seus familiares. Fomos desafiados a manter a sensibilidade humana, o contato, e a interação, em um cenário de distanciamento social.

Em uma situação de crise como a atual, foram traçados caminhos possíveis direcionados pela Política Institucional da Pró-Saúde, que estabelece como diretriz principal a destinação de recursos humanos deve estar em primeiro lugar. Também considera o enorme potencial de sofrimento dos diversos atores envolvidos: usuários e seus familiares, profissionais e gestores do sistema de saúde.

A principal estratégia para reduzir os danos e trazer o acolhimento a todos os envolvidos, foi manter a comunicação e viabilizar a continuidade das interações sociais, uma vez que a humanização é ampla e irrestrita, ou seja, é voltada tanto para os pacientes quanto para os profissionais de saúde.

A missão que nos move: cuidar da vida das pessoas

A primeira ação direcionada pela entidade foi recalcular a rota dos trabalhos, entendendo a eminente necessidade de cuidar dos colaboradores.

Neste cenário de pandemia, as Comissões de Humanização precisaram repensar os seus processos e seus projetos. Como uma iniciativa, área de Filantropia, que acompanha os trabalhos de humanização das unidades de saúde, buscou reforçar por meio de uma carta de acolhimento a missão que nos move: cuidar da vida das pessoas. A mensagem foi direcionada inicialmente aos colaboradores ― especialmente os que atuam no contato direto aos pacientes, acompanhantes e familiares.

Frente a uma nova perspectiva decorrente aos acontecimentos de 2020, a parametrização das práticas humanizadas se fez necessária. Foi imprescindível rever o planejamento das ações das Comissões de Humanização das Unidades geridas pela Pró-Saúde.

Videoconferências com os presidentes ou membros das Comissões de Humanização foram intensificadas com o principal objetivo de estreitar a comunicação e acompanhar de perto o andamento das ações frente à nova realidade, com o objetivo de fortalecer a Política Institucional de Humanização.
Durante o follow-up, foi possível alcançar uma importante troca de experiência entre as unidades, estimulando projetos e traçando alternativas possíveis para manter a humanização nas unidades hospitalares, colocando os recursos em primeiro lugar.

O direcionamento dos trabalhos foi acompanhado pela área de Filantropia, consolidadas na Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde e Política Institucional de Humanização da Pró-Saúde. Dessa forma, novas diretrizes foram adotadas trazendo novos resultados, como pode-se observar nos indicadores:

Ações2019%2020%
Promoção e Prevenção à Saúde8418%15822%
Acolhimento12927%19527%
Clínica Ampliada388%324%
Valorização do Trabalhador12927%23733%
Defesa dos Direitos dos Usuários265%152%
Ambiência265%436%
Fomento das Grupalidades357%264%
Gestão Participativa e Co-gestão82%71%
Total475100%713100%

 

É possível observar, conforme dado indicado, que houve um aumento no número de ações que resultaram, especificamente, no aumento das quantidades de ações voltadas para valorização do trabalhador, acolhimento e promoção à saúde.

Esse dado nos indica os esforços das 15 Comissões de Humanização das unidades hospitalares alinhados à gestão de atuação frente a pandemia de: criar mecanismos de valorização dos trabalhadores da saúde; acolher os usuários atendidos mediante as fragilidades apresentadas; e gerar ações que mobilizem e que fomentem a promoção à saúde.

O capítulo Gestão de Pessoas apresentou uma parte dos trabalhos realizados junto aos nossos colaboradores. Neste capítulo, serão apresentadas algumas iniciativas que buscaram acolher os usuários e promover saúde, embora esse aspecto também pode ser identificado ao longo do relatório.

Outro aspecto fundamental a ressaltar é que, embora algumas diretrizes apresentadas no gráfico aparentem menor porcentagem — a saber: clínica ampliada, ambiência, fomento de grupos e gestão participativa —, não significa baixa realização dessas diretrizes, por se tratar de iniciativas que estão presentes em todo o processo de trabalho, não se consolidando em apenas um projeto ou ação específica.

Como principal ferramenta norteadora de trabalho das Comissões de Humanização, a Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde, que traz as seguintes diretrizes:

Reinvenção na escuta e no cuidado ampliado ao paciente

Desde o início desta pandemia, predominou o cuidado de forma ampla, fortalecendo ainda mais a empatia por aqueles que talvez estejam prestes a perder o que há de mais valioso: a saúde e, como consequência, a vida.

Com esse cenário posto, grande parte das ações para os pacientes surgiu como uma iniciativa espontânea, partindo das próprias equipes com o genuíno interesse em apoiar, encorajar e humanizar o atendimento.

Em relação aos clientes/usuários, foi notório que em todos os hospitais públicos e privados, nos quais aplaudir os pacientes em alta virou um ritual obrigatório, celebrado e compartilhado entre todos os participantes.

Entre tantas boas ações e boas ideias, algumas têm se destacado, apesar de todas as enormes dificuldades deste contexto — desde o isolamento, incluindo os riscos, a dor —, as equipes não pouparam esforços para acolher os pacientes atendidos.

Alta Humanizada

O ritual de alta para os pacientes diagnosticados com a Covid-19, em praticamente todos os hospitais, foi seguido por aplausos ao paciente por toda a equipe de atendimento.

No novo cenário, a humanização passou a ser protagonista de uma internação, no qual profissionais aliviados aplaudem, de pé, em um corredor de saída, a alta de um paciente, resumindo um comportamento de orgulho, resistência, resiliência e superação, não apenas do paciente em alta, mas também daquelas equipes que sofreram muitas vezes isoladas de suas famílias.

Neste momento, o que fica é a lembrança de tudo que se passou entre a internação e a alta: os momentos de dor, angústia, raiva, impotência, solidão e frio, misturados às recentes lembranças do calor de abraços, beijos, sorrisos, fé e amor.

**Foto 1:** Alta Humanizada (Comunicação gentileza verificar outra foto com melhor resolução)

Outros pacientes receberam, no momento da alta, uma lembrança da unidade hospitalar como uma demonstração de carinho pela equipe. Os Hospital Porto de Trombetas e Hospital Yutaka Takeda mantiveram essa ação aos pacientes em 2020.

**Foto 2:** Projeto Crescer HPT

**Foto 3:** Entrega de Muda HYT

Visita Virtual: fortalecimento de vínculos afetivos

Durante a pandemia, não foi possível manter nenhuma rotina de visita presencial aos pacientes. Porém, com a tecnologia disponível, não é necessário manter as pessoas sem nenhum contato com o ambiente externo.

Existem diversas formas de conectar pacientes e familiares por aplicativos. Não há nenhuma razão para deixar pessoas completamente isoladas de contato.

Manter pacientes com seus próprios aparelhos telefônicos durante a internação não foi uma opção viável em muitos casos, principalmente em ambiente caótico e movimentado.

Para isso, foi necessário providenciar aparelhos com boa conectividade específicos para a pandemia. Contudo, nem todas as unidades disponibilizaram desse recurso e utilizaram de outros meios como dispor aos familiares papel e caneta, onde estes deixavam recados e mensagens motivacionais. A equipe psicossocial era a responsável por fazer a leitura junto ao paciente.

No intuito de proporcionar acolhimento ao paciente que se encontra internado em tratamento contra a Covid-19, de forma a estabelecer vínculos que favoreçam a recuperação do paciente e amparo aos familiares por meio de uma boa comunicação, foram estabelecidas algumas ações.

Durante o período de internação de pacientes com Covid-19, os profissionais envolvidos no cuidado, repassaram ao familiar informações sobre tratamento e estabilidade de saúde por meio de boletim diário, realizado vídeo chamada ou ligação telefônica, ao familiar responsável cadastrado no momento da internação.

**Foto 4**– Comunicação, gentileza inserir uma foto da visita virtual em alta qualidade

Crachás com fotos dos colaboradores

Para humanizar ainda mais o contato entre pacientes e profissionais da saúde, algumas unidades produziram crachás personalizados para a equipe que atuou no atendimento aos casos de Covid-19.

Com a iniciativa, os colaboradores passaram a ser identificados mesmo usando equipamentos de proteção individual (EPIs) que cobrem a maior parte do rosto, como macacão, máscara N-95, óculos de proteção, protetor facial e gorro.

**Foto 05:** Foto do crachá ampliada – Hospital Regional Sudeste do Pará

Atendimento aos povos indígenas

As unidades hospitalares localizadas na região Norte do país, que realizaram atendimento específico aos povos indígenas — como foi o caso do Hospital Bom Pastor —, mantiveram a sua atuação em consonância com as diretrizes do Ministério da Saúde, por meio da Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI), reforçando o atendimento, desde o início do ano, antes mesmo do decreto de pandemia emitido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

**Foto 06:** Mãe Indígena tem trigêmeos em parto natural no Hospital Bom Pastor – O nascimento dos trigêmeos simbolizou a importância da unidade para a comunidade indígena da região.  uma vez que o Bom Pastor é a única maternidade do município.

Capacitações em Humanização

A fim de direcionar as Comissões de Humanização das Unidades, com base na Política Nacional de Humanização do Ministério da Saúde, foi realizado o planejamento para o ano de 2021.

Foram promovidas capacitações virtuais, que contou com a participação de membros das Comissões de Humanização e de diretores Hospitalares, todos com o mesmo objetivo de reforçar que a humanização não deve ser confundida apenas com um bom atendimento — que em outros segmentos já seria suficiente para suprir as expectativas do cliente.

Na saúde, foram uma série de necessidades, quase nunca compreendidas pelo paciente, que vão muito além de roteiros e “experiências” de jornadas pré-fabricadas.

**Foto 07:** Capacitação sobre a Política Nacional de Humanização para as unidades de saúde

**Foto 08:** V Jornada de Humanização Hospital Yutaka Takeda

Campanhas Coloridas: Educação em Saúde

Anualmente, as unidades de saúde promovem ações em conformidade com o Calendário do Ministério da Saúde, que tem como foco sensibilizar sobre a importância do cuidado, além compartilhar informações relevantes a todos os interessados.

Em 2020, as campanhas permaneceram como estratégia de mobilização para fomentar a promoção em saúde. Mesmo com as limitações impostas pela pandemia, foi possível divulgar e trocar informações para melhorar a qualidade de vida dos nossos colaboradores, usuários/clientes e a sociedade de forma geral.

**Foto 09** – janeiro Branco: Hospital Estadual de Urgência e Emergência

**Foto 10** – agosto Dourado: Hospital Regional Público Transamazônica

**Foto 11** – setembro Verde: Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência

**Foto 12** – outubro Rosa: Centro de Atenção Psicossocial – CAPS

Assessoria em Humanização

Em 2020, a Pró-Saúde passou a fornecer também no seu escopo de produtos, a assessoria para implantação de Programa de Humanização em estabelecimentos de Saúde.

Considerando que, atualmente, os serviços de saúde necessitam mudar a forma de atender a população, a meta foi realizar um atendimento integral ao paciente, valorizando os trabalhadores e pensando a gestão de forma integrada.

Em consonância com a Lei 8.080, de 1991, e com a Portaria 1.527, de 22 de julho de 2004, que instituiu a Política Nacional de Humanização, a Assessoria em Humanização buscou organizar e traçar estratégias voltadas para cultura de humanização para o ambiente hospitalar. O objetivo foi favorecer o bem-estar dos usuários e colaboradores, por meio da mobilização interdisciplinar e do diálogo empático entre os envolvidos na produção da saúde.

Linha do tempo:

  • Março: Videoconferência periódica com as Comissões de Humanização
  • Abril: Mural Online
  • Maio: Visitas Virtuais implementadas de forma sistêmica
  • Novembro: Capacitação sobre a Política Nacional de Humanização e reflexões para o planejamento de ações de 2021
Programa de Voluntariado

Segundo a Lei 9.608/1998, o serviço voluntário só pode ser prestado por pessoa física a uma entidade pública de qualquer natureza ou uma instituição privada sem fins lucrativos. Logo, além do Estado, também compete às instituições filantrópicas o recebimento e a gestão de voluntários.

A Pró-Saúde enquanto entidade filantrópica, desde 2016 instituiu por meio de ações estruturadas de governança corporativa o Programa de Voluntariado.

Para tanto, foram realizadas pesquisas nas unidades de atuação a fim de identificar as potencialidades de cada local. A atividade voluntária foi padronizada com manuais, processos e divisão de responsabilidades.

Também, há pouco mais de um ano, foi desenvolvido um sistema que reúne todos os dados relativos ao perfil, atividade e desempenho dos voluntários.

O desenvolvimento dos projetos e programas da área de Filantropia, utilizaram metodologias de transformação ágil e gerenciamento de projetos (PMBoK).

Dessa forma, o trabalho buscou consolidar em seu portfólio temas que dialoguem com a agenda pública (Política Nacional de Saúde, Política de Humanização, e dispositivos legais) e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Assim, para cada temática foi analisada a potencialidade desse projeto para se tornar programa ou se permaneceria como projeto individual. Um exemplo de projeto que ganhou proporções de programa foi o Voluntariado.

**FOTO 13** – Logo do Programa

O enriquecimento e a solidez dessa proposta se deram por meio do alinhamento das ações à base legal vigente, assim como o monitoramento da agenda pública relacionada ao tema, em especial, ao Projeto de Lei 11.278/18, responsável pela Política Nacional do Voluntariado, embora esteja aguardando o encaminhamento para as comissões temáticas da Câmara.

A Pró-Saúde, enquanto instituição promotora do voluntariado, inseriu em seu planejamento o estudo comparativo das atividades realizadas com o projeto em curso.

Voluntariado em meio a pandemia

No ano de 2020, em virtude do distanciamento social, causado pela necessidade de prevenção ao novo coronavírus, as atividades presenciais do voluntariado foram suspensas. Com isso, algumas das linhas que compõem a qualidade do programa passaram por alterações e inclusões com o propósito de atender as especificidades locais.

Pensando nisso, foi desenvolvida uma Trilha de Aprendizagem. A metodologia, dividida em fases, teve o propósito de manter o voluntariado ativo considerando o cenário pandêmico. A primeira fase implicou no entendimento das necessidades dos envolvidos (unidades de saúde e educação) com o programa. O processo se deu por meio de aplicação de pesquisa e videoconferência.

Após entendimento e alinhamento das necessidades. O Sistema de Gestão do programa passou por adaptações, sendo incluída a atuação voluntária a distância, com isso todas as unidades foram capacitadas com relação ao sistema e formas de manter e captar voluntários. Diante dos novos desafios atribuídos, os grupos de voluntariado foram convidados a pensar em iniciativas relacionadas à causa da saúde e educação.

Campanha como é bom ser voluntário

Os voluntários gravaram vídeos sobre a saudade que tinham das atividades presenciais.

**FOTO 14** – Como é bom ser voluntário

**FOTO 15** – Como é bom ser voluntário

**FOTO 16** – Como é bom ser voluntário

Apoio aos pacientes e profissionais da saúde

Com foco em uma gestão hospitalar humanizada, os voluntários do Hospital Regional do Sudeste do Pará e do Hospital Materno-Infantil de Barcarena confeccionaram polvos de crochê para acolher os bebês prematuros da UTI neonatal.

Os tentáculos do polvo se assemelham ao cordão umbilical da mãe. Com isso, eles se sentiram protegidos durante a recuperação na incubadora. O cuidado humanizado foi estendido às mães que puderem conversar com doulas voluntárias por vídeo chamada.

**FOTO 17** – Polvos de crochê confeccionado pelos voluntários do HMIB

**FOTO 18** – Voluntários Confeccionaram máscaras no Hospital Regional do Sudeste do Pará

Voluntariado à distância

Além da atuação solidária, foram suspensas as visitas presenciais e a entrada de acompanhantes. Diante disso, mesmo de longe, o voluntariado exerceu importante papel no entretenimento dos pacientes e colaboradores.

Para promover momentos de fé e reflexão os hospitais Bom Pastor, Yutaka Takeda, Porto Trombetas, Estadual de Urgência e Emergência, Público Estadual Galileu, Metropolitano de Urgência Emergência, Oncológico Infantil Octavio Lobo e Sudeste do Pará transmitiram aos colaboradores e usuários vídeos, mensagens escritas e missas online.

No Hospital Oncológico Infantil, os voluntários, de suas casas, mobilizaram pessoas para a doação de sangue, pois em virtude do isolamento social os níveis de estoque de sangue ficaram abaixo da média prevista.

**FOTO 19** – Campanha de doação Hospital Oncológico Infantil

Outra importante adaptação: ao invés de circularem pelos corredores da unidade de saúde, os voluntários passaram a entrar ao vivo na rádio do Hospital Regional do Baixo Amazonas, levando mensagens de apoio e incentivo a colaboradores e pacientes.

Nas ações natalinas, os voluntários exerceram importante papel na arrecadação externa de brinquedos para alas infantis e kits de higiene aos pacientes.

**FOTO 20** – Homenagem- Dia Nacional do Voluntariado

Voluntariado em prol da Primeira Infância

O voluntariado remoto, seguramente, foi uma solução para as ações solidárias em tempos de pandemia. Assim como na área da saúde, a modalidade beneficiou as unidades educacionais gerenciadas pela entidade.

Na ocasião, voluntários realizaram, no ambiente virtual, capacitações voltadas aos profissionais de educação que atuam nos Centros de Educação Infantil Lageado, Jardim São Jorge, Jardim Eliane e Santa Rita.

Para receber esses voluntários da melhor forma possível, os gestores das unidades educacionais passaram por treinamentos remotos que resultaram em um planejamento para 2021.

Encontro de Líderes de Voluntariado

Há três anos a Pró-Saúde reúne os líderes de Voluntariado no município de São Paulo, com a finalidade de garantir uma programação que colabore para o avanço e melhoria do voluntariado nas comunidades locais.

Todos os anos, ao término do evento, é lançada uma proposta com o intuito de fomentar a melhoria contínua do Programa.  Em resposta ao 2º Encontro de Voluntariado, realizado em 2019, foi lançado em 2020, no Dia Nacional do Voluntariado (em 28 de agosto), o guia de captação, participação e engajamento de voluntários. O e-book reuniu estratégias para captar, manter e fidelizar voluntários.

**Foto 21** – Encontro de Líderes de Voluntariado

Em razão da pandemia, a terceira edição do evento aconteceu nos dias 1 e 2 de dezembro, por meio de videoconferência, com o tema “Conectados pela Solidariedade”.

O evento contou com a participação dos colaboradores que atuam com os voluntários nas unidades, diretores Hospitalares e gestão corporativa (Diretoria Estatutária, Diretoria Executiva e Gerentes Corporativos de áreas estratégicas para o Programa).

O evento trouxe os desafios e projetos para 2021 e, principalmente, a inserção do voluntariado à distância mediante ao cenário pandêmico. Nesse contexto, a programação contou com a participação de Bruno Barcelos Morais, especialista em sustentabilidade e voluntariado. Durante a conversa, foi possível pensar em como viabilizar o voluntariado digital, mesmo com recursos finitos.

Não é possível tratar de voluntariado sem relacionar à temática da cultura de solidariedade. Diante disso, o pedagogo e professor Aurimar Pacheco Ferreira trouxe o contexto histórico do voluntariado pautado por conceitos culturais e antropológicos.

Outra importante participação foi a do filósofo e professor Luiz Camargo Pires Neto. O docente levou temas sensíveis e necessários relacionados à espiritualidade.

Um dos propósitos que conecta o programa é acolher a todos os envolvidos. Logo, a participação de voluntários foi tão importante quanto a dos palestrantes. Os voluntários tiveram o seu momento de fala traduzida nos depoimentos do músico Fernando Orru, voluntário da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, que compartilhou sobre a saudade de sua atuação presencial na unidade. E também de Tino de Lucca, que trouxe poemas e canções com a temática de solidariedade e amor.

Por fim, as unidades hospitalares e educacionais compartilharam os aprendizados de 2020 e as novas propostas para 2021.

Perspectivas para 2021

Alinhado ao Planejamento Estratégico da Pró-Saúde, para o próximo ano, cada unidade de saúde e educação terá o seu planejamento individualizado. Assim, será possível captar voluntários conforme o perfil regional e necessidades segmentadas.

Mediante a crise sanitária ocasionada pela pandemia, por consequência, as entregas foram planejadas ao cenário atual, baseando-se no voluntariado à distância como a solução mais segura para viabilizar ações de apoio aos usuários e colaboradores.

Sendo assim, os projetos relacionados ao programa serão centrados em atividades que respeitem o distanciamento social. Como por exemplo: oficinas online, confecção de materiais (máscaras, objetos de artesanato entre outros) que contribuam com as necessidades hospitalares e educacionais.

Além disso, as unidades passarão por treinamentos divididos em módulos, que serão disponibilizados na plataforma de educação corporativa da entidade. Cada fase contará com materiais e temas específicos como voluntariado à distância, processos internos e mobilização de recursos.

Linha do Tempo Voluntariado

  • Janeiro e fevereiro: conclusão do Plano de Ação Individual das unidades pera 2021;
  • Março: suspensão das atividades presenciais do programa;
  • Abril: reestruturação do plano de ação em virtude a pandemia;
  • Maio: adequação do manual e sistema de gestão do programa para o recebimento do voluntariado à distância;
  • Junho e julho: criação de um módulo do Programa de Voluntariado foi customizado no sistema Protheus e Sisqual, a fim de cadastrar os voluntários e gerar indicadores;
  • Agosto: lançamento do e-book: Captação, Participação e Engajamento de Voluntários;
  • Setembro: as unidades de Saúde e educação foram capacitadas sobre o manuseio do sistema de gestão do programa;
  • Outubro e novembro: as unidades de Saúde e educação foram capacitadas sobre como captar, engajar e participar.
Pastoral da Saúde


A fé em períodos de pandemia

A fé é uma experiência de um contato pessoal com Deus. Através dessa relação, passamos por transformações pessoais que desenvolvem nossa espiritualidade.

Nos hospitais administrados, a Pastoral da Saúde se readaptou ao longo desse tempo de pandemia para manter o conforto espiritual aos enfermos e seus familiares e dos colaboradores que, nesse período, passaram também por inúmeras dificuldades, ao mesmo tempo em que buscou garantir a segurança física dos clérigos.

O foco foi acolher nossos irmãos que, em virtude das enfermidades, acabam se desesperançando e se sentindo sós, promovendo momentos de fé e apoio na cura através do conforto espiritual.

A atuação da Pastoral acontece em consonância com a Constituição Federal, que assegura o direito das pessoas de receber assistência religiosa. Sendo assim, a entidade mantém o compromisso de tratar, na misericórdia, o outro como irmão e irmã, tal como a missão libertadora de Cristo no mundo.

A Pastoral da Saúde criou estratégias em conjunto às unidades hospitalares administradas, próprias, de gestão e assessoradas, para manterem o atendimento religioso aos pacientes, familiares e colaboradores.

O cenário em que as famílias foram separadas para conter a disseminação da doença, algumas ficaram enlutadas sem poder se despedir dos seus e dos voluntários religiosos, que foram afastados por motivos de segurança. O desafio estava lançado. Como estender a mão ao irmão e respeitar as normas sanitárias?

Foi necessário se reinventar, em um momento tão delicado para exercer a aproximação junto aos irmãos de diversas outras maneiras. Foi o que aconteceu nas unidades de saúde gerenciadas e na Sede Administrativa.

**FOTO 22** – Voluntária da Pastoral em Marabá rezando de sua casa em prol das vítimas da COVID e pelo fim da pandemia

Além de novenas, terços, via-sacra e outras expressões de fé e oração, foram realizadas diversas atividades sociais. As ações programadas para serem desenvolvidas em 2020 foram reestruturadas. Vale destacar que, em janeiro de 2020, foi lançado o vídeo institucional da Pastoral da Saúde.

Em fevereiro, foi dado início às capacitações aos voluntários que viriam a ser aplicadas em todas as unidades — atividade que foi adia em março em razão da pandemia, mas contemplada apenas no Hospital Bom Pastor, em Guajará-Mirim.

Durante a pandemia, aumentou o número de famílias que, com o desemprego, sofreu com a falta de alimentação. Sendo assim, a Pastoral se uniu às Comissões de Humanização das unidades e arrecadou cestas básicas para famílias em necessidade.

**FOTO 23** – Colaboradores entregam cestas básicas nos arredores do hospital

A missão não parou. Ao contrário. Houve aumento de ações de diversas outras maneiras. Desde abril, foram promovidas, diariamente, missas online disponibilizadas no canal da Pró-Saúde no YouTube, totalizando aproximadamente 260 Missas.

Para a Páscoa, o coordenador da Pastoral Dom Antônio Carlos Altieri, SDB escreveu uma mensagem para as unidades e as próprias confeccionaram essa mensagem em um cartão e distribuiu para colaboradores.

Em junho, foi lançada a primeira formação para os multiplicadores e voluntários por meio de videoaula sobre a Santa Missa, atingindo, assim, o fortalecimento do vínculo com as Dioceses.

A Pastoral também apoiou o lançamento de um material feito pela Diretoria Corporativa Médica para as visitas de religiosos em período de pandemia, contendo os Sacramentos e vídeo com orientações sobre paramentação hospitalar, disponibilizado para todos os religiosos que realizavam visitas aos enfermos. Esse material também foi enviado às Dioceses.

**FOTO 24** – Cartão de Páscoa da Pastoral da Saúde

Na celebração do Círio de Nazaré, no Pará, as unidades desenvolveram diversas ações, virtualmente ou presencialmente, seguindo todas as orientações sanitárias. No Hospital Regional Público da Transamazônica, em Altamira, leigos da Catedral Diocesana rezaram do lado externo da unidade por todos os enfermos, produziram um terço grande e o rezaram pedindo a cura de todos e o fim da pandemia.

No Hospital Regional do Sudeste do Pará, em Marabá, foi celebrada a Páscoa e distribuídos chocolates com a mensagem da Pastoral para essa celebração, Corpus Christi e outras missas, encerrando com a cantata de Natal com o coral de colaboradores da unidade e a encenação de um presépio humano.

**FOTO 25** – Membros Da Igreja Católica em Altamira se reúnem em frente ao Hospital da Transamazônica para rezar o terço pedindo o fim da pandemia

**FOTO 26** – Colaboradores no H. Sudeste do Pará em Marabá encenam um presépio humano

Na Sede Administrativa, também foram realizadas várias ações. Houve o lançamento da página da Pastoral da Saúde no site institucional. Foi realizada a contagem regressiva da chegada do Menino Jesus por meio do calendário do advento — durante 25 dias, colaboradores abriram uma caixa do calendário e retiraram uma lembrança e uma mensagem da Diretoria Estatutária, compartilhando com as demais áreas ao deixar exposto no próprio calendário essa ação.

Houve ação do Dia Mundial do Pobre que, em 2020, teve um grande destaque com o apoio de diversas áreas da Sede Administrativa, cujos colaboradores se uniram para doar roupas. A área de Captação de Recursos também arrecadou junto às empresas e benfeitores, doações de kit higiene e kit lanche. Assim, foram as doações foram distribuídas em duas datas distintas, entre outubro e novembro.

A Pastoral da Saúde também firmou uma parceria com o CTA (Centro Temporário de Acolhimento Para Adultos), no bairro paulistano da Lapa, para levar doações de roupas, leite e doces para as pessoas atendidas naquele local. O objetivo dessa ação era levar a escuta e convivermos com esses nossos irmãos durante um tempo para nos aproximarmos dessa realidade.

O Dia Mundial do Pobre foi instituído pelo Papa Francisco. No Vaticano, os moradores de rua são recebidos e acolhidos pelo Papa, almoçam com ele e passam o dia.

**FOTO 27** – Pastoral celebra o Dia Mundial do Pobre no CTA-LAPA com apoio de colaboradores da Sede Administrativa

A equipe da Pastoral da Saúde está organizada da seguinte maneira:

A Pastoral da Saúde acompanha os doentes e seus familiares através de:

A Pastoral da Saúde da entidade atua em conjunto com as dioceses locais. Com o apoio dos bispos, padres e até mesmo capelães de nossas unidades, leva os Sacramentos a todos que solicitam e necessitam.

Já os voluntários vêm de diferentes realidades para nossas unidades, bem como de outras denominações cristãs, como os pastores e seus fiéis, agregando fé, esperança e amor ao irmão por meio da assistência espiritual.

A Pró-Saúde tem um olhar de gratidão ao trabalho realizado. Hoje, com fé, e amanhã, com a esperança — toda semente lançada dará o bom fruto da caridade, que, nessa Pastoral, reanima e fortifica.

Linha do Tempo da Pastoral 2020

  • Janeiro: Lançamento do vídeo institucional da Pastoral
  • Fevereiro: Capacitação presencial nas unidades hospitalares para multiplicadores e voluntários religiosos (Foto 05)
  • Março: Suspensão do atendimento presencial dos voluntários religiosos
  • Abril: Início das missas online celebradas diariamente e lançadas no canal da Pró-Saúde, no YouTube
  • Maio: Oração do Santo Terço durante todo o mês mariano (maio) e Novena pelo fim da pandemia
  • Junho e julho: Curso de Formação sobre a Santa Missa para colaboradores, voluntários, e dioceses locais
  • Agosto: Elaboração do Manual Assistencial junto à Diretoria Médica para visitas dos religiosos nos hospitais em tempos de Pandemia
    — Elaboração do livro de ritual próprio da Unção dos Enfermos para as unidades hospitalares e Dioceses
  • Setembro: Lançamento da página da Pastoral no site da Pró-Saúde
  • Outubro: Oração do Santo Terço durante todo o mês dedicado à Nossa Senhora do Rosário e Novena de Nossa Senhora Aparecida
    — Ação do Dia Mundial do Pobre, no CTA-LAPA
    — Celebrações do Círio de Nazaré nas unidades gerenciadas no Pará
  • Novembro: Ação do Dia Mundial do Pobre no CTA-LAPA
  • Dezembro: Novena de Natal: Tempo do Advento, calendário com contagem regressiva para a chegada do Menino Deus com mensagens dos padres e bispos da Pró-Saúde
Filantropia

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica reconhecida pelo Ministério da Saúde, por meio do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS). A certificação é concedida à Pessoa Jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, pela prestação de serviços na área da saúde.

Para ser considerada uma entidade filantrópica, a Pró-Saúde deve dispor ao Sistema Único de Saúde (SUS) pelo menos 60% de seus atendimentos, o que vem sendo cumprido anualmente **(vide página X)**.

A entidade é avaliada por critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde, que buscam garantir o cumprimento dos requisitos legais, bem como a universalidade do atendimento e a transparência dos seus processos.

Pensando no fortalecimento do cumprimento dos requisitos, além da manutenção do seu CEBAS, a entidade desenvolveu a uma gama de controles e monitoramentos sistematizados que são praticados periodicamente.

Com atuação também na área da educação, é dever da entidade o cumprimento de requisitos estabelecidos pelo Ministério da Educação. Neste sentido, monitoramentos internos foram criados para garantir a efetivação das obrigações.

Saúde

Dados gerais:

  • Pacientes-Dia: 312.453
  • Atendimento Ambulatorial: 1.887.046
  • Leitos: 1.518
  • Partos: 5.203
  • Cirurgias: 35.732

Rede Própria

  • Pacientes-Dia: 42.892
  • Atendimento Ambulatorial: 186.815
  • Leitos: 398
  • Partos: 3.575
  • Cirurgias: 6.498

Rede de Gestão

  • Pacientes-Dia: 269.561
  • Atendimento Ambulatorial: 1.700.231
  • Leitos: 1.120
  • Partos: 1.628
  • Cirurgias: 29.234

Percentual total de atendimentos SUS: 79,16%

 Fonte: Datasus (CNES e TabWin) e BI
Educação


Crianças Matriculadas: 651

Média de 180 dias utilizando a plataforma como principal meio de comunicação com as famílias, totalizando uma média de 1.440 postagens.

Dia Nacional da Filantropia

Com o objetivo de reconhecer o trabalho desenvolvido por instituições como Pró-Saúde, em 2019 foi instituído o Dia Nacional da Filantropia por meio da lei 13.925, com as atuantes no setor filantrópico do país.

De acordo com o Fórum Nacional das Entidades Filantrópicas (FONIF), “a proposta para a criação do Dia Nacional da Filantropia surgiu a partir de esforços do Fórum, que pleiteou perante o Congresso Nacional este reconhecimento às mais de 9 mil entidades filantrópicas que atuam no país e cujo trabalho beneficia a vida de milhões de brasileiros”.

Essa demanda crescente exige das organizações do Terceiro Setor, o desenvolvimento do discurso institucional com o propósito de garantir o entendimento pleno dos seus colaboradores e usuários sobre o que é e qual o propósito da Filantropia.

Este cenário serviu de inspiração para que a Pró-Saúde, reconhecendo a importância de abordar a temática, criasse uma agenda especial sobre o tema para outubro, mês em que é celebrado o Dia Nacional da Filantropia (20/10).

Com 16 mil colaboradores a entidade filantrópica, que realiza gestão de serviços hospitalares, é uma das maiores do país e atende mais de um milhão de pacientes por mês.

A relevância do tema ganha uma dimensão maior, conforme aponta o FONIF, quando a imunidade tributária das entidades filantrópicas no país está ameaçada, sendo necessário e importante difundir o conhecimento sobre a atuação e a importância das entidades filantrópicas no país.

*Foto 1* – Logo Aqui tem Filantropia

*Inserir QR Code com os vídeos do Youtube do mês da Filantropia*

*Filantropia em números*

Interações socio comunitárias

Entregar valor, especialmente em período de pandemia, representa proteger a vida das pessoas

A pandemia nos trouxe a vivência de momentos difíceis e coletivos. A solidariedade se fortaleceu entre os colaboradores e comunidade para acolher um ao outro de forma cuidadosa e de humanizada — um dos nossos valores institucionais.

É inegável, no tempo atual, a preocupação com o sofrimento do outro, uma vez que a dor que a pandemia trouxe não se faz individual, mas coletivamente. É possível identificar maravilhosas ações altruístas (tanto pessoais quanto corporativas), auxílios financeiros, de material hospitalar, como respiradores, EPIs, álcool gel, entre outros, e de um bem ainda mais valioso: o tempo.

Frente aos altos índices de desemprego que foi acentuado pela pandemia, bem como o isolamento social e todas as fragilidades, a Pró-Saúde buscou minimizar as vulnerabilidades, movidos por um dos valores da Pró-Saúde: tratar, na misericórdia, o outro como irmão e irmã.

Dessa forma, ao longo do ano de 2020, permaneceu expandindo a atuação, com diversas iniciativas para extramuro onde atua através de campanhas solidárias para doação às famílias e instituições, e utilizando o capital intelectual para disseminar conhecimento e a promoção à saúde.

As campanhas institucionais, tais como Junho Solidário e Campanha do Natal foram iniciativas de extrema importância para este ano. O Programa Ação do bem foi um grande aliado na busca por estratégias de impacto social em todas as unidades administradas através de movimentos bastantes significativos que proporcionam qualidade de vida tanto para o público interno quanto externo.

O desenvolvimento dos projetos visa tornar práticos os valores defendidos pela Pró-Saúde através da qualidade de vida fornecida aos colaboradores, usuários e à população de forma geral, podendo, assim, se posicionar a cada dia como uma entidade que valoriza a vida.

Programa Ação do Bem:

Mapa da Solidariedade

Documento disponibilizado pela Filantropia para as equipes de Serviço Social das unidades, contendo referências de locais que estavam prestando algum tipo de assistência social de forma gratuita. Este documento teve objetivo de direcionar os usuários atendidos nas unidades sobre serviços públicos e gratuitos do município.

Junho Solidário

+900

Itens

arrecadados

Os profissionais dos hospitais realizaram um grande gesto de solidariedade ao arrecadarem, ao longo do mês de junho, alimentos, kits de higiene, máscara e peças de roupas e sapatos. Os itens foram distribuídos para famílias em situação de vulnerabilidade social em diversos estados do país.

*Foto 01* – Junho Solidário no Hospital Materno Infantil de Barcarena

*Foto 02* – Junho Solidário no Hospital Cinco de Outubro

*Foto 03* – Junho Solidário no Hospital Yutaka Takeda

*Foto 04* – Junho Solidário no Hospital Regional Sudeste do Pará

Outras iniciativas de ações extra-muros:

*Foto 05* – Janeiro Branco Hospital São Luiz

*Foto 06* – Projeto Resgatando Vidas – Hospital Bom Pastor

*Foto 07* – Curso Cuidador de Idosos – Hospital Cinco de Outubro

Como foi a Ação do Bem

Campanha nas Unidades Educacionais

Educação e Solidariedade em tempos de pandemia

Devido a pandemia as atividades presenciais nas unidades educacionais foram suspensas. Neste período, as equipes gestoras, seguindo as normativas vigentes, efetivaram canais de comunicação com as famílias com o objetivo de incentivar práticas pedagógicas possíveis no ambiente caseiro e, principalmente, apoiar as famílias em suas necessidades, por meio de uma escuta atenta e qualificada, validando seus medos e inseguranças.

Os responsáveis pelas crianças compartilharam muitas dificuldades e preocupações em manter o isolamento social para proteger a saúde das crianças e suas famílias.

Anualmente os Centros de Educação Infantil localizados na zona leste da cidade de São Paulo realizavam a Campanha do Agasalho, que contou com doações de peças novas para todas as crianças atendidas.

Em 2020, a campanha arrecadou cestas de alimentos e higiene, máscaras de proteção infantil e álcool em gel. A ação foi nomeada de

Ação do Bem– Covid-19”.

A Pró-Saúde beneficiou 100% das famílias atendidas, realizando a entrega de 326 cestas básicas, beneficiando diretamente 650 famílias atendidas nas unidades.

*Foto 08* – CEI Santa Rita

*Foto 09* – CEI Lajeado

*Foto 10* – CEI São Jorge

*Foto 11*– CEI no Jardim Eliane (pendente)

3261.200858
Cestas básicasFrascos de álcool gelMáscaras infantis


Com açúcar, com afeto — uma doce ação pedagógica

No momento em que as pessoas ficaram carentes de contato, afeto e escuta, a busca por soluções para a manutenção das relações interpessoais, junto as famílias e crianças matriculadas, foi um desafio para as equipes das unidades educacionais.

Com a parceria da Bacio Di Latte, que realizou uma doação de mais de 13.500 tabletes de chocolate, as gestoras viram uma oportunidade de aliar o repasse dessa doação com ação pedagógica. As famílias foram convidadas a participar da Parada da Saudade em que, seguindo todos os regramentos sanitários exigidos pela situação de pandemia, receberam chocolates e uma caixa e/ou sacola com diversas materialidades (papeis diversos, pinhas, tecidos, tinta, cola, pinceis, terra, garrafas pet, papelão, entre outros) para desenvolverem atividades em suas casas.

Por um encarte, as famílias receberam diversas sugestões de atividades para utilizarem os materiais com as crianças em casa, além do suporte e orientação dos professores por meio das plataformas digitais.

*Foto 12* – Entrega de chocolates

Mês da Filantropia — Campanha “Aqui tem Filantropia”

As unidades de saúde, para além da disseminação dos conteúdos sobre o que é Filantropia (vide página x), organizaram através de ações solidárias que colocam em prática o significado da palavra Filantropia: “Amor a Humanidade”.

*Foto 13* – Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência:

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência realizou a arrecadação interna com os colaboradores de itens como: roupas, sapatos, produtos de higiene, bolsas e cestas e após a adequada higienização destinou à Associação de Catadores da Coleta Seletiva de Belém (ACCSB).

*Foto 14* – Hospital 5 de Outubro

A Campanha Aqui tem Filantropia foi articulada junto ao Outubro Rosa. O hospital realizou palestras para o público externo em parceria com Agência de Canaã, que abordou o tema do Câncer de Mama. Além de palestras sobre a importância da prevenção ao câncer de mama, houve sorteios de brindes, disponibilizando gratuitamente 14 consultas com ginecologista e exame de mamografia.

Campanha do Natal — Uma história de Solidariedade (Unidades de Saúde)

Junho Solidário

+ de 1.000 itens

arrecadados (brinquedos

e cestas básicas)

Com o tema “Uma história de solidariedade”, os colaboradores dos hospitais foram convidados a proporcionar aos pacientes, familiares e colegas de trabalho, momentos especiais, que fogem à rotina, para que pudessem remetê-los ao clima natalino compartilhado pela sociedade de modo geral. Cada hospital realizou uma atividade com o tema “Uma história de solidariedade”.

*Foto 15* – Campanha do Natal Hospital Bom Pastor – Entrega de cestas básicas para a comunidade indígena

*Foto 16* – Campanha do Natal no Hospital Regional do Baixo Amazonas (pendente)

Campanha do Natal – Cinco Anos de Solidariedade (CEIS)

+650 brinquedos

Em 2020, com o tema “5 anos de solidariedade”, a Campanha de Natal em benefício das crianças atendidas nos Centros de Educação Infantil mobilizou colaboradores da Sede Administrava e contou com a parceria com empresa Bacio di Latte. Assim, foi possível distribuir brinquedos, sorvetes e sacolinhas com guloseimas para as mais de 650 crianças, considerando os protocolos sanitários impostos pela situação de pandemia de distanciamento e higienização.

**Foto 17** – Entrega de brinquedos, sorvetes e sacolinha nos Centros Educacionais

**Foto 18** – Criança atendida pelo CEI tomando sorvete na empresa Bacio di Latte

Educação na primeira infância

Jornada de aprendizagem durante a pandemia 

+50 ações

solidárias realizadas

A Pró-Saúde reorganizou os processos de trabalho relacionados os Centros de Educação Infantil (CEI) que gerencia na capital paulista, com o objetivo de garantir a valorização do profissional da Educação, além de manter a aproximação da família nos processos de ensino-aprendizagem.

Foram estabelecidas novas metodologias utilizando a tecnologia como recurso para atuação nas unidades Jardim Eliane, Jardim São Jorge, Lajeado e Santa Rita.

Os quatro CEIs marcam a atuação de mais de 20 anos da Pró-Saúde na primeira infância, por meio de parceria (público-privada) firmada com a Prefeitura de São Paulo.

Todo esse trabalho tático e operacional ocorre em conjunto com a Sede Administrativa da Pró-Saúde. Nela existe uma equipe composta por pedagogo, administrativo, psicólogo e assistente social, responsáveis pela supervisão das atividades. Além disso, toda a inteligência em gestão da organização, também, é viabilizada por meio de rigorosos sistemas de controle e indicadores de qualidade.

Considerando as medidas de isolamento social e as diretrizes do município para os processos educativos, a equipe pedagógica e administrativa centrou seus esforços na capacitação de colaboradores para atender as necessidades das crianças e familiares que frequentem as unidades, de forma qualificada, mesmo que a distância.

A escolha da Pró-Saúde de antecipar cenários favoreceu a adesão dos colaboradores e familiares às normas de educação remota estabelecidas pelo município, tanto para utilização da plataforma de ensino quanto para o desenvolvimento da autogestão dos professores.

Neste sentido, foi possível estabelecer abordagens pedagógicas capazes de fomentar relações saudáveis, durante o isolamento social.

Alinhada à essa necessidade, o Projeto Político Pedagógico anual foi revisado, considerando que educação remota, diante de um cenário desigual, nem sempre é a melhor alternativa, visto que as crianças e familiares, estão situadas em regiões de extrema vulnerabilidade e não contam com recursos como internet, computador e celular para desenvolver as atividades.

Possibilidades de brincar com destaque na mídia nacional

Após considerar a limitação de recursos, toda a equipe se mobilizou na confecção de kits pedagógicos feitos de materiais diversos, para que as crianças e os pais pudessem utilizá-los em suas casas, a iniciativa foi tão bem recebida pela comunidade escolar que a equipe pedagógica corporativa foi destaque em meios de comunicação de grande alcance da Rede Globo: o jornal  SPTV e a Revista Crescer.

**Imagem 01** – Matéria SP1

**Imagem 02** – Matéria Bom dia SP

**Imagem 03** – Matéria Revista Crescer

Repensar os projetos em prol da infância

Com a suspensão das atividades presenciais em razão da pandemia e a necessidade de dar continuidade ao processo de desenvolvimento dos bebês e crianças de forma virtual, as equipes das unidades foram desafiadas a pensar em educação infantil a distância.

Era quase impossível prever o desenvolvimento das ações sem a presença, o contato e a dinâmica que se dá de forma muito concreta nessa faixa etária. Foi necessário reformular propostas pedagógicas, tendo como prioridade as necessidades socioemocionais das crianças colaboradores e comunidade escolar.

Desde então, a equipe pedagógica corporativa passou a se reunir, periodicamente, com a direção e coordenação das unidades, a fim de alinhar as atividades às medidas de isolamento social impostas pela pandemia.

**Imagem 07** – Equipe gestora

**Imagem 08** – Coordenadoras Pedagógicas

Na prática, essa demanda foi dividida em quatro dimensões: pedagógica; comunitária; saúde e cidadania; formação e capacitação continuada.

Para cada divisão foi desenvolvida uma metodologia composta por metas e indicadores alinhados aos Indicadores de Qualidade da Educação Infantil Paulistana, ao Currículo da Cidade-Educação Infantil e Trilhas de Aprendizagens, esta última desenvolvida pelo município para ser aplicado nesse período de pandemia.

**Imagem 04** – Currículo da Cidade

**Imagem 05** – Trilhas da Aprendizagem

**Imagem 06** – Indicadores de Qualidade

Inicialmente, os esforços foram centrados nas capacitações e formações continuadas, pois a suspensão das atividades presenciais trouxe a necessidade de adaptação às novas tecnologias das quais os pais e professores não estavam familiarizados.

Por meio de ferramentas virtuais disponíveis — Facebook, Google Classroom, aplicativos de mensagens, e-mail e telefone — foi possível manter o vínculo e contato com as famílias possibilitando, minimamente, a manutenção das atividades pedagógicas com as crianças e apoio para as famílias.

Em tempos de pandemia, cuidado e atenção aos detalhes

Cada livro, uma história. Cada história, uma viagem!

Promover o acesso a livros e incentivar o hábito da leitura está entre as propostas permanentes das unidades educacionais. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Itaú Cultural, apenas pouco mais da metade dos brasileiros tem hábitos de leitura.

O cenário de pandemia exige atenção especial às situações que podem impactar de forma significativa o desenvolvimento dos pequenos.

Boa parte das crianças sob responsabilidade da Pró-Saúde não possuía acesso a livros físicos ou arquivos virtuais, consequência da falta de recursos ou até mesmo da cultura familiar.

Assim, a Pró-Saúde realizou uma grande mobilização para a compra de livros. Seguindo com rigor todos os regramentos sanitários impostos devido a pandemia, os exemplares foram entregues para todas as crianças, juntamente com materiais diversos e sugestões de como organizar cantinhos de leitura com recursos caseiros.

**Imagem 09**

**Imagem 10**

**Imagem 11**

**Imagem 12**

**Imagem 13**

**Imagem 14**

Acolher: o cuidado com a marca do trabalho em tempos de Covid-19

A Pró-Saúde, partindo do princípio da escuta acolhedora e humanizada, realizou o Projeto Conexões de Afeto, envolvendo pesquisas com o intuito de mapear as necessidades socioemocionais e profissionais dos colaboradores. O resultado das pesquisas favoreceu o planejamento das capacitações contínuas.

10º Seminário de Educação Infantil: desenvolvimento infantil mediante a pandemia

O 10º Seminário de Educação Infantil, pela primeira vez, foi realizado a distância. O tema foi “Esperançar: Um Diálogo Encantador em Direção ao Futuro”.

Profissionais de educação que atuam nos CEIs tiveram acesso a temáticas sobre metodologias de ensino à distância e o preparo profissional e psicológico dos educadores no futuro retorno às atividades aulas presenciais, além de muita música, poesia e história.

No primeiro dia do evento, participaram Tino de Lucca, educador, músico e integrante do grupo Trovadores Urbanos; Nelson Gonçalves, escritor e pedagogo; e Gidalva Santos, supervisora escolar da Diretoria Regional de Ensino-Itaquera.

Ao longo da transmissão, os participantes foram apresentados a temas sobre musicalidade, atuação remota e perspectivas para o município.

Já no segundo dia, temas relacionados a atuação com bebês e crianças pequenas foi ministrado pelo pedagogo e especialista em educação infantil Jonathas Muller.

A ludicidade e contação de histórias foram evidenciados na fala de Kiara Terra, escritora e criadora do método de narração “A História Aberta”. Ela compartilhou formas de estimular a inserção do público em diferentes narrativas.

Ao longo de dez anos, o seminário busca despertar nos convidados múltiplas interações envolvendo o desenvolvimento infantil — entendido como empreitada cotidiana — presente em diversos contextos relacionais a família, escola e comunidade, condição que atribui à criança autonomia durante as experiências vividas na infância.

**Imagem 15**

**Imagem 16** – Kiara Terra

**Imagem 17** – Abertura Dom João Bosco

**Imagem 18** – Tino de Lucca

Garantia e ampliação de direitos da comunidade escolar

Dados do coletivo Nossa São Paulo mostram que a desigualdade e vulnerabilidade no município segue em curva crescente nos últimos anos. Na Zona Leste da capital — onde estão localizados os Centros de Educação Infantil gerenciados pela Pró-Saúde — este cenário se acentua.

Trata-se de uma condição em que a maioria das crianças atendidas só realizava alimentação, de forma regular, durante o atendimento na escola, condicionando a qualidade nutricional ao atendimento presencial, conforme apontou um estudo feito pela Pró-Saúde.

Outro levantamento concluiu que a crise sanitária causada pela Covid-19 agravou a situação socioeconômica da comunidade escolar (em sua maioria, trabalhadores informais, sem renda fixa).

Diante disso, a entidade intensificou o contato com a Secretária Municipal de Educação de São Paulo e passou a monitorar continuamente a agenda pública para pandemia, no que tange a educação infantil e rede conveniada (parceria público-privada).

A consolidação dessas informações, alinhadas às políticas públicas vigentes, possibilitou à comunidade escolar o esclarecimento de dúvidas; orientações quanto à garantia de direitos das crianças; benefícios e gratuidades fornecidas pelo município durante a pandemia.

A Pró-Saúde, por meio do seu Programa Ação do Bem, mobilizou recursos para fornecer insumos para as crianças, familiares e colaboradores que dependem dos serviços prestados por essas unidades.

Durante a entrega dos itens (fruto de campanhas de cunho emergencial) foram disponibilizados folhetos informativos, a fim de orientar sobre medidas para a não proliferação do vírus, bem como materiais de cunho pedagógico para que as famílias desenvolvessem atividades com os bebês e crianças, apoiados e orientados pelas professoras.

Pensar no futuro é pensar na infância — de onde partimos e o que nos inspira

Mesmo em épocas difíceis, o lúdico e o brincar não podem ser deixados de lado na vida das crianças. Por isso, em 2021 — até que as atividades aulas presenciais sejam serão retomadas —, as equipes estão estruturando em seu planejamento anual propostas para que as necessidades da infância sejam tratadas com urgência.

A janela de oportunidades contidas nesta idade é decisiva, para o desenvolvimento de habilidades que acompanharão os pequenos por toda a vida.

A qualidade no serviço será enriquecida de práticas pedagógicas, apropriadas ao cenário atual, considerando a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), os direitos de aprendizagem, as demandas das famílias e as diretrizes municipais.

Como as crianças e bebês se desenvolvem a partir da experiência, a proposta será levar até às famílias atividades para que eles possam realizar com as crianças.

Também, espera-se para 2021 a implantação do Programa Primeira Infância, que levará a condição infantil a diferentes espaços, tempos e estímulos, por meio de projetos embasados pelos eixos do brincar e das interações, possibilitando uma infância cheia de protagonismo e autoria, ao mesmo tempo em que cumpre os direitos básicos e fundamentais para o bom desenvolvimento dos bebês e crianças.

Gestão de Pessoas


Diante do contexto da pandemia, a área de Gestão de Pessoas também se readequou. Além de promover os propósitos já instituídos — Planejamento e Desenvolvimento Organizacional, Desenvolvimento de Pessoas, Operação e Serviços de Recursos Humanos — houve empenho em manter os colaboradores engajados em desenvolver e implantar projetos em benefício do avanço organizacional.

  • Processo piloto de avaliação de competências e potencial e Comitê de Moderação — O Comitê de Moderação é uma reunião que tem como principal objetivo validar os resultados das avaliações com perspectiva de conjunto. A avaliação de competências, analisa as características comportamentais pré-estabelecidas, ligadas à excelência do desempenho em determinada função, tendo como base um período passado. Já a avaliação de potencial, busca a compreensão da curva de amadurecimento e a tendência da capacidade potencial futura do profissional.
  • Mapeamento de plano sucessório para posições chave — são aquelas consideradas de alto risco à continuidade do negócio, caso não exista profissional capacitado para ocupá-las. Já o plano de sucessão trata-se do mapa de potenciais profissionais que, em um período estabelecido, potencialmente poderão assumir tais posições de risco.
  • Preparação da liderança para a realização de práticas, tais como feedback e Plano de Desenvolvimento Individual (PDI).
  • Reestruturação do processo de entrevista de desligamento voluntário.
  • Parcerias educacionais — Obter desconto na mensalidade de determinados cursos.
  • Realização de formações e capacitações — Por meio da plataforma de Ensino à Distância, focar na existência da instituição e não necessariamente nos cursos, que atualmente são bem diversos.

Somados a tais projetos, outras ações foram instituídas e processos adaptados, para que fosse possível contribuir em barrar o contágio pelo novo coronavírus, por meio da realização das atividades de forma segura.

Ações de apoio ao Capital Humano

Para assegurar o cuidado e o maior número de colaboradores possíveis em condições físicas e emocionais em atividade durante a pandemia, foram realizadas ações de reconhecimento e fortalecimento destes profissionais. A instituição entende que o capital humano tem que ser cuidado e valorizado, estando atenta à sua saúde e necessidades do momento. Pensar na saúde do colaborador é evidenciar a valorização da vida.

Homenagens aos profissionais de saúde durante a Semana da Enfermagem

A iniciativa fez parte da campanha “Vocês Estão Fazendo História”, que estendeu as homenagens para todo o mês de maio. A valorização dos profissionais de Enfermagem é o destaque da campanha, que buscou estimular o respeito e a gratidão aos profissionais neste momento de pandemia.

As ações previstas na campanha também buscaram contribuir para a redução dos casos de violência contra esses profissionais. De acordo com os dados da Pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil, realizada pelo Conselho Federal de Enfermagem (COFEN), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em 2015, 26,3% dos profissionais entrevistados já haviam sofrido violência verbal e 15,6% violência física.

**Foto 01** – Semana da Enfermagem Fonte: Hospital 5 de Outubro

O Hospital 5 de Outubro realizou uma exposição fotográfica para promover a valorização dos profissionais de Enfermagem em tempo de pandemia. A série fotográfica, visou apresentar profissionais que estiveram na linha de frente do atendimento aos casos de Covid-19. Com seus Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) utilizados no atendimento assistencial, como máscaras, óculos, aventais e toucas, eles se igualaram à conduta praticada nas unidades hospitalares, com suas histórias, rostos, famílias, sonhos, escolhas e até renúncias pessoais, em um momento tão importante. Para a campanha, alguns profissionais foram fotografados no início ao final dos plantões.

**Foto 02** – Exposição Fotográfica

Mural Digital de recados: O carinho em forma de palavras

+100 mensagens de apoio,

reconhecimento e gratidão

foram recebidas

Em abril, a Pró-Saúde criou um mural de recados no site institucional. Este mural teve por objetivo permitir o envio de mensagens de homenagens, agradecimento e apoio aos profissionais que atuam nos hospitais. Na prática, o serviço funcionou como um mural digital, que valorizou o trabalho dos profissionais de saúde, além de demonstrar o carinho e respeito com mensagens de apoio e incentivo.

Luciana Murari escrito em 18/05/2020: Todo meu agradecimento aos que se dedicam integralmente aos cuidados dos que mais precisam neste momento, por muitas vezes irem além de suas limitações e pela total dedicação a profissão que escolheram. Gratidão!

“Érica Medeiros escrito em 17/05/2020: Muito obrigada pela força e motivação em combater diariamente o coronavírus! Agradeço também por tratarem cada paciente com carinho!”

“Natalia Failache escrito em 14/04/2020: A vocês bravos profissionais, incansáveis, que desempenham sua profissão com amor, sobretudo amor ao próximo, com empatia, fazendo de tudo que estiver ao alcance para tornar esse período o mais ameno possível. Deixo aqui a minha gratidão, a minha solidariedade e a certeza que venceremos juntos esse momento conturbado. Que Deus os abençoe e os protejam de todo mal.”

“Jefferson Alves Silva escrito em 16/05/2020: Força guerreiros, tenham certeza que Deus está com cada um de vocês nessa luta diária. Gratidão pela dedicação, coragem e por acreditar que sairemos todos dessa muito mais fortes! Deus os abençoe!

“Bruno Tadeu da Silva escrito em 26/05/2020: Desejo a todos os profissionais da saúde todas bençãos e sorte possível. Espere que tudo isso passe logo e que todos fiquem bem!”

Para além do mural online, cada unidade em seu território se organizou para que as mensagens ficassem ainda mais próximas dos colaboradores e estenderam essa iniciativa realizando troca de mensagens entre os colaboradores, com frases e mensagens de incentivo e reconhecimento profissional. Algumas unidades ainda reuniram cartinhas de agradecimento deixadas pelos pacientes e disponibiliza de imediato para a equipe. As mensagens retroalimentam o desejo das equipes em fazer a diferença.

**Foto 03** – Mural para os profissionais – HSL

**Foto 04** – Mural Homenagem HRSP

Cuidado com a saúde mental

O cuidado com a saúde mental também foi um foco de atuação da Pró-Saúde. Diversas iniciativas dessa natureza foram realizadas:

Vídeos sobre cuidados com a saúde mental no canal do YouTube da Pró-Saúde

Série de vídeos com os psicólogos hospitalares, orientando sobre os cuidados em saúde, como manter esse cuidado e fortalecer hábitos positivos já existentes.

Acolhimento psicológico nas unidades administradas

**Foto 05** – AcolhiPsi

Projeto ofereceu atendimento psicológico para todos os profissionais de saúde do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua.

Interações afetivas: atividades de humanização para os colaboradores

**Foto 06** – Projeto Conexão HSL

**Foto 07** – Dia da gentileza na Sede Administrativa

**Foto 08** – Aniversariantes do mês na UPA

Com o propósito de aproximar os colaboradores e desenvolver uma cultura interna de gestão participativa, diversas unidades permaneceram e outras iniciaram o “Café com Gestor”, uma prática que promoveu, periodicamente, momentos entre gestão e operação. Essa iniciativa foi fortalecida durante o período da pandemia, uma oportunidade para disseminar os objetivos estratégicos, sendo um instrumento valioso na construção de mudanças, contribuindo para tornar o atendimento mais eficaz/efetivo e motivador para as equipes de trabalho, como prevê a Política Nacional de Humanização.

**Foto 09** – Café com Diretores Hospital Cinco de Outubro

**Foto 10** – Café com Diretores Hospital Madre de Di

As intervenções voltadas à saúde do trabalhador com ênfase nas práticas integrativas em ambiente hospitalar contribuíram de forma positiva, com um olhar humanizado, buscando a integralidade do ser, promovendo a saúde e bem-estar durante o período de pandemia.

Capacitações e treinamentos

A educação permanente é reconhecida pela Pró-Saúde como uma prática essencial. Sua consolidação é estimulada, na medida que a aprendizagem proporciona ao colaborador a possibilidade de incorporar novos conhecimentos e habilidades e contribui para que a organização alcance os objetivos e esteja habilitada a enfrentar os desafios que lhe são apresentados.

Em 2020, a instituição aplicou 3.577 treinamentos, distribuídos da seguinte forma:

RegiãoSul e Sudeste – 2019Sul e Sudeste – 2020Norte e Nordeste – 2019Norte e Nordeste – 2020Centro-Oeste – 2019Centro-Oeste – 2020
Capacitação Interna44242640832783
Capacitação Externa66139389229
Total50856544723012

 

Administração de Pessoal


Para seguir os protocolos de segurança sanitária recomendada pelas autoridades, a Pró-Saúde implantou o trabalho remoto, amparada pelo Art. 4ª da MP 927/2020. Inicialmente, o modelo de teletrabalho que era visto ainda com receio por parte de algumas instituições, passou a ser uma alternativa viável e obrigaram as organizações a se adaptarem com brevidade.

Por meio de uma cartilha criada em conjunto pela área de Gestão de Pessoas, SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho) e Jurídico, foi possível implementar e adaptar as rotinas de forma rápida e esclarecedora aos colaboradores da Sede Administrativa.

Os processos de recrutamento e seleção também foram impactados e no início da pandemia e passaram a ser 100% online, trazendo agilidade e menos burocracias nos processos admissionais.

Houve um aumento significativo de contratações nas unidades de saúde, exigindo maior flexibilização e criatividade na área de Administração de Pessoal para que os processos fossem feitos dentro dos prazos legais, sem impactar na operação das unidades de saúde.

O cuidado com a saúde dos colaboradores, em especial para aqueles que se enquadraram no grupo de risco, também foi uma preocupação da Pró-Saúde. Durante o estado de calamidade pública, algumas ações foram tomadas nas unidades:

  • Redução de Jornada de Trabalho nos Centros de Educação Infantil, sem que houvesse alteração nos valores do salário;
  • Concessão e antecipação de férias;
  • Banco de horas. Amparados pela Lei 13.467/2017 (Reforma Trabalhista), foi padronizado os acordos individuais de banco de horas em todas as nossas unidades gerenciadas e Sede Administrativa, o que permitiu flexibilidade nas jornadas de trabalho, por meio das seguintes medidas:
  • Possibilidade de compensação de acordo com a sazonalidade do setor. Em dias de maior fluxo de trabalho, o colaborador pode estender o horário para compensação prévia ou futura, respeitando o período do banco de horas de 180 dias;
  • Possibilidade de negociação entre gestor e colaborador para concessão de folgas em dias estratégico para ambas as partes, possibilitando redução no absenteísmo.

Pesquisa

Em julho de 2010, a Pró-Saúde realizou, por meio de seu Comitê de Gestão de Pessoas, pesquisa junto aos colaboradores da Sede Administra para aferir o feedback relativo ao trabalho remoto.

A pesquisa foi aplicada por meio digital. Dos 253 colaboradores em atividade à época, 184 responderam às questões (72% de adesão).

Considerando o universo de colaboradores que desempenharam atividade remota (90%), os principais resultados são:

Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT)

As medidas de saúde e segurança no trabalho dizem respeito a diversos programas implementados visando a saúde e segurança dos colaboradores no contexto da pandemia.  Também considerando a crise econômica e sanitária reforçadas pela existência de diferentes realidades no ambiente de trabalho, com pessoas exercendo suas atividades em diversas modalidades — seja em trabalho remoto ou presencialmente. Em ambos os casos, a saúde e a segurança passaram a ganhar ainda mais importância com as ações de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus.

Em relação as ações desenvolvidas, destacam-se alguns programas de promoção da preservação do ambiente de trabalho.

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), tem como objetivo principal trabalhar junto com o SESMT, acerca das questões relacionadas à segurança do colaborador. São realizadas reuniões mensais, com pautas de ações preventivas e corretivas, para redução de acidentes e doenças ocupacionais.

Durante a pandemia, foi publicada a medida provisória 927, de 22 março de 2020. No capítulo VII, que trada da suspensão de exigência administrativa em segurança do trabalho, houve a suspensão das atividades da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. Mas a medida 927 perdeu seus efeitos em julho de 2020 e as reuniões foram retomadas, com foco na prevenção de contaminação da Covid-19. Os membros da CIPA tiveram a oportunidade de atuar com mais coerência na fiscalização do uso de EPIs, higienização das mãos e também colaborando na gestão dos protocolos de prevenção. As demais demandas da CIPA continuaram.

Programas de Prevenção dos Riscos Ambientais (PPRA) — Visa preservar a saúde e integridade física dos colaboradores por meio do reconhecimento e da antecipação dos riscos existentes no ambiente de trabalho. Além de reconhecer os agentes ambientais como recomenda a Norma Regulamentadora 09, foi inserido um anexo voltado apenas para as atividades que envolvem a assistência aos pacientes contaminados com Covid-19. Medidas preventivas e protocolos também foram adotados a fim de evitar a transmissão do vírus durante a assistência. Foram direcionadas equipes e setores exclusivos para o atendimento aos casos de Covid-19, com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde. O objetivo principal deste anexo do PPRA foi a padronização de protocolos de segurança, intensificando as medidas de biossegurança, prevenção e controle de infecção aos profissionais que atuam nos serviços de saúde, para evitar e/ou reduzir ao mínimo a transmissão de microrganismos durante a assistência ao paciente.

Campanhas de vacinação e exames periódicos — Conjunto amplo de ações para a boa gestão da saúde, privilegiando o instrumental clínico-epidemiológico na abordagem entre saúde e o trabalho. Foi realizado um trabalhado diário com sistemática de controle de vacinas. Com a pandemia, não houve impacto no controle de vacinas descritas no PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional) das unidades. Os exames ocupacionais seguiram a recomendação do Medida Provisória 927-22/2020. Outras unidades optaram pelos protocolos de prevenção de contaminação e conseguiram realizar os exames.

Neste ano pandêmico, o maior desafio foi ministrar os treinamentos e atingir quórum suficiente. A Pró-Saúde disponibilizou ferramentas eletrônicas e comunicação visual para a realização dos treinamentos. Foram implantados também protocolos sanitários nos auditórios com o mínimo de pessoas evitando aglomeração.

Foram desenvolvidas atividades que buscaram valorização e os treinamentos periódicos, encontros profissionais, palestras, programas de prevenção de doenças ocupacionais e acidentes do trabalho.

Treinamentos direcionados aos colaboradores das unidades gerenciadas pela Pró-Saúde, com abordagem com os principais temas:

  • Ação educativa de prevenção ao contágio do novo coronavírus e uso racional de EPIS;
  • Ação educativa sobre saúde mental em tempos de pandemia;
  • Brigada de incêndio;
  • Cuidados para a prevenção do novo coronavírus em casa;
  • Curso de CIPA;
  • Fluxos de acesso/atendimento;
  • EPIS, higiene de mãos e etiqueta respiratória;
  • Manual de biossegurança;
  • Uso dos adornos NC 4001/4002;
  • Norma regulamentadora 6 e 17 — EPI e Ergonomia;
  • Norma Regulamentadora NR 06 — EPI, orientação de uso, guarda, conservação e entrega de máscara PFF2 ou N95;
  • Plano de Gerenciamento de Resíduos para a redução do índice de acidentes.

Todos esses temas buscaram proteger a saúde e a integridade física dos colaboradores e foram baseados nas recomendações das Normas Regulamentadores e legislações aplicáveis a proteção da saúde dos funcionários.

Acidente do Trabalho


Região Sul e Sudeste

Unidade20192020
Sede Administrativa (SP)10
CEI Jd. Eliane (SP)00
CEI São Jorge (SP)00
CEI Lageado (SP)20
CEI Santa Rita (SP)00
Hospital Estadual de Urgência e Emergência (ES)7261
CAPS Mogi das Cruzes (SP)10
UPA 24h Zona Leste (SP)05
Hospital Madre de Dio (PR)04

 

Região Norte e Nordeste

Unidade20192020
Hospital Yutaka Takeda (PA)129
Hospital de Porto Trombetas (PA)04
Hospital 5 de Outubro (PA)412
Hospital Regional do Baixo Amazonas (PA)7557
Hospital Bom Pastor (RO)22
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (PA)5456
Hospital Público Estadual Galileu (PA)1123
Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (PA)119
Hospital Regional Público da Transamazônica (PA)1517
Hospital Materno-Infantil de Barcarena (PA)2211
Hospital Regional do Sudeste do Pará (PA)4227

 

Região Centro-Oeste

Unidade20192020
Hospital São Luiz (MT)1515

 

Nos indicadores de acidentes, houve aumento de 35% nas unidades gerenciadas pela Pró-Saúde. Caracterizou-se pela contratação emergencial de colaboradores para atuarem na pandemia e, na mesma proporção, o aumento significativo de pacientes atendidos nas UTI (Unidades de Terapia Intensiva) e enfermarias. Todas as causas dos acidentes foram discutidas em reunião com a interação da CIPA e com a Comissão de Perfurocortante, com objetivo de redução dos acidentes.

Porcentual de colaboradores representados em comitês formais de saúde e segurança

Unidade20192020
Comitê na NR32131
CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes244

 

Doenças Ocupacionais


Região Sul e Sudeste

Unidade20192020
Sede Administrativa (SP)00
CEI Jd. Eliane (SP)00
CEI São Jorge (SP)00
CEI Lageado (SP)00
CEI Santa Rita (SP)00
Hospital Estadual de Urgência e Emergência (ES)00
CAPS Mogi das Cruzes (SP)00
UPA 24h Zona Leste (SP)00
Hospital Madre de Dio (PR)00

 

Região Norte e Nordeste

Unidade20192020
Hospital Yutaka Takeda (PA)01
Hospital de Porto Trombetas (PA)00
Hospital 5 de Outubro (PA)10
Hospital Regional do Baixo Amazonas (PA)00
Hospital Bom Pastor (RO)00
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (PA)00
Hospital Público Estadual Galileu (PA)30
Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (PA)00
Hospital Regional Público da Transamazônica (PA)016
Hospital Materno-Infantil de Barcarena (PA)00
Hospital Regional do Sudeste do Pará (PA)10

 

Região Centro-Oeste

Unidade20192020
Hospital São Luiz (MT)00

 

Pandemia 2020

As unidades gerenciadas pela Pró-Saúde adotaram medidas para evitar que o vírus Sars-CoV-2 se propagasse em casos de colaboradores suspeitos e diagnosticados com a doença. Foram implantados protocolos e fluxos de atendimento ao colaborador com suspeita da doença.

A Medida Provisória 927/2020, publicada pelo Governo Federal, previa em seu artigo 29, que os casos de contaminação pela Covid-19 não seriam considerados como doença ocupacional, exceto se comprovado o nexo causal.

A determinação contida na Medida Provisória transferiu o ônus da prova ao empregado, que deveria demonstrar que fora contaminado no ambiente do trabalho. Assim, poderia ter reconhecido o direito ao recebimento de auxílio-doença ocupacional, fato que poderia não lhe garantir a estabilidade no emprego.

Abaixo, destaca-se alguns trechos da Nota Técnica publicada pelo Ministério da Fazenda, SEI 56.376/2020:

“As circunstâncias específicas de cada caso concreto poderão indicar se a forma como o trabalho foi exercido gerou risco relevante para o trabalhador.

Assim, em que pese a ausência de uma presunção de que determinada doença não é ocupacional, caso a doença não esteja prevista no anexo do Decreto nº 3.048, de 1999 (como é a Covid-19), o nexo só será estabelecido se demonstrada que a “doença adquirida ou desencadeada em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente”. Ou seja, haverá necessidade de estabelecimento do nexo a partir de elementos submetidos para análise dos peritos médicos federais.”

Assim, nem todo contágio por Covid-19 poderá ser considerado, automaticamente, como doença ocupacional.

Treinamentos

Os treinamentos têm como intuito proporcionar aos colaboradores os conhecimentos técnicos necessários para o desenvolvimento de suas atribuições instaurando um clima de segurança e conscientização.

É um dos meios para desenvolver competências, tornando os profissionais mais produtivos, criativos e inovadores, respondendo aos objetivos organizacionais que têm como foco a excelência no atendimento.

O trabalho de orientação e conscientização é a base para se construir a cultura de segurança que a Pró-Saúde almeja, fortalecendo a qualidade de vida no ambiente de trabalho.

Os treinamentos direcionados ao combate da pandemia e à conscientização quanto ao uso adequado de EPI, proporcionaram aos colaboradores tranquilidade e acolhimento, reforçando o comprometimento institucional com a saúde e segurança dos profissionais.

Região Sul e Sudeste

UnidadeFuncionários treinados
em 2019
Horas de treinamento em 2019Funcionários treinados
em 2020
Funcionários treinados
em 2020
Sede Administrativa (SP)300191,273128
CEI Jd. Eliane (SP)371700
CEI São Jorge (SP)361500
CEI Lageado (SP)511700
CEI Santa Rita (SP)481900
Hospital Estadual de Urgência e Emergência (ES)1.4735.48784615
CAPS Mogi (SP)31000
UPA 24h Zona Leste (SP)00858869,31
Hospital Madre de Dio (PR)00720

 

Região Norte e Nordeste

UnidadeFuncionários treinados
em 2019
Horas de treinamento em 2019Funcionários treinados
em 2020
Funcionários treinados
em 2020
Hospital Yutaka Takeda (PA)68585210.8253.691
Hospital de Porto Trombetas (PA)8731771.90675.792
Hospital 5 de Outubro (PA)718669419250
Hospital Regional do Baixo Amazonas (PA)6091201.982247,2
Hospital Bom Pastor (RO)1211838731
Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (PA)4.2901523.7083.128,22
Hospital Público Estadual Galileu (PA)46361.27823,5
Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (PA)1.1031232.26879,33
Hospital Regional Público da Transamazônica (PA)1.2321041.4683.390
Hospital Materno-Infantil de Barcarena (PA)2.863177,211.379201
Hospital Regional do Sudeste do Pará (PA)1.844 4/093404,13

 

Região Centro-Oeste

UnidadeFuncionários treinados
em 2019
Horas de treinamento em 2019Funcionários treinados
em 2020
Funcionários treinados
em 2020
Hospital São Luiz (PA)001.339128

Importante: Algumas unidades tiveram suas atividades suspensas, por isso não houve treinamentos no período.

 

Gestão Ambiental


Política Ambiental Institucional

A Pró-Saúde, comprometida com os princípios da gestão ambiental, realizou suas atividades de acordo com as diretrizes previstas em sua Política Ambiental institucional, descritas abaixo, conforme revisão realizada em setembro 2020:

  • Prevenir a poluição e riscos ambientais decorrentes de suas atividades a fim de proteger o meio ambiente;
  • Mitigar os seus impactos ambientais significativos;
  • Utilizar com eficiência os recursos naturais;
  • Realizar a gestão de resíduos sólidos aplicando os conceitos de redução, reciclagem e reuso;
  • Praticar e difundir os conceitos de Gestão Ambiental a todos os colaboradores e demais stakeholders;
  • Promover, através de análise periódica dos indicadores, a melhoria contínua dos processos, serviços prestados pela Instituição e seus resultados, visando objetivo ambiental;
  • Garantir o cumprimento das legislações ambientais pertinentes às suas atividades;
  • Divulgar os resultados alcançados no atendimento aos compromissos ambientais.

Revisão Setembro 2020

Em 2020, a sustentabilidade enfrentou grandes desafios. Considerar a redução dos impactos ambientais, sociais e financeiros, foram fundamentais para o desempenho da entidade neste ano atípico. Mesmo assim, apresentou resultados significativos em suas unidades hospitalares administradas, próprias e sede administrativa.

Esse trabalho conjunto trouxe como principal resultado a redução de 20% no consumo de água, considerando a instituição como um todo, por meio de ações como o Projeto Reuse, que consiste no uso da água drenada dos aparelhos de ar-condicionado, realizado pelo Hospital Regional Público do Sudeste, em Marabá. O projeto de reuso de água da chuva com a criação de um sistema de captação por meio de tubos de PVC e telhas sustentáveis, realizado pelo Hospital Público Estadual Galileu, em Belém, desde 2019, além de ações de conscientização realizadas em outras unidades.

**FOTO 1** – Projeto Reuse HRPS

**FOTO 2** – Projeto HPEG.

Ações realizadas

Mais de 140 ações foram realizadas ao longo de 2020, que também apresentaram resultados positivos no âmbito da sustentabilidade:

O Hospital Oncológico Infantil, em Belém, adotou a ferramenta PaperCut, que avalia a quantidade de árvores utilizadas, de acordo com o consumo de papel. A unidade apresentou um consumo de 123 árvores entre de janeiro e outubro de 2020. Como compensação, desenvolveu o projeto Semear, que distribuiu 270 mudas de árvores e 126 mudas de plantas ornamentais para os pacientes e colaboradores ao longo do ano.

**FOTO 3** – Projeto Semear HOIOL.

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, conquistou o prêmio Amigo do Meio Ambiente com o projeto Capacitar para Mudar, que resultou na diminuição do resíduo infectante gerado na unidade por meio da conscientização dos colaboradores. Também desenvolveu o projeto Reviver, que teve como objetivo ressignificar o processo de internação hospitalar, por meio da entrega de plantas aos pacientes em alta clínica.

**FOTO 4** – Projeto Reviver HMUE

O Hospital Público Estadual Galileu, em Belém, economizou mais de R$ 25 mil realizando o reaproveitamento de 131 equipamentos e criando 150 máscaras do tipo face shield para utilização durante o período de pandemia.

**FOTO 5** – HPEG Máscara Face Shield

Quiz

A Sede Administrativa havia previsto para 2020 a realização de um quiz para interação entre as áreas. Em razão do aumento da demanda por ações de acompanhamento e orientação estratégica dedicados às unidades de saúde na pandemia, esta iniciativa foi transferida para 2021.

O game será Fiz Porque Quis, cujo objetivo é utilizar o lúdico para promover situações e práticas sustentáveis para o dia a dia do colaborador, como forma de aumentar o seu conhecimento sobre o tema.

ROA

Em julho de 2020, a Sede Administrativa iniciou oficialmente o uso do ROA (Relatório de Ocorrência Ambiental), com objetivo de registrar as ocorrências e encontrar a causa raiz dos desvios, evitando reincidência.

Já foram abertas mais de 40 ocorrências, sendo que 20 delas já foram tratadas. O programa que monitora a conservação e o consumo de combustíveis dos veículos, de forma que estejam sempre em dia com as manutenções e controles diminuindo assim o impacto ambiental.

Já entre os hospitais, foram realizadas reuniões com representantes designados pelas diretorias de todas as unidades. Foram elaborados indicadores mínimos e comuns, que são acompanhados pela Sede Administrativa. Foi estabelecido que o controle dos resíduos deve seguir o mesmo padrão do projeto Hospitais Verdes e Saudáveis. Em 2021, todas as unidades administradas pela Pró-Saúde poderão fazer adesão ao desafio de resíduos.

Outra meta para 2021 é o uso da metodologia de cálculo utilizada por meio da ferramenta PaperCut, já utilizada pelo Hospital Oncológico Infantil em 2020, para o controle dos consumos de papel e compensação energética pelas unidades e Sede Administrativa.

Nos hospitais, algumas ações também tiveram que ser reprogramadas para 2021 em novos formatos, para atender às medidas sanitárias de segurança:

  • Investimento em usina geradora de energia elétrica em parte do Hospital Bom Pastor;
  • Horta orgânica sustentável no Hospital Materno-Infantil de Barcarena.

Nos Centros de Educação Infantil, em 2020, não foram realizadas ações de sustentabilidade, em razão da suspensão das aulas. Porém, para 2021, a iniciativa é a inclusão da sustentabilidade na primeira infância.

Análise dos indicadores

Os indicadores de 2020, considerando a Sede Administrativa e suas unidades hospitalares demonstram resultados positivos referente ao consumo de água, com a redução de 20% em comparação com 2019.

O consumo de energia (da concessionária e gerador por meio do uso de óleo diesel), apresentou aumento, como esperado, porém, menor do que 5%, percentual de variação de meta da entidade.

Com todo o cenário pandêmico de 2020 e o alinhamento da alimentação dos indicadores de resíduos, houve um aumento de 72% nos resíduos infectantes, já que todo resíduo gerado no atendimento aos pacientes com Covid-19 foi descartado como resíduo infectante.

O resíduo comum (caracterizado pelo resíduo reciclável e orgânico) apresentou alta de 15%, causado principalmente pela maior utilização de produtos saneantes para desinfecção das áreas.

O consumo de papel e descartáveis passou a ser monitorado em 2020. Foram consumidas 17.130.494 folhas de papel sulfite e 18.121.228 unidades de descartáveis (considerando copos, talheres, pratos e demais utilizados ao longo do ano). A proposta do monitoramento destes indicadores é criar um comparativo para mensurar suas reduções.

* Devido a pandemia do Covid-19 os Centros de Educação Infantil não foram incluídos nos indicadores de 2020


Análise das Emissões de CO2

Em 2019, a Sede Administrativa iniciou o monitoramento das emissões atmosféricas a partir da planilha GHG Protocol. Em 2020, recebeu a menção honrosa pela participação no Projeto Hospitais Verdes e Saudáveis.

Verificação das emissões de 2020, considerando:

Escopo 1:

  • Combustão estacionária: óleo diesel utilizado nos geradores na sede administrativa e unidades hospitalares próprias e administradas;
  • Emissões fugitivas: total de aparelhos de ar-condicionado utilizados na Sede Administrativa.

Escopo 2 (Abordagem por “localização”):

  • Energia Elétrica: consumo de energia elétrica da concessionária considerando todas as unidades de saúde e Sede Administrativa.

Escopo 3:

  • Resíduos Sólidos: geração de resíduos sólidos comuns enviados para aterro e reciclagem pela Sede Administrativa e unidades de saúde;
  • Viagens a negócios: considerando todas as viagens de avião realizadas em 2020. Neste ano não foram considerados os deslocamentos dos colaboradores devido à pandemia.

Analisando os resultados, é possível verificar que o escopo 2 apresentou redução nas emissões de 19 %. Porém, este resultado refere-se a não contabilização dos valores dos Centros de Educação Infantil, visto que essas unidades não puderam operar ao longo do ano.

A redução dos resultados apresentados no escopo 3 aconteceu em razão da diminuição dos colaboradores devido à implementação do trabalho remoto, fato que fez com que o deslocamento (casa-trabalho) não fosse considerado, reduzindo redução de expressiva nas emissões.

Emissões em toneladas métricas de CO2 equivalente (tCO2e)

AnoEscopo 1Escopo 2 (abordagem por “localização”)Escopo 2 (abordagem por “escolha de compra”)Escopo 3
20206.760,3222.189,791494,355
20196.506,7502.599,22353.762,113

 

Linha do tempo

MêsAção
JaneiroPrimeira reunião com as unidades próprias e administradas para definição dos indicadores do ano
Fevereiro 
Março 
Abril 
Maio 
JunhoDia do meio Ambiente integrado entre a Sede administrativa e unidades próprias e administradas.
Início Projeto Semear HOIOL.
Julho 
Agosto 
Setembro 
Outubro 
NovembroRealização da auditoria externa da ISO14001 na sede administrativa que manteve nosso certificado
DezembroConquista do prêmio amigo do meio ambiente com o projeto CAPACITAR PARA MUDAR elaborado pelo HMUE
Ampliar fonte
Contraste