Trabalho de voluntários é homenageado no Hospital Metropolitano

Com o sentimento de gratidão no peito, os voluntários do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua (PA), celebraram o Dia Nacional do Voluntariado, na terça-feira, 28/8, em uma celebração promovida pela unidade.

O encontro reuniu pessoas que têm algo em comum: elas dedicam seu tempo aos pacientes da unidade especializada em trauma e queimados. E esse tempo, às vezes, está disponível, porque os voluntários fazem uma escolha pelo próximo. “Por trás de cada um de nós tem um lar, uma família e pessoas que amamos. Muitas vezes deixamos o conforto de nossas casas para estar aqui e fazemos isso porque existe dentro de cada voluntário, o amor pelo próximo”, conta Lucélia Cardoso, que atua no Grupo da Saúde.

Desenvolvendo atividade voluntária há três anos no HMUE, Lucélia considera o voluntariado um trabalho de formiguinha. “Parece que somos pouquinhos, mas o resultado não tem como medir. Quando um familiar conta que seu ente querido se reestabeleceu, não tem preço”, emociona-se.

Quem também se deixou levar pela emoção de celebrar o trabalho voluntário foi o estudante Fábio Lobato. Integrante da Trupe de Palhaços Curativos, o rapaz lembrou da importância da doação, seja ela materializada em objetos ou tempo. Fábio também agradeceu o trabalho dos outros voluntários presentes. “Obrigada por darem uma nova esperança aos pacientes”, diz.

Coordenadora de Projetos Sociais e responsável pelo Programa de Voluntariado da Pró-Saúde no Metropolitano, Roberta Cardins, falou com admiração do trabalho feito pelos voluntários na unidade. “A presença de vocês ajuda a confortar o coração de pacientes, que muitas vezes sequer têm alguém para visita-los. Agradecemos muito por doarem seu tempo a quem precisa”, sorri.

Além dos jovens da Trupe de Palhaços Curativos e do Grupo da Saúde, os pacientes do HMUE recebem a visita de grupos como o “Projeto Sorria”. Visitas semanais de grupos religiosos levam mensagens de fé aos usuários. Ao todo, a unidade conta, em 2018, com cerca de 40 voluntários, que se dedicam a atividades lúdicas e religiosas.

Para desenvolver as ações no hospital os voluntários também passam por capacitações periódicas, onde recebem orientações relativas a políticas internas da Pró-Saúde. No último mês de junho, os voluntários passaram por uma espécie de imersão, onde tiveram mais contato com as normas e legislações da área da saúde, bem como foram sensibilizados para a importância da preservação da privacidade e imagem do paciente.

Na ocasião, o grupo também conversou com a coordenadora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), Silvia Lüthemeier, sobre a importância da higienização das mãos no ambiente hospitalar.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of