Saúde: Ministério da Saúde brasileiro se preocupa com doença toxi-infecciosa vinda da Venezuela

Como a imigração de venezuelanos para o Brasil está em alta, o Ministério da Saúde entra em alerta, pois a suspeita de surto de difteria do outro lado da fronteira é preocupante.

A difteria, também conhecida como crupe, é uma doença toxi-infecciosa, é causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae, que se aloja principalmente nas amígdalas, faringe, laringe e nariz. Raramente ocorre em outras mucosas do corpo ou na pele.

O sintoma principal é a presença de placas esbranquiçadas na região das amígdalas. Já em casos mais graves, pode ocorrer inchaço no pescoço, devido ao aumento dos gânglios linfáticos, dificultando a respiração. A transmissão acontece por meio de contato direto com uma pessoa infectada, por meio de tosse, espirro ou lesões na pele.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, esteve na última sexta-feira, dia 18 de janeiro, no município de Pacaraima (RO), na fronteira com a Venezuela. Mandetta elogiou as ações desenvolvidas, que incluem a vacinação dos imigrantes. De acordo com o ministro, essa é a forma mais eficaz de evitar que o Brasil tenha surtos como o de catapora, poliomielite e sarampo que ocorreram no ano passado. Ainda de acordo com o ministro, pelo menos um venezuelano atendido pela Operação Acolhida foi diagnosticado com difteria.

Até o fim de março, o Ministério da Saúde deve lançar uma campanha com o intuito de fazer com que os brasileiros mantenham em dia suas vacinas.

Fonte: Agência Brasil