Saúde: Incidência de picadas de escorpiões aumenta durante o verão brasileiro

O Ministério da Saúde alerta sobre escorpiões no período de verão que vai de dezembro a março. Já que o clima fica úmido e quente, e é considerado ideal para o aparecimento desse animal, que tem hábito de se abrigar em entulhos e esgotos. A limpeza do ambiente e a adoção de hábitos simples são fundamentais para prevenir picadas.

O Ministério não recomenda o uso de produtos químicos para controle de escorpiões. “Estes produtos, além de não possuírem, até o momento, eficácia comprovada para o controle do animal em ambiente urbano, podem fazer com que eles deixem seus esconderijos, aumentando a chance de acidentes”, informou.

A população mais suscetível são trabalhadores da construção civil, crianças e demais pessoas que permanecem parte do tempo dentro de casa ou nos arredores e quintais. Já nas áreas urbanas, também estão sujeitos a picadas os trabalhadores de madeiras, transportadoras e distribuidoras de hortifrutigranjeiros, que manuseiam objetos e alimentos onde os escorpiões podem estar escondidos.

Assim que picada pelo animal, a pessoa apresenta dor imediata, vermelhidão, inchaço leve por acumulo de líquido e sudorese localizada. Crianças de até 7 anos tem mais chance de apresentar sintomas como vômito e diarreia, principalmente as picadas de escorpião amarelo. É recomendável ir imediatamente ao hospital de referência mais próximo, e se possível levar o anila ou uma foto para identificação da espécie. O local da picada deve ser limpo com água e sabão.

Dados do Ministério mostram que, em 2018, foram contabilizados 141,4 mil casos de acidentes com escorpiões no Brasil. Em 2017, foram 125 mil registros. Em relação às mortes, foram registradas 88 em 2017.