Romeiros recebem atendimento do Hospital Metropolitano no Traslado do Círio de Nazaré

Em 2016, prestes a se formar no curso de Nutrição, a estudante Rosangela Oliveira trancou a faculdade por causa de um estágio. A decisão alterou os planos da jovem, que pediu a ajuda da Virgem de Nazaré. Prometeu que se passasse no estágio e pudesse concluir a graduação, viria a pé de Castanhal a Belém, ambas no Pará.

Nesta sexta-feira, 6/10, Rosângela parou a caminhada pela rodovia BR-316, por alguns momentos para receber o atendimento prestado pelo Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) aos romeiros do Círio de Nazaré. A data marcou o início da festividade com o Traslado, a procissão na qual a Imagem Peregrina da Virgem de Nazaré é levada da Basílica Santuário, no centro de Belém, até a Igreja Matriz de Ananindeua (PA) em um cortejo rodoviário.

A unidade, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), começou sua participação nos festejos do Círio dando suporte aos promesseiros que chegam a Belém, a pé, pela BR-316. Para isso, foi montado um posto de atendimento em frente ao hospital. Denominada  'Ação do Bem', a atividade faz parte da comemoração dos 50 anos de atuação da Pró-Saúde.

Uma equipe formada por colaboradores, residentes multiprofissionais e estagiários da área de Saúde atendeu os romeiros. Foram disponibilizados curativos, massagens, além de lanches e água. Das 5h30, horário de início do trabalho, até às 14h30, a equipe realizou cerca de 158 atendimentos a promesseiros vindos de municípios da região nordeste do Pará como Castanhal, Santa Izabel do Pará, Paragominas, Peixe-boi, Benevides, São Miguel do Guamá, entre outros.

A residente de Enfermagem, Érica Borges, foi uma das profissionais que atendeu aos romeiros. Evangélica, a profissional resolveu participar da atividade para ajudar o próximo. “Enxergo esta ajuda como um ato cristão, independente de crença. Creio no mesmo Deus que os católicos. E como enfermeira, quando estou trabalhando, enxergo essas ações como um ato de amor ao próximo”, falou.

A jovem também explicou que os atendimentos realizados, especialmente os curativos, ajudariam os romeiros a chegar até a Basílica Santuário. “Não tivemos casos graves, os ferimentos que tratamos eram superficiais. Com essa proteção os romeiros, com certeza, conseguiram cumprir seu objetivo de chegar à Basílica”, falou.

Os atendimentos aos romeiros também contaram com a parceria da Faculdade Cosmopolita, que disponibilizou 35 estudantes da área de Saúde para auxiliar na ação. A diretora acadêmica da instituição, Patrícia Lima, destacou a oportunidade de aperfeiçoamento para os alunos. “A parceria com o Hospital Metropolitano possibilitou aos nossos alunos o exercício de solidariedade e da fé em uma festa grandiosa como o Círio. Isso permite que nossos alunos intensifiquem sua atuação profissional. É extremamente positivo”, disse.

Neste sábado, 7/10, a unidade prossegue o trabalho na festa nazarena. Desta vez, a equipe do HMUE atuará no Círio Fluvial com a balsa-hospitalar. Neste dia, a unidade disponibilizará equipamentos de urgência e emergência em contêineres refrigerados. Já no domingo, 8/10, os voluntários do hospital ficarão posicionados no posto de atendimento da Cruz Vermelha instalado na Caixa Econômica Federal na avenida Presidente Vargas.

Contra o trabalho infantil

O sentimento de humanização é uma prática da Pró-Saúde no Hospital Metropolitano. Por isso, a entidade tornou-se parceira do Tribunal Regional do Trabalho da 8º Região (TRT8) na campanha de conscientização contra o trabalho infantil da Comissão de Combate ao Trabalho Infantil e de Incentivo à Aprendizagem da instituição durante o Círio de Nazaré. A participação do HMUE na campanha também é uma 'Ação do Bem'.

Os estudantes da escola Senador Álvaro Adolfo foram recebidos na unidade para acompanhar a passagem do Traslado da Imagem Peregrina da Virgem de Nazaré no posto montado pelo HMUE na BR-316.

O aluno do 9º ano, J.R., de 15 anos, estava no grupo que veio ao HMUE. Definindo-se como sem religião, o jovem disse que teve um dia emocionante. “Foi um dia muito alegre com meus amigos. Não sou católico, mas gosto de Círio”, disse. Quando o assunto é a campanha contra o trabalho infantil, o estudante é enfático: “Hoje existem muitos jovens trabalhando e é bom saber que existem pessoas lutando para que eles só estudem e não precisem trabalhar”.

A campanha contra o trabalho infantil da Justiça do Trabalho no Pará é coordenada pela desembargadora Zuíla Dutra e pela juíza do trabalho Vanilza Malcher, por meio da Comissão de Combate ao Trabalho Infantil e de Incentivo à Aprendizagem.

Este ano, mais de 20 mil pessoas estarão envolvidas diretamente na ação. As orientações sobre o combate ao trabalho infantil serão levadas aos romeiros em oito, das 12 procissões oficiais do Círio de Nazaré.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of