Projeto vírus Zika atinge meta de 500 gestantes, mas ainda precisa de voluntários

O projeto de pesquisa “Infecção vertical pelo vírus Zika e suas repercussões na área materno-infantil”, desenvolvido pela Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ) e Hospital Universitário (HU), atingiu a meta de 500 gestantes. No entanto, ainda necessita de voluntários para dar continuidade às atividades que devem ser concluídas em 2020, totalizando cinco anos.

O município de Jundiaí é um dos 28 pólos de pesquisa sobre o vírus zika no Estado de São Paulo, sendo responsável por investigar as formas de transmissão da doença em gestantes e bebês. No mundo, é a única pesquisa que acompanha a mãe durante a gestação e depois a vida do bebê, pelo período de três anos.

Na fase inicial do projeto, que foi de março a outubro deste ano, boa parte dos voluntários se dedicou à triagem de gestantes, preenchimento de dados e orientação sobre o projeto. Agora, ao atingir o número de 500 gestantes, o foco maior fica por conta de realizar contatos semanais com as futuras mamães a fim de monitorar sua saúde e acompanhar os bebês na medida em que vão nascendo.

A atividade voluntária é realizada no Hospital Universitário, pelo período de quatro horas semanais. Podem ser voluntários: estudantes, profissionais já formados na área de saúde ou em outras áreas, aposentados, donas de casa e todos que tiverem interesse em ajudar. A idade mínima é 18 anos. Antes de iniciar as atividades, os candidatos são capacitados e treinados para as atividades. Os interessados devem fazer inscrições pelo telefone (11)4527-5700 ramal 820. Quem preferir pode acessar o link https://goo.gl/DTG6OS ou site do HU: http://www.hufmj.com.br/