Pró-Saúde amplia certificações de qualidade para hospitais no Pará

A Pró-Saúde, uma das maiores gestoras de saúde do País, conquistou 22 certificações e prêmios para os hospitais que gerencia no Estado do Pará, em 2018. Os dez hospitais em atividade gerenciados pela entidade filantrópica no Pará — entre unidades públicas e privadas —, realizaram ano passado 3,4 milhões de atendimentos.

Seis hospitais receberam certificações da Organização Nacional de Acreditação (ONA), uma das mais respeitadas entidades sem fins lucrativos que avaliam a qualidade dos serviços prestados por unidades de saúde.

“A presença da Pró-Saúde no Estado do Pará é marcada pelo reconhecimento de um trabalho rigoroso, feito por uma equipe multidisciplinar comprometida, para garantir um atendimento de qualidade aos pacientes que buscam por assistência. O resultado desse trabalho já havia sido reconhecido, principalmente, quando os hospitais regionais de Santarém e de Altamira entraram para o ranking dos melhores hospitais públicos do País”, destacou o diretor Operacional da Pró-Saúde no Pará (Unidades Públicas), Rogério Kuntz. Ele destaca que essas certificações de qualidade foram estendidas para outras unidades gerenciadas pela instituição. “Quem mais ganha com tudo isso é o paciente, que tem uma unidade de saúde sendo administrada por uma instituição responsável e comprometida com o trabalho de qualidade”, completa.

Com mais de 855 mil atendimentos realizados ano passado, o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, recebeu a recertificação Acreditado com Excelência ou ONA 3, como é popularmente conhecida. Trata-se do mais alto reconhecimento que vem sendo concedido pela ONA ao hospital, desde 2014. O mesmo foi registrado no Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), certificado ONA 3 pela primeira vez em 2016 e recertificado no ano passado.

O Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém, referência para a região Norte do País, tornou-se o primeiro hospital público de câncer infantojuvenil a receber a certificação Acreditado Pleno ou ONA 2. Ano passado, a unidade realizou mais de 320 mil atendimentos — dos quais 17.646 consultas médicas, 1.577 internações, 430 cirurgias e 29.192 sessões de quimioterapia. Para a gestão da unidade, o mais importante é que, desde o início, foi garantida assistência sem filas, com qualidade e de fácil acesso para a população.

Outra unidade certificada com a ONA 2 é o Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), na capital. Além de consolidar práticas de qualidade e segurança do paciente, a unidade alcançou um feito para a saúde no Norte do País: se tornou o primeiro com atendimento 100% gratuito do Brasil a ter a Enfermagem certificada pelo Programa Nacional de Qualidade do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), que constatou a excelência na prestação dos serviços da unidade.

Referência para o atendimento de trauma, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, realizou no ano 560 mil atendimentos. Em 2018, o HMUE se tornou o primeiro hospital público de trauma e queimados do Norte com certificação ONA 1 (Acreditado). De acordo com a gestão da unidade, o Pronto Atendimento foi reestruturado, promovendo mais eficácia e organização para suporte de urgência e emergência.  A gestão priorizou o atendimento aos pacientes, conforme o perfil assistencial do hospital. Dessa forma, foi eliminada a incidência de sobrecarga de atendimentos, melhorando a segurança em estrutura e assistência médico hospitalar.

Na rede privada, em Parauapebas, o hospital privado Yutaka Takeda (HYT) também recebeu da ONA a certificação Acreditado Pleno. Foi uma conquista inédita para a unidade, que nem precisou passar pelo primeiro nível de certificação. O hospital também foi a primeira instituição do Brasil a receber o selo de qualidade da Enfermagem conferido pelo Programa Nacional de Qualidade do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), reconhecido pela prática de excelência em segurança do paciente, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

“Os prêmios e, principalmente, as certificações atestam que temos ferramentas que nos permitem a avaliar o nosso trabalho e identificar as melhorias. Fazemos isso de forma contínua e conseguimos mensurar e avaliar o atendimento oferecido ao paciente, sempre buscando a garantia da segurança e qualidade em todos os processos de atendimento, que é o nosso maior objetivo”, destacou o diretor Operacional da Pró-Saúde no Pará (Unidades Privadas), Paulo Czrnhak.

O diretor destaca ainda o atendimento humanizado realizado em todas as unidades gerenciadas pela entidade. “Mais do que prestar um atendimento de qualidade, é preciso que seja humano. O atendimento deve ir além do trivial, porque a saúde está atrelada a diversas questões sociais. Por isso nossa equipe faz um trabalho dedicado à colocar o paciente no centro da atenção do atendimento”, considerou.

Outros 16 reconhecimentos foram atribuídos aos hospitais gerenciados pela Pró-Saúde ao longo do ano. Além das certificações concedidas pela ONA, os hospitais também receberam prêmios pela qualidade dos serviços prestados. Entre eles estão Hospital Amigo do Meio Ambiente, o Selo Green Kitchen, o Certificado de Gestão de Indicadores de Qualidade e Desempenho pela Epimed Solutions e o Prêmio Prazer em Trabalhar, concedido pelo jornal Diário do Pará.

Infográfico: