Pais de estudantes recebem orientação sobre diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil

Apesar de ser uma das doenças que mais atinge crianças e adolescentes no Brasil, o câncer infantojuvenil ainda é um assunto cercado de estigmas. Vencer esta barreira é uma das missões da campanha “Setembro Dourado”, desenvolvida pelo Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, em Belém (PA). 

Nesta segunda-feira, 18/9, a equipe de Humanização da entidade gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Saúde Pública do Pará (Sespa), iniciou uma semana de rodas de conversa com pais e estudantes das redes municipal e estadual de ensino para alertar sobre a importância do diagnóstico precoce da doença, que é a segunda a causar mais mortes entre crianças e adolescentes no país.

Os alunos da escola municipal Palmira Gabriel, no bairro da Pedreira, foram os primeiros a receber os colaboradores do Oncológico Infantil para um bate-papo sobre os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil. Na conversa, a coordenadora de Humanização do Oncológico Infantil, Paula Lima, pontuou sintomas da doença, para os quais os pais de crianças e adolescentes devem estar atentos, entre eles a perda de peso considerável e sem justificativa, febre prolongada e causa não identificada, caroços em regiões como a barriga, pescoço e virilha, além de palidez, cansaço e indisposição.

As orientações iniciais foram voltadas a um grupo de alunos do quinto ano. A coordenadora reforçou aos estudantes a confiança que eles devem ter nos pais para relatar qualquer mudança nos seus corpos. “É importante resgatar essa confiança para que as crianças falem quando tiverem algo errado com o corpo delas”, disse. Além da conversa, os participantes da roda receberam material educativo com orientações sobre o câncer e como proceder em caso de diagnóstico positivo.

Mãe de duas crianças, a manicure Tatiane Leal, 35 anos, ouviu atentamente as explicações da coordenadora. A descrição dos caroços acendeu um sinal na manicure, que é mãe de uma menina e um menino. “Meu filho está com caroços no pescoço. O médico disse que era só uma infecção. O que a palestrante falou foi muito importante, me deixou alerta. Vou procurar novamente o médico para investigar isso”, explicou.

A programação da campanha 'Setembro Dourado' segue nesta quarta-feira, 20/9, com a roda de conversa na escola municipal Antônio Carvalho, no bairro da Cremação. Na quinta-feira, 21/9, é a vez da escola Santa Emília no Umarizal. Na sexta-feira, 22/9, será a vez dos alunos da Escola Estadual Rio Branco, em Nazaré, receberem orientações. A programação encerrará na escola estadual Preventório Santa Terezinha, no Souza, na sexta-feira, 28/9. As rodas de conversa são uma parceria entre o Hospital Oncológico e as secretarias de Educação do município de Belém e do Estado.

A campanha “Setembro Dourado” alerta, este ano, para o fato dos sintomas do câncer infantojuvenil passarem despercebidos. Como explica a médica oncopediatra, Alayde Vieira, os sintomas podem ser confundidos com outras doenças da infância, o que dificulta o tratamento. “Quanto mais cedo o paciente chega ao centro de oncologia pediátrica, maiores são as chances de cura. Por isso, é fundamental que as pessoas conheçam os sintomas e entendam que esta doença tem cura, mas que para isso, precisa ser detectada, o que aumenta em 80% as chances de cura”, comentou a médica. 

Campanha

Este é o segundo ano que o Hospital Oncológico Infantil faz adesão ao “Setembro Dourado”, que foi criado pela Confederação Nacional das Instituições de Apoio e Assistência à Criança e ao Adolescente com Câncer – CONIACC para alertar quanto aos sinais e sintomas do câncer infantojuvenil e a importância do diagnóstico precoce.

Números

Em 2016, o Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo realizou 140.931 procedimentos entre exames laboratoriais, radioterapia, tomografia, entre outros. Nos meses de janeiro a julho de 2017, a unidade já realizou 87.367 procedimentos.

Em relação a consultas, foram realizadas 8.490 consultas em 2016. Em 2017, de janeiro a julho, já foram contabilizadas 6.543 consultas. O Oncológico Infantil registrou 1.062 internações em 2016 e 1.004 entre janeiro e julho de 2017.

Os tipos de câncer mais recorrentes entre os pacientes são leucemia e linfomas.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of