Hospital Metropolitano recebe residentes multiprofissionais para promover saúde pública no Pará

 

Recém-formada em Fisioterapia, Joyce Souza está realizando o primeiro sonho enquanto profissional da área. “Desde quando este hospital inaugurou, sempre vislumbrei atuar nesta unidade. Creio que pelo tamanho, a referência, sempre me imaginei trabalhando aqui. Na minha vida acadêmica, tive boas referências e só aumentou este meu desejo. As coisas foram se encaminhando”, disse Joyce, uma das cinco residentes multiprofissionais que irão compor a turma da “Residência Multiprofissional 2017” do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, unidade pública que atende média e alta complexidades em traumas e queimados, gerenciada pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

O Hospital Metropolitano tem a missão de formar profissionais e de promover saúde pública no Pará, disponibilizando residência médica e multiprofissional, além de ser um cenário para estágio curricular obrigatório de acadêmicos. No caso da “Residência Multiprofissional”, são dois anos de um curso de especialização, com a obrigatoriedade da elaboração de um projeto de pesquisa como ferramenta para conclusão do curso. Era exatamente o que Joyce queria para esse momento da vida profissional. “Foi um semestre de estudo e de dedicação para passar nessa residência, sendo que deixei para trás algumas oportunidades de trabalho. A área hospitalar é a minha paixão”, frisou.

Além de Joyce, Sally Silva (Terapia Ocupacional), Letícia Ramos (Fonoaudiologia), Débora Pegado (Psicologia) e Amanda Alfaia (Enfermagem) foram as profissionais selecionadas para a “Residência Multiprofissional” por meio de um edital unificado, com supervisão da Universidade do Estado do Pará (UEPA). Nesta terça-feira, 7/3, elas participaram de uma cerimônia chamada de acolhimento, que aborda as diretrizes de funcionamento da unidade de saúde.

Amanda Alfaia, que também é recém-formada, disse que desejava trabalhar em uma unidade hospitalar referência para o tratamento de trauma. Uma situação familiar despertou este desejo na enfermeira, que até então era estudante do ensino médio. “Entrei na Enfermagem pela vontade de estudar o trauma, depois de um acidente com o meu irmão. Fiquei interessada nessa área de atendimento e soube da vaga no Hospital Metropolitano desde os primeiros anos da universidade. Então, eu foquei”, disse.  

No programa de “Residência Multiprofissional”, o Hospital Metropolitano contabiliza a formação de 24 profissionais. São 5.760 de horas aulas divididas entre atividades teóricas e práticas. A parte teórica é composta do eixo comum, feito em parceria com a UEPA. O eixo específico engloba a demanda do Hospital Metropolitano. Na parte prática, o residente conhece e acompanha o trabalho da área assistencial do hospital, com a orientação de preceptores de cada curso.

Para o coordenador do Departamento de Ensino e Pesquisa, Leonardo Ramos, a unidade oferece aos residentes um vasto campo para estudos. “Esperamos avançar nessa área de ensino e pesquisa com a missão de contribuir com a saúde na nossa região”.   

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of