Hospital Metropolitano orienta motociclistas sobre uso do capacete no trânsito

Um momento para refletir sobre a segurança dos motociclistas no trânsito da região metropolitana de Belém. Foi assim a palestra ministrada pelo coordenador médico do Pronto Atendimento do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), José Guataçara Gabriel, no auditório da concessionária Mônaco, na capital do Pará.

Convidado da Associação Paraense de Motociclistas (Aspamoto), o médico falou para uma plateia de condutores, que incluiu integrantes de motoclubes de Belém. O profissional apresentou a palestra “Quero Andar de Moto Até Morrer, Mas Não Quero Morrer Andando de Moto”, que também integra o programa “Direção Viva”, desenvolvido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar no Hospital Metropolitano. 

Em sua fala, Guataçara detalhou a dinâmica dos acidentes de moto e as consequências físicas causadas pelo sinistro ao condutor. Ressaltou, ainda, a importância de um ato simples: a utilização do capacete, além dos demais equipamentos de proteção individual para o motociclista. “Mostramos aos motociclistas o porquê da necessidade do uso do capacete. Os órgãos de trânsito cobram a obrigatoriedade do uso e o nosso papel é mostrar quais são as consequências quando você deixa de usar equipamentos de segurança”, enfatiza.
Os motociclistas acompanharam, também, uma simulação de atendimento de primeiros socorros a vítimas de acidente com motocicleta, bem como foram orientados sobre o tipo de conduta que ajuda o acidentado nos primeiros momentos após o sinistro. Além do representante do HMUE, a programação da Aspamoto contou com palestra do professor Waldez Pantoja de Souza, que abordou a influência da privação de sono na pilotagem de motos. 

A programação teve, ainda, caráter solidário. Os participantes trocaram os ingressos para as palestras por dois quilos de alimento não perecível, que foram doados para a creche do projeto “Paricuã”, no município de Terra Alta, nordeste do Pará.

Em queda

O Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) registrou queda no número de atendimentos a pacientes vítimas de acidentes de motocicleta no primeiro semestre de 2018. Entre os meses de janeiro e junho deste ano, a unidade registrou o atendimento a 1.925 pacientes vítimas de acidente de trânsito. 

Deste total, 751 pacientes eram vítimas de episódios envolvendo motocicleta. No ano anterior, 2017, a unidade atendeu a 2.134 pacientes vítimas de acidente de trânsito no mesmo período de janeiro a junho. Sendo, 853 vítimas de acidente com motocicleta. Dos 751 atendimentos realizados em pacientes vítimas de acidente de motocicleta no primeiro semestre de 2018, 514 evoluíram para internação.

 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of