Hospital Metropolitano atende romeiros do Círio de Nazaré

De Curuçá a Belém (PA), aproximadamente 120 quilômetros. Tudo isso, feito a pé. A distância não amedronta, mas causa inevitáveis sinais de desgaste nos romeiros do Círio de Nossa Senhora de Nazaré. “Saí de Curuçá na última terça-feira e chegando hoje (sexta-feira), em Belém. Estou cansado, mas tudo vale pela nossa fé na Nossa Senhora. Quero agradecer por tudo”, disse o servidor público Vagner Alves. Já o estudante Paulo Eduardo caminhou de Bujaru a Belém, percorrendo um trajeto de cerca de 72 quilômetros. “Minha mãe teve um mioma. E prometi que com o pronto restabelecimento da saúde dela, iria caminhar a Belém em toda edição do Círio de Nazaré. Estou no segundo ano”, disse.  

Vagner e Paulo foram dois dos mais de 100 romeiros assistidos pelo Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, que montou um posto de atendimento em frente à unidade, na BR-316. Colaboradores e residentes prestaram assistência aos romeiros, muito deles, oriundos de outras cidades, como Vagner Alves. “Os sinais de cansaço são dores no pé, joelho e na perna. Então, a ajuda dos profissionais da área da saúde auxilia e serve para que possamos continuar a nossa caminhada”. Paulo Eduardo tem o mesmo raciocínio. “Realizei dois curativos no meu pé e creio que estou melhor para seguir”. No posto de atendimento do Hospital foram disponibilizados, além dos curativos, avaliação e massagem dos pés e distribuição de lanche e água. Também foi possível aferir pressão e glicemia.  

O diretor Geral do Hospital Metropolitano, Rogério Kuntz, acompanhou o trabalho e ressaltou o caráter multiprofissional da equipe. “Fizemos atendimento médico, com fisioterapia e toda a equipe multiprofissional”, disse. Enfermeiros, psicólogos e terapeutas ocupacionais também estavam à disposição dos romeiros. O residente de fisioterapia do Hospital Metropolitano, Luan Araújo, considerou a ação extremamente gratificante. “Temos esse papel de realizar ações sociais. Nós tivemos a oportunidade de ajudar os romeiros, dando apoio e auxiliando muitos a pagar promessas. Isso é sensacional! Muitos chegam com dor, calo nos pés. E nós temos que ajudá-los”, reiterou. O coordenador da ação, Leonardo Ramos, explicou o perfil destes atendimentos. “Avaliamos, principalmente, o membro inferior da pessoa, em relação a edema, algum tipo de ferimento ao longo desse trajeto. Nós também realizamos atendimento a quem está com problemas nas costas, fazendo alongamentos”.

Programação

A participação da unidade de saúde, que é pública, pertencente ao Governo do Pará, na festa católica do povo paraense seguirá neste sábado, 8/10, quando colaboradores do Hospital Metropolitano atuarão no Círio Fluvial. Haverá atendimento avançado, inclusive com leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e equipamentos de urgência e emergência. A estrutura ficará disponível na balsa montada em uma das embarcações das forças armadas.

Na grande procissão do próximo domingo, 9/10, os colaboradores do HMUE atuarão em parceria com a Cruz Vermelha. A equipe terá como base de apoio o posto de atendimento instalado na Caixa Econômica Federal. No local, serão realizados os primeiros atendimentos aos romeiros. E caso haja necessidade, será providenciado transporte para outras unidades de saúde.

O Círio de Nazaré é uma das maiores procissões católicas do Brasil e do mundo. Reúne, anualmente, cerca de dois milhões de romeiros. Nas diversas procissões, a Berlinda que carrega a imagem da Virgem de Nazaré é seguida por romeiros paraenses, de várias regiões do país e até do exterior.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of