Hospital Galileu renova selo Green Kitchen

Comida de hospital pode ser gostosa, saudável e sustentável, sim. É o que vem provando o Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), gerido pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), que este ano renovou o selo Green Kitchen, conquistado pela primeira vez em 2016. Certificação de que a cozinha do hospital mantém padrões de qualidade tanto no âmbito social quanto ambiental.

Para a coordenadora do Serviço de Nutrição e Dietética, Laurena Von-Grapp, a renovação do selo é um reconhecimento da busca pela melhoria contínua, um dos diferenciais do hospital, que atende 100% Sistema Único de Saúde (SUS).  “Ter esse selo significa que estamos cumprindo práticas importantes e buscamos oferecer cada vez mais uma alimentação saudável, adequada e sustentável”, afirmou.

Com uma equipe composta por 33 colaboradores, o SND do Hospital Galileu fornece diariamente alimentação para colaboradores, usuários e acompanhantes que passam pela unidade. Apenas no mês de setembro, foram mais de 19 mil refeições preparadas por eles. Alimentação essa, focada em ser cada vez mais saudável, fugindo de frituras e utilizando apenas óleos naturais e pouco processados, como óleo de girassol, soja, azeite de oliva e óleo de dendê.

Mas, o trabalho não para por aí. Para garantir que a alimentação saudável não se restrinja ao período que passam no hospital, também são ofertadas oficinas para usuários e colaboradores sobre reutilização de casca de frutas e vegetais, e até uma cartilha de receitas já foi elaborada e distribuída para todos.

“É na casca dos alimentos que está a maior parte dos nutrientes. Portanto, não podemos deixar esse alimento tão rico ir vá parar no lixo”, afirmou Laurena Von-Grapp.

Sustentabilidade

 Quando o assunto é sustentabilidade, também são muitas as ações já desenvolvidas na unidade. A coleta seletiva já é realidade e todos os resíduos são separados – ossos e cascas, restos de alimentos, resíduos orgânicos e recicláveis – e enviados para a Associação de Recicladores de Águas Lindas (Aral).

No Hospital Galileu, até o óleo utilizado no alimento vai parar em uma cadeia sustentável. Já que, após utilizado, será destinado a Aral que empregará aquele produto na produção de sabão. “Essas práticas fizeram a diferença para que o selo Green Kitchen fosse renovado. Porém, para nós, fazem parte da nossa conduta de gestão que é a de buscar melhorias contínuas para os nossos serviços, utilizar utensílios cada vez mais sustentáveis, investir em práticas sustentáveis, e oferecer uma alimentação cada vez mais saudável”, concluiu a nutricionista. 

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of