HEGV implementa novo Protocolo de Fratura de Fêmur em Idoso

A aposentada Severina Leopoldina Alves, moradora da Pavuna, Zona Norte do Rio de Janeiro, é uma vovó de 87 anos, cheia de amor pelos netos e que não gosta de ficar parada. No dia 15/03/18, ela se levantou no meio da madrugada, escorregou em uma almofada e sofreu uma queda. Severina foi socorrida pelos filhos e levada para o Hospital Estadual Getúlio Vargas (HEGV), na Penha, Rio de Janeiro. O diagnóstico foi fratura do colo de fêmur e cerca de sete horas após o incidente, ela já estava na mesa de cirurgia.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera este tipo de fratura como um importante problema de saúde pública nos países desenvolvidos e subdesenvolvidos. A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia também alerta que a mudança na expectativa de vida da população, ao mesmo tempo que é uma conquista, traz muitos desafios, entre eles, o aumento no número de fraturas em idosos. No Brasil, dados do Projeto Diretrizes/SBGG mostram que 30% dos idosos vão cair pelo menos uma vez por ano. Em 5% desses casos, haverá uma fratura de fragilidade, como por exemplo, a de fêmur. Segundo o Ministério da Saúde, em 2008, o país registrou 67.664 casos de fraturas de fragilidade em idosos, sendo que em 2013 esse número pulou para 85.939.

Diante desta realidade, o Hospital Estadual Getúlio Vargas, implementou no dia 12 de março, o ‘Protocolo de Fratura de Fêmur em Idoso’, uma iniciativa inovadora na saúde pública do Rio de Janeiro. Segundo o coordenador médico do setor de Ortopedia da unidade, Marcos Paulo Mugayar, o objetivo é que o idoso seja submetido ao procedimento cirúrgico no prazo máximo de até 48 horas após a internação. Ainda de acordo com o médico, a cirurgia precoce pode trazer inúmeros benefícios para o idoso. “O paciente que fica menos tempo internado apresenta menos riscos de infecções hospitalares. Além disso, a cirurgia precoce melhora a autoestima do idoso, pois ele voltará mais rápido ao lar e ao convívio com seus familiares”, ressaltou.

Severina Leopoldina Alves foi a primeira paciente a se beneficiar do novo Protocolo de Fratura de Fêmur em Idoso do HEGV, o que é motivo de muita alegria para todos os familiares. “A gente escuta falar muita coisa sobre os hospitais públicos, mas eu só tenho a agradecer toda a equipe do Hospital Getúlio Vargas. Minha mãe chegou de madrugada e poucas horas depois já estava no Centro Cirúrgico. Agora é redobrar os cuidados com ela e mais uma vez agradecer por esse atendimento”, disse a promotora de eventos Eliana Alves da Silva, filha da paciente. 

O diretor técnico do HEGV, Paulo Ricardo Costa, enfatiza que a implementação deste Protocolo visa principalmente diminuir as taxas de mortalidade nos idosos que sofrem esse tipo de fratura. “Estudos apontam que a taxa de mortalidade está diretamente ligada ao tempo de internação, chegando a uma média de 23% dos casos. Quanto mais rápida for a alta hospitalar, maior será a chance de recuperação, afirmou. 

Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2017, revelou que o Brasil tem 26 milhões de pessoas acima dos 60 anos, um crescimento de 50% em uma década. Para envelhecer com mais saúde e prevenir as quedas, o coordenador médico do HEGV, Marcos Paulo Mugayar, destaca alguns cuidados. “O ambiente deve ser iluminado e, se possível, sem tapetes. Barras de apoio laterais próximo ao vaso sanitário e dentro do box também ajudam a evitar acidentes. Outra preocupação é com o sapato do idoso. O mais indicado é que tenha um solado antiderrapante.”, concluiu.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of