Blitz no trânsito fecha ações do Hospital Regional de Altamira no ‘Setembro Verde’

Setembro está quase acabando e para marcar o mês alusivo à doação de órgãos, o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT) realizou várias ações internas e externas de conscientização em Altamira, no sudoeste do Pará, por meio da Comissão Intra-hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante (CIHDOTT). As ações começaram no final de agosto e seguem até o final do ano, mas duas blitz foram realizadas para encerrar o cronograma deste mês, o “Setembro Verde”.

Durante o mês todo, foram duas palestras em faculdades locais, uma ação de panfletagem no Centro de Convenções local e as duas blitz, que aconteceram no último sábado, 23/9, no cruzamento da Avenida Djalma Dutra com a Travessa Pedro Gomes; e na terça-feira, 26/9, no mesmo cruzamento e na esquina da Travessa Pedro Gomes com a Avenida Magalhães Barata, dois pontos de grande fluxo de veículos no centro da cidade.

Motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres foram abordados pela equipe do Hospital Regional e receberam um material informativo sobre a doação de órgãos. O objetivo é tirar dúvidas da população e incentivar para que cada vez mais pessoas declarem o desejo de doar aos amigos e, principalmente, à família, que é quem, por lei, pode autorizar ou não a doação em caso de morte encefálica.  

“A nossa principal função na CIHDOTT é descobrir quais as maiores dúvidas da população e tentar saná-las. Buscamos capacitar as pessoas e promover o conhecimento, para conseguir mais doações. E o mais importante, queremos mostrar que a doação de órgãos é um ato de amor. Para cada pessoa que doa seus órgãos, duas pessoas podem voltar a enxergar, outras duas podem voltar a respirar normalmente, duas podem sair da diálise, enfim, a doação pode melhorar a qualidade de vida de muita gente”, explica o médico nefrologista Leonardo Rodrigues, um dos membros da CIHDOTT do HRPT.

Além das ações externas, o Hospital Regional promoveu visitas a  todos os setores da unidade neste mês e conversou com os colaboradores. Com o mesmo objetivo: desmistificar a doação de órgãos e fazer com que os colaboradores se tornem difusores das informações. Até o dia 30/9, a fachada do Hospital Regional Público da Transamazônica seguirá com a iluminação verde, fazendo alusão à campanha.

Doação de Órgãos

A maior parte dos potenciais doadores de órgãos é de pacientes que foram diagnosticados com morte encefálica, ou seja, que tiveram danos graves e irreversíveis no encéfalo e perderam todas as funções do cérebro. Nestes casos, são realizados dois tipos de exames diferentes para se ter certeza da morte encefálica.

De acordo com a legislação brasileira, não são considerados válidos nenhum tipo de documento – de identificação ou assinado – constando que aquele paciente é um doador. Apenas os familiares podem liberar ou não a doação.

Podem ser doados os seguintes órgãos e tecidos: córneas, coração, pulmão, pâncreas, ossos, medula óssea, intestinos, rins, pele, valvas cardíacas e fígado.

Campanha

As ações da primeira Campanha de Doação de Órgãos do Hospital Regional Público da Transamazônica se estenderão até o final do ano. A unidade, que é gerida pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar desde 2006, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), busca sensibilizar a sociedade para, em breve, realizar a captação de órgãos na região Integração do Xingu.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of