G1 - Centro de referência prepara combate e tratamento ao zika vírus em Uberaba | Pró-Saúde
Voltar para home
Imprensa

Na Mídia

G1 - Centro de referência prepara combate e tratamento ao zika vírus em Uberaba

 

 

Embora Uberaba não tenha registros de casos confirmados e nem suspeitos de zika vírus, a cidade se prepara para o combate e tratamento da doença, cujo transmissor é o mosquito Aedes aegypti. Desde outubro, a cidade mantém em funcionamento um centro de referência na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bairro São Benedito, onde é feita a sorologia para casos suspeitos.

O centro de referência, chamado de Sentinela, é um dos seis existentes em Minas Gerais. Os demais estão localizados em Juiz de Fora, Montes Claros, Teófilo Otoni, Pouso Alegre e Belo Horizonte. A amostragem aleatória é realizada quando o paciente tem até, no máximo, três dias de sintomas, para que o vírus seja isolado.

O diretor de Vigilância Epidemiológica, Robert Boaventura de Souza, afirma que foram feitas duas coletas desde a inauguração do Sentinela. São atendidos todos os pacientes que chegam à UPA com sintomas das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, sendo os mais comuns dores musculares e febre. No caso do zika vírus, a evolução é benigna e os sintomas se limitam a, no máximo, sete dias e não deixa sequelas.

“O atendimento é feito por enfermeiros da UPA, que trabalham conforme o protocolo que passamos. O paciente chega com os sintomas e, se ele atender o perfil do protocolo, colhemos a amostra que é enviada para o laboratório da macrorregional em Uberaba e depois encaminhada para o laboratório do estado, em Belo Horizonte”, explicou.

O superintendente regional de Saúde, Ivan José da Silva, afirma que o laboratório instalado em Uberaba atende as regiões Noroeste, Triângulo Norte e Triângulo Sul. O tratamento é feito com base na hidratação dos pacientes. Além disso, o diagnóstico pode ser feito nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

“Qualquer unidade de saúde está capacitada para diagnosticar o caso. Os pacientes são atendidos pelos médicos da atenção primária, que já foram capacitados pelo estado para o diagnóstico. Em caso de suspeita, esse profissional é responsável por fazer a notificação. O combate é o mesmo da dengue, pois o vetor é o mesmo”, disse.

<< voltar