O Regional - PMAQ - Catanduva Tem Média de Consultas Maior do Que a do País | Pró-Saúde
Voltar para home
Imprensa

Na Mídia

O Regional - PMAQ - Catanduva Tem Média de Consultas Maior do Que a do País

 

 

Nathália Silva

Catanduva realiza mais consultas médicas na rede de atenção básica do que as médias estadual e nacional. É o que revelam os dados do Programa de Melhoria do Acesso e a Qualidade da Atenção Básica (PMAQ) do Ministério da Saúde.

O dado sobre a quantidade de consultas médicas realizadas pela rede de atenção básica de saúde está tabulado no indicador de produção geral do PMAQ de 2014, com dados coletados em 2013. De acordo com o relatório a média de consultas por habitantes da cidade é de 1,87, enquanto que no Estado de São Paulo é 1,31 e no Brasil 1,44. Este critério considera a organização da agenda da equipe, coordenação e cuidado na rede de atenção e resolutividade, acolhimento a demanda espontânea e população de referência.

A quantidade de consultas médicas para cuidados continuados também é maior do que o resultado estadual e federal: 29,73%; 29,14% e 21,43%; respectivamente. O mesmo acontece nas demandas agendadas com 57,04%; 52,03% e 50,15%.

Já o atendimento da chamada demanda espontânea tem números inferiores. Enquanto que no Estado 18,84% é atendida em Catanduva apenas 13,23% dos pacientes que espontaneamente procuram os postos de saúde recebem atendimento. A diferença é maior ainda quando considerada a média do País: 28,42%.

Muito acima da média

A conclusão do PMAQ de 2014 é de que 80,95% dos postos de saúde de Catanduva, geridos pela Pró-Saúde há quase cinco anos, estão “muito acima da média”. A avaliação realizada por técnicos do Ministério da Saúde coletou os dados em 2013, ano de adesão da cidade ao programa que premia com recursos cidades que têm bom desempenho.

O PMAQ considera três eixos para a obtenção dos indicadores de qualidade no serviço: autoavaliação, monitoramento dos indicadores e avaliação externa que consiste em entrevistas com usuários do sistema presentes nas unidades de saúde no momento da visita do agente do Ministério.

Este foi o segundo ciclo do programa que teve os primeiros resultados divulgados em 2012. Naquele ano apenas seis postos de saúde da cidade participaram da avaliação e metade ficou “muito acima da média” e a outra metade “acima da média”.

Já no segundo ciclo todas as unidades participaram e apenas uma das que ficaram “acima da média” permaneceram no mesmo patamar. Quatro unidades não receberam a avaliação máxima: Jardim Imperial, Euclides, Nosso Teto e Del Rey.

<< voltar